Alexandra Markl, Artes, artes visuais, Celina Bastos, Geral, João Glama, Museu Nacional de Arte Antiga, Teresa Serra e Moura

O Terramoto de 1755 na Pintura

Terramoto joão Glama

O Museu Nacional de Arte Antiga tem sempre motivos para ser visitado. Não só pelas suas colecções permanentes, merecedoras de serem sempre (re)visitadas mas também pelas suas exposições temporárias.

Na semana passada foi inaugurada a exposição Anatomia de uma Pintura, sobre O Terramoto de 1755, de João Glama Stöberle, um dos mais meritórios pintores do barroco português.

A importância dessa pintura ultrapassa-a. O terramoto de 1755 uma catástrofe que destruiu Lisboa ecoou por toda a Europa com enormes repercussões no mundo filosófico, científico e político. Aconteceu numa época de grandes transformações sociais quando o iluminismo e o capitalismo lançavam as bases das sociedades modernas nalguns países da Europa Ocidental.

Os primeiros embates em Portugal foram entre os jesuítas e o Marquês de Pombal. Os jesuítas dominavam o país espiritual e temporalmente. Controlavam o ensino, opondo-se às reformas do marquês que introduziam a investigação experimental e as ciências da natureza de acordo com os padrões científicos mais avançados na Europa. Tinham um imenso poder económico, sobretudo no Brasil, em que se subtraíam aos impostos do Estado. O terramoto abriu um campo de batalha privilegiado. O jesuíta Malagrida escreveu um panfleto “Juízo da Verdadeira Causa do Terramoto” em que atribuía a catástrofe a um castigo de Deus pelas políticas do reino, ameaçando quem não contribuísse generosamente para os cofres religiosos com novos castigos divinos. Contrariava frontalmente o Marquês de Pombal que tinha proclamado que o sismo era um fenómeno natural, não tinha nada de religioso. O embate era sobretudo político, acabaria com a expulsão dos jesuítas e o reforço dos poderes do marquês. No estrangeiro o debate era sobretudo filosófico. Rousseau e Kant procuraram explicações científicas para o sucedido, destruindo as especulações religiosas, os significados supersticiosos. Voltaire no “Poema sobre o Desastre de Lisboa” refuta as teorias de Poppe e Leibnitz de o terramoto ser uma consequência inelutável da natureza humana submetida à justiça de Deus. Em “Cândido ou o Optimismo” faz desembarcar os protagonistas, Cândido e o seu mestre Dr. Pangloss, em Lisboa no dia do terramoto. O jovem acredita que é o Dia do Juízo Final, o mestre uma questão vulcânica. Uma alegoria sobre a ingenuidade e a exploração da ingenuidade.

O Terramoto de Lisboa, um terrível fenómeno natural, tornou-se num fenómeno cultural de enormes repercussões com uma dimensão histórica de grande amplitude.

Paradoxalmente nas artes o terramoto teve menor expressão. David Perez, Mestre da Capela Real que tinha inaugurado o Teatro da Ribeira, arrasado e não reconstruido, com Alessandro nell’Indie começou a dedicar muita da sua escrita à música sacra com destaque para Mattutini dei Morti, sobre o fatídico dia 1 de Novembro.

Nas artes visuais a iconografia é escassa. A mais significativa é O Terramoto de 1755 de João Glama e as gravuras de Jacques-Philipe Le Bas, sobre desenhos de Pedegache, que antecipam a atracção encantatória que as ruínas iriam provocar nos românticos.

A pintura de João Glama é uma obra inacabada depois de trinta e seis anos de trabalho. É uma panorâmica de todas as catástrofes que destruíram Lisboa. Pessoas de todas as condições sociais, abismam-se com o tremor de terra, os incêndios, o maremoto. São mortos, moribundos, gente paralisada pelo terror e que socorre os sobreviventes, chora os mortos num cenário de ruínas.

O quadro restaurado por Teresa Serra e Moura, técnica de conservação e restauro do MNAA, que dada a escassez das figurações tem sido o mais utilizado para o representar o terramoto, está em exposição na Sala do Tecto Pintado do museu, apoiado num profundo e esclarecedor estudo de Alexandra Markl e Celina Bastos que determinaram que o pintor se encontrava em Lisboa, na Igreja das Chagas tendo fugido para um descampado onde está agora localizada a Associação Nacional de Farmácias. Concluem as historiadoras, baseadas na muita documentação consultada, que João Glama começou a pintar o quadro imediatamente, quase sem desenhos preparatórios recuperando alguns dos personagens de estudos muito anteriores, alguns feitos quando estava em Roma. O propósito do pintor era “escrever” uma narrativa feita de fragmentárias narrativas em que também participa. Dar uma ideia “cinematográfica” do acontecimento num cenário de destruição e desolamento que o tratamento das ruínas acentua. Em tantos anos de trabalho Glama vai mudando perspectivas e personagens, como as análises de raio-X revelaram. Provavelmente o impacto do terramoto em Portugal e no mundo, conduzem-no a alterações que não sendo substantivas não deixam de ser relevantes.

A exposição intitula-se Anatomia de um Quadro. De facto o trabalho realizado pelas historiadoras e pela técnica de restauro, a documentação reunida e sistematizada pela primeira vez dá nova perspectiva a essa pintura e à vasta obra de João Glama. Uma exposição que pode ser visitada até 27 de Maio onde vale ir para se perceberem os labirintos da arte e as questões com que os artistas se confrontam, por vezes tão vastas que o pintor fica incapaz de acabar um trabalho.

( na base de um texto publicado no jornal Avante!)

Standard

2 thoughts on “O Terramoto de 1755 na Pintura

  1. Pingback: «Dissecando» uma pintura, no MNAA – Ópera do Tejo

  2. Pingback: O Terramoto de 1755 na Pintura — Praça do Bocage | O LADO ESCURO DA LUA

Comente aqui. Os comentários são moderados por opção dos editores do blogue.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s