Geral

Tio Patinhas a Caminho de Belém

2008_06joanavasconcelos_gtio patyinhasa

O novo Museu dos Coches abre um enorme buraco no muito depauperado orçamento da cultura. A sua construção foi um erro brutal, decidido por obtusos peritos em turismo, sem nenhuma sustentação em políticas culturais (*) Com um custo de 35 milhões de euros, contrapartidas do Casino de Lisboa, o novo Museu dos Coches terá um custo de funcionamento anual de 3,5 milhões de euros,estimativa da SEC, Será necessário o número de visitantes ultrapassar o milhão/ano. Quase cinco vezes o número de visitantes actuais, num Museu que é dos mais visitados.

O descalabro na cultura, vai-se acentuar. Os perigos que se aproximam , vão abrir uma caixa de Pandora nos frágeis alicerces de uma política cultural praticamente inexistente, com um orçamento irrisório.

O prenúncio é feito pela nomeação de António Lamas (AL) para o Centro Cultural de Belém. Não é um fim, mas o principio da integração numa única entidade do eixo monumental e museológico Belém-Ajuda. É conhecida a defesa que AL faz em aplicar o modelo da Parques Sintra-Monte da Lua em Belém(**).

Há uma enorme diferença entre o património gerido pela Parques de Sintra-Monte da Lua e a que poderá integrar o Distrito Belém-Ajuda. Em Sintra não existem equipamentos com vida e objectivos culturais próprios e diversificados. As receitas de alguns dos Palácios, cobre os défices de outros. O mesmo com os parques, jardins e florestas. AL argumenta que a Parques de Sintra-Monte da Lua, não recebe apoios do OE, é auto-sustentável. Uma falácia. Se o OE não gasta um cêntimo para a manutenção e recuperação desse património, foi porque perdeu verbas avultadíssimas gerradas pelos Palácios que eram tutelados pelo Estado e foram transferidos, sem custos, para a Parques de Sintra-Monte da Lua. Essa a raiz da boa gestão AL.

Em relação a Belém-Ajuda a diversidade dos equipamentos culturais é uma evidência. Uma gestão integrada, teria poupanças marginais com serviços de limpeza. segurança e manutenção conjuntos. Com a partilha de sistemas de bilhética. O que carece de demonstração são as outras vantagens que A L enuncia. É uma realidade que tem sido largamente debatida pelos técnicos dos museus e monumentos daquela zona, desenvolvida em debates públicos com largíssima participação. As sugestões, muitas reproduzidas por AL, têm sido olimpicamente ignoradas pelos sucessivos ocupantes das cadeiras governamentais da cultura.

A carência de meios, humanos e materiais, é cada vez maior. As vantagens das trocas de experiências e da elaboração de projectos comuns, tem sido objecto, como referido, de grande reflexão que aponta para uma funda articulação entre equipamentos, com o seu reforço identitário, o que ultrapassa em muito as reflexões de AL, mais preocupado com a vertente económica, subordinando os projectos culturais a esse objectivo. Com o descalabro a bater à porta quando se inaugurar o Museu dos Coches, o seu custo de funcionamento actual, 600 mil euros/ano multiplica-se por seis , o modelo apontado por AL adquire corpo. A sua bondade é que deve ser questionada, se não será proceder à macdonalização de eixo Belém-Ajuda, com AL em “master-chef”.

É forte a tentação de criar-uma empresa, originalmente de capitais públicos, que integre os Museus dos Coches,Arqueologia,Etnologia, Arte Popular, Marinha, da Presidência, EDP. Monumentos dos Jerónimos, Torre de Belém, Padrão dos Descobrimentos, Palácio da Ajuda. O Centro Cultural de Belém, Planetário, Cordoaria. Os jardins Tropical e Botânico.

O perigo não está na visão de AL, está quando se lêem as GOP da Cultura que preconizam a gestão “mais racional e eficiente dos organismo da cultura”,, do património poder ser administrado por “entidades terceiras” , de se“reduzir a dependência dos financiamentos públicos directos”. Sabemos bem de mais o que isto quer dizer. Com um governo que só vê virtudes na gestão privada, que privatiza ou está predisposto a privatizar, os bens públicos mais essenciais, a privatização da futura empresa Distrito Belém-Ajuda, com o seu valiosíssimo património, renderia, no imediato, uns valentes cabedais. Para essa gente de vistas curtas, ausência de cultura e principios estará certamente em cima da mesa. A beatificação cultural da Everything is New pela mão da SEC é um primeiro passo na disneyficação da política cultural. Para o Distrito Belém-Ajuda devem desejar que o Tio Patinhas esteja a caminho. Já deve estar andar dentro das cabeças dos “nossos” governantes para descalçar o pedregulho que o novo Museu dos Coches acrescenta às outras pedras e pedrinhas que estão dentro daquela bota. Temos uma certeza: aquela gente não se importa em cometer esse crime, essa traição à nossa identidade nacional e cultural.

(*)leia-se o argumentário arrogante e estúpido, à escala do personagem, do Director Geral do Turismo de Lisboa na Revista Turismo de Lisboa/Maio 2009)

(**)”O modelo da Parques de Sintra-Monte da Lua é aplicável em Belém” António Lamas, Público 30/10/2013

( publicado no jornal Avante! de 13711/2014)

Standard
Geral

Comédias de São Bento!

arlequins

Em princípio, se tudo correr bem, as escolas começarão o ano escolar normalmente com mais de um mês de atraso! Se no fim tudo continuar a correr mal, mal vai correr para os professores colocados que não ficam colocados porque o ministro com uma lata infame desmente-se dando o dito, na AR aos deputados, jornalistas e assistentes, por não dito, o ano escolar começará normalmente não se sabe é quando. Para o governo, para o ministro, para o ministério nada de grave se passa porque a normalidade acontecerá, só não se sabe quando.

Parece que há uma comarca nos Açores onde o Citius já funciona em pleno. No resto do país, mais de um mês desde o fim das férias judiciais, de viagens diárias de centenas de quilómetros percorridos por muitos funcionários judiciais em busca do seu novo posto de trabalho, de tribunais em obras, de tribunais atascados pelos processos oriundos de tribunais fechados, de arrumos e desarrumos e do Citius continuar em estado comatoso, a Justiça e os tribunais irão um dia encontrar a normalidade da reforma judicial, só não se sabe quando.

A ministra das finanças, com a mesma convicção com que afirmou que o caso BES não custaria um cêntimo aos contribuintes, agora diz que o caso BES afinal vai entrar nos bolsos de todos nós. A facilidade com que mentem e se desmentem os governantes, os deputados das bancadas da maioria que suporta o governo, os seus comentadores de serviço, torna-se pegajosa. Já nenhum deles se se consegue livrar desse vírus que torna os cérebros dessa gente esponjosos. Papel mata borrão das maiores abominações.

Após três anos a sermos esfolados vivos, olhamos atónitos para o wrestling verbal entre o primeiro-ministro, o vice-primeiro-ministro, a ministra das finanças, as claques governativas, todos de olhos em bico fixados no calendário eleitoral a prometerem e a descomprometerem-se com uma baixa de impostos, se. Se em principio e se tudo correr bem. Os resultados da esfola, apesar dos sucessivos bailes de máscaras das estatísticas, não têm corrido bem. O grande objectivo sempre trombeteado da redução do défice falhou sempre desaforadamente. Este ano falhará por quase 1%. Eles dizem que não haverá mais austeridade. Vão reduzir o IRS que nos estrangula! Mais à frente percebe-se que, mais uma vez, nos mentem! Não será o IRS mas uma ligeira redução da sobretaxa de 3,5% sobre o IRS. O IRS vai continuar a estrangular-nos
!

Cortarão pouco, muito poucochinho na sobretaxa, se as coisas correrem bem. Se o aumento da despesa com os transportes públicos e o BPN, que continua uma sangria desatada, não for considerado para o défice.  Isto antes de se conhecer quanto é que de facto vai custar a todos nós a implosão do BES, que ainda tem um banqueiro no activo que, apesar de se saber que recebeu comissões submarinas, continua a dar beijos públicos ao primeiro-ministro. Tudo boa gente. Tudo farinha bichosa do mesmo saco.

Quanto é que estas comédias nos vão custar? Qual o preço de tantas mentiras? Quando se destapar a tampa da sanita onde essa gente habita, quanto vai ser a factura que vamos pagar para arejar o país e despoluir o ar?

Standard
Geral

Moedeiros Falsos

moedeiros falsos

De um governo de moedeiros falsos já nada nos deve espantar. De facto já nada causa surpresa. Aldrabar, mentir, manipular, no vale tudo para fazer o trabalho sujo de destruir a economia do país a favor dos grandes grupos financeiros, é o dia a dia dessa gente desde o primeiro momento em que tomaram posse.

Já nada nos pode espantar mas continua a causar indignação.

O último número deste ignóbil circo foi protagonizado por Carlos Moedas, igual a si próprio, na audição do Parlamento Europeu para supostamente avaliar da sua competência como comissário para a da Investigação, Ciência e Inovação.

Competência não tem nenhuma, nem precisa de ter à semelhança de outros burocratas europeus. É uma área que lhe é completamente estranha. Dela só saberá o deve e o haver. Área em que ele, responsável máximo do governo PSD-CDS das relações com a Troika, fazia todos os trabalhos, mesmo os mais crapulosos, para ser reconhecido pelos manda-chuva do FMI, BCE, CEE.  Cortou a torto e a direito em todas as áreas, também, e muito, na ciência e investigação. Numa área em que Portugal devia investir prioritariamente para sustentar o crescimento, o que Moedas negociou com a Troika foi um desinvestimento brutal que além de destruir o que estava feito, destrói sem contemplações o futuro.

Os números não enganam. Há um corte de 40% no número de bolsas atribuídas pelo FCT. O corte em bolsas de doutoramento é superior a 50% e de pós-doutoramento de mais de 56%, comparado com o ano de 2011.

A opção pela redução do investimento em ciência, a níveis muito superiores aos da redução geral da despesa é uma opção ideológica. Parte da ideia de que o Estado não tem nenhum papel a desempenhar no desenvolvimento económico, assente numa visão de que o crescimento é apenas feito pelas empresas. O que é bem visível e transparente na sua fúria privatizadora. 

Não há ciência sem cientistas. No imediato e a médio prazo há um forte desinvestimento na ciência. A isto somam-se os cortes nos orçamentos das universidades também acima da média de redução da despesa corrente. A aposta não é na ciência, na investigação e na inovação é nos baixos salários e nos sectores tradicionais.

O governo não se pode esconder atrás da Troika. Os cortes na investigação são praticamente o dobro dos cortes na despesa corrente primária. É uma escolha política. A escolha de andar para trás na ciência e inovação, que o actual Governo fez, é clara. É o desperdício de um investimento anteriormente feito, uma perda de recursos valiosos, que vai limitar o crescimento económico futuro. Os maus resultados são imediatos mas serão ainda mais visíveis a médio prazo. Uma escolha política que devia envergonhar todo o governo, em particular Nuno Crato e Pires de Lima, com Moedas na linha da frente frente desses cortes, dessas opções..

Mas esse é o mesmo Moedas capaz de tudo para garantir o tacho. Agora, em Bruxelas, nega tudo, mesmo as próprias e evidências.

É preciso ter um infame descaramento para afirmar, sem uma ruga de vergonha, que discordou muitas vezes da política da Troika. Afirmar que a resposta política para o crescimento económico consiste no investimento na ciência e inovação. Ele que foi o responsável mais directo por todos os cortes feitos em Portugal nessas áreas.

Esses salafrários não conhecem as fronteiras da decência mais mitigada. Vivem numa tal orgia de mentiras que no dia em disserem uma verdade morrem fulminados pela má consciência de se terem traído.

Standard
Educação, Política

Retrato de um País a saque

Por detrás de cada ataque à Constituição, aos serviços públicos, aos funcionários públicos, aos professores, existe um objectivo claro e determinado, uma opção política de fundo, comprometida com os interesses das classes dominantes.

Se for necessário dar cabo da educação pública, gratuita e de qualidade para todos, se for preciso rasgar a Constituição, se for preciso degradar as condições do ensino público, se for preciso despedir milhares de professores, se for preciso… eles estão dispostos a tudo para agradar aos amigos e continuar a promover as condições para a criação de fortunas erguidas sobre a miséria de um povo.

De cada vez que dizem que o Estado não tem dinheiro e que nos temos de habituar a viver cada vez mais miseravelmente, mentem!

Mentem, porque o que se assiste, diariamente, é à escassez de meios e recursos para os serviços públicos e as prestações sociais que tocam a esmagadora maioria da população e, em particular, as camadas mais desfavorecidas, e a sua abundância para as negociatas e o favorecimento de grupos económicos e financeiros que, muitas vezes, agem nos limites da lei.

A pretexto da liberdade querem rever uma Constituição que ainda vai servindo de factor de resistência ao vale tudo desta gente, a pretexto da liberdade acabam com as funções sociais do Estado, aprofundando desigualdades e injustiças, mas será em nome e no exercício da Liberdade que os protagonistas destas criminosas políticas de exploração e empobrecimento serão julgados.

Standard
Política

Quase no epílogo…

PassosCoelho2012Carnaval02As coisas tinham até começado com um sinal de esperança – o “irrevogável” pedido de demissão de Paulo Portas prenunciava um novo ciclo político. Mas após uma semana e chegados ao epílogo desta novela trágico-cómica, conclui-se que o mais relevante será Portas e o seu partido (11,7% nas últimas Legislativas) se terem guindado, ao que se sabe, às mais altas responsabilidades no Governo.

No princípio da crise, iniciada com a demissão de Vítor Gaspar e a indicação da sua discípula Maria Luís Albuquerque para o Ministério das Finanças, parecia até genuína a intenção do líder do CDS – provocar o derrube do Governo. Como é que, demitindo-se o chefe de um dos partidos da coligação, o Presidente “aguentaria” o Governo? E mais se viesse a ser votada no Parlamento uma moção de censura ou recusado um voto de confiança?

As reacções dos mercados financeiros, com os aumentos imediatos nos juros exigidos aos títulos da divida soberana e a queda dos valores dos títulos na Bolsa de Lisboa, criaram um clima emocional e político que ofuscou a evidência – o Governo PSD-CDS caía devido ao completo e total falhanço de tudo aquilo a que se propusera, destruído pelas suas contradições internas. Para Paulo Portas o momento era o adequado para sair de cena, assim julgando poder controlar os danos de dois anos de governação. Limitava-se assim a assinar o que julgava(mos) ser a certidão de óbito da coligação!

O estado de protectorado sob o qual o país se encontra impediu o que seria a saída mais saudável para a crise – a demissão do Governo e a convocação de eleições.

Abertas as hostilidades P. Coelho rapidamente se deslocou ao encontro dos chefes europeus, onde avultou o mediático e simbólico encontro com A. Merkel na escadaria da Chancelaria em Berlim. Por esses dias o inefável Schauble, com a ajuda do também inefável Barroso e de outros figurões de primeiro plano do Directório, rapidamente deixaram claro por que baias se poderia conduzir a política portuguesa – manter a coligação da Direita no poder, evitando o recurso a eleições!

Com Portugal assistiu-se à mesma intrusão na soberania nacional que já havíamos visto em Itália com a imposição de M. Monti, ou na Grécia com a recusa do referendo proposto pelo então primeiro-ministro G. Papandreou.

Com Portas reconduzido ao redil, a direita portuguesa teve que voltar a dar uma de bom aluno. Isto é, “fazendo das tripas coração”, segurar as pontas e congelar por mais algum tempo o cadáver político que é a coligação e o Governo.

Com a decisão já tomada pelo Directório europeu, Cavaco Silva entreteve-se emtransferir rodriguinhos ouvindo partidos e parceiros sociais e, como sempre, nada dizendo ao país. Já todos sabemos que não é ele quem toma a decisão!

O remendo da coligação é uma manobra de puro tacticismo. Faz com que a partir de agora Portas e o CDS deixem de poder fazer um discurso dúplice. O que custa ao maior partido da coligação, o PSD, entregar ao seu aliado algumas das principais pastas e assuntos: a coordenação económica, as relações com a troika e “reforma do Estado” – a confirmar-se o que foi tornado público. P. Coelho aligeira assim as suas responsabilidades, preparando-se para arrastar consigo os seus amigos do CDS se o barco se afundar.

O que ganhou o país com esta crise ditada a partir do interior do Governo?

O prometido e a que tudo se sacrificou acesso aos mercados financeiros tornou-se mais difícil e distante. Ficou mais próxima a perspectiva de um segundo resgate, agora “brando” nas palavras do jornal espanhol El País”. Para enfrentar tamanho desafio o Governo que agora se apresta a iniciar funções apresenta-se minado pela desconfiança acumulada entre os seus principais actores e desgastado perante o público.

A economia determinará o êxito ou o fracasso deste novo-velho governo. O emprego, o investimento, o rendimento disponível dos cidadãos, a reposição da confiança. Isto é, a inversão do longo ciclo de recessão que as políticas de quem queria “ir além da troika” conduziram o país. Perante isto as explicações que P. Portas terá que dar, mais cedo ou mais tarde, são quase irrelevantes!

Standard
economia, Geral

O INAUDITO REGRESSO AOS MERCADOS

SLAVE MARKET   Em Portugal ainda se vive a ressaca de ontem! Voltámos aos mercados! Ouviram bem, voltámos aos mercados, berrava e continua berrar a comunicação social estipendiada ao serviço dessa manobra de propaganda !!! Com tanta notícia, um frémito orgástico atravessou como um ciclone o país! Os mercados refastelavam-se pelas faldas das terras lusitanas abrindo as pernas sem pudor! Finalmente tinham voltado para grande alegria e festança governamental e dos seus patrões conhecidos e ocultos.

As notícias de alguns incidentes não ensurdeciam os acordes que se faziam ouvir anunciando a boa nova. Nem o desastre de um investidor enlouquecido de euforia a cavalgar os quinhentos cavalos do seu Ferrari rumo ao leilão de dívida pública a cinco anos colocada no mercado pelo governo português, que se despistou quando um cisco das faíscas provocadas pela actividade frenética despoletada por essa emissão nos mercados, lhe entrou olho dentro atravessando a cabeça, saindo disparada para o paraíso da especulação onde disparou o alarme da boa nova: Portugal tinha voltado aos mercados. Nem o gigantesco engarrafamento que provocou e impediu milhares de portugueses de chegarem a tempo de manifestarem a sua alegria no Terreiro do Paço.

Em São Bento o primeiro, com a sua voz de barítono hesitante, rezava acocorado debaixo da secretária: Mercados nossos, que estais algures; venham a nós os vossos investimentos; cobrem-nos os juros que quiserem, agora e sempre. Os investimentos de cada dia nos dai hoje; especulem o que puderem porque nós estaremos sempre de cu para o ar recebendo as vossas ordens de compra, não nos abandoneis mais nem nos livreis do vosso mal. Ámen que vou convocar um Conselho de Ministros de celebração e para saber o que andaram a fazer para comemorar tão magno acontecimento.

O ministro da Solidariedade e Segurança Social convocou uma marcha de todos os desempregados para irem a pé a Fátima, rezar no altar dos Mercados. A sua esperança era que sendo muitos e estando muito deles no limite do escanzelamento, os óbitos equilibrassem as contas cumprindo as metas do FMI. Nos gabinetes faziam-se previsões. Colocam-se as metas a atingir. Calculava-se que acelerando o passo o número de óbitos poderia ter um crescimento positivo na ordem dos 5 ou 6%. Transmitiam-se ordens para marcar o ritmo do andamento.

Ao Ministério da Saúde chegavam números promissores. A exaltação provocada pela chegada aos mercados provocara uma afluência inusitada nas urgências dos hospitais. Apoplexias, ataques cardíacos, violentas arritmias tinham originado essa correria. Muitos não seriam atendidos por não terem meios para pagar as taxas moderadoras. Os mortos juncavam as portas das urgências, O ministro pedia números para transmitir rapidamente aos seus pares para se fazerem os cálculos de quanto se ia, no imediato, poupar em pensões. Paralelamente arrepelava os cabelos. Tivesse tido a coragem de aumentar mais cinco cêntimos as taxas, os números seriam muitíssimo melhores.

O ministro da Economia e do Emprego estava descoroçoado. Os número diário das falências mantinha-se estável, perto de 65. Devia ter aumentado uns 2, 3% assim não tinha serviço para mostrar, uma chatice num momento daqueles em que todos os seus pares mostravam trabalho, empenho e sabiam de cor a cartilha do FMI. Sentia-se um cábula, ele professor emigrado numa obscura universidade, só não tão obscura por estar do outro lado do Atlântico.

No Terreiro do Paço a multidão era compacta. Nunca tanta gente, nem mesmo com o Tony Carreira, tinha acorrido aquele espaço para festejar o regresso aos mercados. A gritaria era mais que muita.

Mães elevavam as crianças nos braços para que os mercados as vissem e, se possível, as abençoassem. O ministro do Estado e das Finanças discretamente espreitava entrincheirando atrás dos cortinados o seu sorriso salazarento. Gaguejava telefonicamente o relato do estado de excitação da nação aos ouvidos do FMI, congratulando-se com o bom rumo dos acontecimentos que tornavam obsoleto o seu último relatório. A ida aos mercados alterara positivamente a situação, A confirmarem-se os números já disponíveis o número de pensionistas tinha baixado radicalmente tornando a segurança social quase sustentável. O número de utentes do SNS levara um corte substancial. Iam-se poupar milhões na saúde.

Com a festa que decorria à frente do seu ministério muitas mães e pais tomados de arrebatamento largavam crianças que caiam ao rio sem que ninguém ou quase ninguém desse por isso tal o alarido que fazia confundir os gritos de aflição com os de alegria. Mandara discretamente os seus assessores ao telhado do ministério para fazer uma estimativa das crianças que eram tragadas pelas águas. Iria comunicar o número ao Ministro da Educação do Ensino Superior e da Ciência para se avaliar quanto se iria poupar nos próximos anos com este sucesso, extensível a outras capitais de distrito, por informações filedignas que chegavam hora a hora ao seu ministério.

Todos esses acontecimentos davam grande satisfação a quase todos os governantes: Nem todos. Os moedeiros falsos que
Continuar a ler

Standard
Geral, Política

Procissão de Cegos

Parábola dos Cegos, Pieter Brueghel, o Velho
um cego conduz uma caravana de cegos

Um governo em fuga. De cobardolas que metem os pés pelas mãos na Assembleia da República ao serem confrontados com moções de censura que despem as tarouquices do seu argumentário. Que fogem a sete pés do povo, mesmo do povo que o elegeu. Povo que assiste ao aviltamento de um primeiro-ministro a correr para o avião para desembarcar numa qualquer reunião insignificante para, por poltronaria, abandonar a comemoração da implantação da República, mesmo quando, pela primeira vez em cem anos, foi celebrada quase à porta fechada. Com todos os ministros a escolherem portas esconsas para entrar e sair, procurando escapar-se sem ser percebidos.

Um governo de pantomineiros que cada vez que aperta um furo do cinto dos portugueses, para a maioria já não existem mais furos, promete que é a última vez para poucos meses decorridos arremedarem a mesma conversa em que já ninguém acredita.

Um governo de ineptos incompetentes que se escondem uns atrás dos outros. Isto não é um governo é uma barraca de feira onde os ministros aparecem e desaparecem, tentando fugir a ficar no retrato do descalabro da governação e às bolas que o povo lhes atira sempre que tiram a cabeça de fora. A desorientação é de tal jaez que já recorrem a números de ventriloquismo, em que o Borges é o principal e prazeroso boneco de serviço. Teatradas de títeres que, com argumentos cavilosos, vão tramando o país.

Espectáculo nauseante e fedorento o desta procissão de pseudo tecnocratas cegos por uma ciência de numerologias tóxicas que matam e esfolam os direitos sociais, económicos e políticos, que espalham a desgraça por todo o país clamando em vão pelo fim da crise, simulando uma luz fátua ao fim do túnel quando já nem sequer se vê o túnel. Cortejo de cegos que se vendem por trinta dinheiros ao todo poderoso capital e caminham para o barranco para onde também querem empurrar o país. Para onde o atirarão se os deixarmos prosseguir essas políticas errantes, de mentes perturbadas pelo deserto das folhas de cálculo de economias virtuais sem gente, sem terra, sem sol, sem árvores, sem mar, sem nada.

Um governo de homens de palha do capital, serventuários das latrinas dos mercados, que andam atarantados a correr desatinados pelos labirintos da crise atirando medidas às paredes a ver se alguma pega e tapa ao acaso um dos vários buracos por onde ela entra e cresce. Bola de neve a levedar sem parança ameaçando ir desfazer-se num abismo de que não se vê o fundo.

Enquanto Portugal é um titanic a afundar-se abalroado pela crise, os partidos do governo e a oposição intermitente do outro partido do amaldiçoado arco governamental escrevem um capítulo de raro brilho e densidade da História Universal da Pulhice Humana. Não é que desde muito tempo atrás essa história não esteja a ser enriquecida com episódios nacionais, só que agora atingiu-se um grau superior de sofisticação, desde que o primeiro-ministro gargarejou a voz para  desafinar o nini vestida de organdi depois de ter anunciando o maior roubo, feito de uma assentada, aos trabalhadores para enfiar os milhões extorsionados nos bolsos do grande capital, até à cena de ópera buffa, vista em directo e ao vivo, de Paulo Portas a enfiar-se cadeira abaixo, escrevendo com o afã de mulher-a-dias a enfrentar a porcaria que tinha conscientemente feito, mentindo aos eleitores sem uma ruga de pudor, como é seu timbre e fica bem com os fatos às riscas e na moda que enfarpelam a sua chibante xico-espertice. Enquanto Honório Novo lhe esfregava na cara lampeira as asquerosidades que tinha feito, nas suas costas, os seus parceiros de quadrilha riam-se, com velhacaria, a bandeiras despregadas. Os episódios sucedem-se, cada um mais desprezível que o anterior.

Portugal está a ser governado por esse bando de malévolos cegos, que se passeia sem rumo pelos corredores do poder defecando poucas e corruptas ideias nas leis com que vai enforcando o país, onde já só se atrevem a por um pé dentro de cápsulas de segurança.

Portugal vive em estado de calamidade económica, social e mental. Tem que se livrar dessa gente para que o ar se torne de novo respirável. Uma emergência que já disparou todos os sinais de alerta. Não há tempo a perder.

Standard
economia, Geral

Passados a ferro pela credibilidade

Passos Coelho tem uma abre-te sésamo para justificar as políticas desastrosas que estão a atirar Portugal para o mais fundo dos abismos. A tudo responde com uma palavra: credibilidade. O desemprego sobe por causa da credibilidade. O investimento público e privado estagna para garantir a credibilidade. O défice orçamental não pára de crescer a bem da credibilidade. A credibilidade  que este governo tem conseguido para o país, garantindo os aplausos dos mercados e das quadrilhas financeiras, que, apesar disso, não vá o diabo tecê-las, continuam a gozar à sombra de juros agiotas com que continuam a celebrar os êxitos do dredibilidade do coelhismo.

O Euro grupo, reunido na semana passada, passa a ferro a credibilidade de Passos, Portas & Companhia, desconfiando dos apregoados êxitos da sua governação pedindo à troika “ que trabalhe em conjunto com as autoridades portuguesas durante o quinto exame regular do programa de ajustamento que começa a 28 de agosto para garantir que o processo de ajustamento continue a decorrer de forma bem sucedida”. Traduzindo., com um milhão de desempregados, milhares de falências, venda ao desbarato de bens públicos, consumo nos níveis mais baixos, investimento perto do zero, emigração a disparar, sobretudo entre os mais jovens, tensões sociais a atingirem um nível de insuportabilidade, e a provada impossibilidade de cumprir a s metas acordadas com um programa, que supostamente nos iria salvar da crise e que só a têm agravado, faz soar os alarmes em Bruxelas que diz sem querer dizer que isto está a estoirar, que o falhanço é garantido, por isso  é necessário mais tempo.

A questão é, mais tempo para quê? para “se fazer progresso adicional, o que é claro uma vez que o processo de ajustamento não está completo. Na verdade, o que está aqui em causa é olhar para o processo de ajustamento português e procurar facilitar esse processo de ajustamento.” Esta conversa fiada do ministro das finanças, que ninguém, nem o próprio, entende, é a da credibilidade apregoada por Passos Coelho e que está garantida pelo não cumprimento do défice este ano, “um objectivo claramente difícil” soletra Gaspar.  A luz que se abre no túnel da credibilidade de Passos, Portas & Companhia, é de adiar dois anos o completo e absoluto fracasso destas políticas.

Depois de um ano a vender ao desbarato os bens públicos, a roubar os portugueses, não todos o grande capital continua a viver à tripa forra, o falhanço absoluto é anunciado com o selo da credibilidade. De um certo ponto de vista, falhanço absoluto não será. É para Portugal e para os portugueses não para essa gentalha que, à pala de umas ditas reformas estruturais, anda a  destruir o Estado, os direitos sociais, laborais, culturais entregando numa bandeja a riqueza material e imaterial do país à exploração mais desenfreada, só comparável com o antes do 25 de Abril. Tudo caninamente alinhado com o pensamento neoliberal que está enxertado na União Europeia, na troika, no FMI,no BCE. Tudo em nome de uma esfarrapada credibilidade.

Se dúvidas existissem sobre o desastre que já não é anunciado é uma evidência, surge agora o Borges das catacumbas do seu não-ministério que tem poderes de ministério a elogiar Passos Coelho e a sua credibilidade, dizendo-se “surpreendido com a qualidade com que tem sabido governar”, pelo que “ultrapassou as minhas expectativas e mostra que muitas das críticas que lhe fiz estavam desajustadas”. Era a vela que faltava no velório em que governo cuida de Portugal. Só em Portugal um personagem como António Borges arrota essas tiradas. António Borges que Marc Roche, autor de um livro premiado  que conta a história da Goldman Sachs e de como esse banco dirige o mundo, não conhecia esse “peixe miúdo” da Goldman Sachs, o outro que lá estava ainda mais miúdo é Carlos Moedas.  Agora sabe se foi informar e o “ FMI disse-me que se livraram dele [António Borges] porque não estava à altura do trabalho e agora chego a Lisboa e descubro que está à frente do processo de privatização. Há perguntas que têm de ser feitas”, defendeu o correspondente financeiro do “Le Monde” em Londres, em entrevista à Renascença.

O equívoco de Marc Roche só é possível por nunca ter lido Eça. Não sabe que Portugal é governado por Abranhos de todas as espécies e feitios, com a credibilidade que é contada no romance. Deve é ter percebido o que é fácil perceber: essa credibilidade está a atirar-nos para o mais fundo dos abismos.

Standard
Costumes, Geral

Sorriso Amarelo

O governo comemorou um ano de malfadada existência aproveitando para dizer, em vários tons e com as mais variadas formulações, que vai continuar com contumácia a degradar a vida dos portugueses, a aumentar o desemprego, a fazer regredir os salários e os direitos dos trabalhadores até à fronteira da servidão, talvez mesmo ultrapassar essa linha civilizacional. O Borges, o não ministro com super-pastas governativas que ganha dezenas de milhares de euros pagos pelos contribuintes, falou sem papas na língua quando disse que era “uma urgência baixar os salários”, o que valeu nalguma imprensa, aplausos de alforrecas pensantes que devem achar o trabalho degradante e por isso se dedicam á escrita de opiniões que nem em papel higiénico merecem ser impressas mesmo tendo garantido o final mais consentâneo com o seu teor. Não falou sozinho. Com cambiantes mais coloridas ou mais sombrias o mesmo foi dito por outros., Decifre-se o que o Gaspar disse, as curvas e contra curvas do Coelho, as cambalhotas do Álvarito, até a invenção Impulso Jovem apresentada pelo grande Relvas que, com as liberdades dadas para desempregar, vai provocar um aumento dos despedimentos substituindo alguns dos “dispensados” por jovens desempregados a baixo custo e subsidiados pelo dinheiros dos contribuintes, e a inevitável troika que vem descobrir que a razão para o aumento do desemprego é a mais improvável, os salários e as leis laborais, quando Portugal é o país na Europa onde é mais fácil e barato despedir e praticam-se salários que são dos mais baixos, o que só atesta a perseguição de um objectivo ideológico por mais estúpidos e falsos que sejam os argumentos.

Quando a indignação faz crescer a raiva nos dentes, fechando as hipóteses a qualquer gota de humor, descobre-se um facto que faz abrir a boca de espanto e desenha um sorriso amarelo: somos um país altamente monitorizado. Quem diria? Quando as previsões falham sistematicamente, quando se demonstra o cúmulo da incapacidade de fazer previsões, de supervisionar o que quer que seja pela boca do senhor Constâncio que reafirma que não era possível calcular os custos da “nacionalização” do BPN e que a supervisão andou anos a ver passar os comboios de dinheiro debaixo dos seus olhos sem perceber o que se passava, numa demonstração da ineficiência que ele acha natural. Como deve achar natural que dez mil milhões de euros se evaporem nos cofres do BPN sem deixar rasto. Como se evaporaram quinhentos mil euros no Freeport que os investigadores detectaram ter desaparecido só que não sabem para onde. Pronto, desapareceram para parte incerta, como desapareceram milhões de euros no BPP, como voaram e continuam a voar milhões para offshores sem que nenhum radar dê por ela. Isto acontece num país que tem serviços de informações que esmiuçam a vida dos cidadãos, onde se encontram instalados e em funcionamento centenas de observatórios que observam tudo e mais alguma coisa. Devia dar vontade de rir! Pelo menos traça um sorriso amarelo, também pode ser de outra cor, ler esta lista de observatórios onde se devem produzir relatórios detalhados sobre as matérias a que se dedicam. Leiam, não se sabe se escapou algum, o que se fará com tão certamente doutos relatórios produzidos por tantos olhos experimentados é que já é um mistério.

A lista é longa, deve estar incompleta. Se aos observatórios se somarem os institutos, as autoridades reguladoras e mais não se sabe bem o quê de entidades que se dedicam a essas actividades, temos um país visto ao microscópio, minuciosa e cientificamente esquadrinhado!

Ai vai uma lista provisória: Continuar a ler

Standard
Cultura, Política

Para Acabar de vez com a Cultura

Marca de àgua/ Basquiat

Portugal irá viver em 2012 o primeiro de muitos anos de agravamento de desemprego, da perda de direitos sociais e humanos, do fosso entre os ricos, cada vez menos e cada vez mais ricos, e os pobres, cada vez em maior número e cada vez mais pobres. O primeiro de muitos anos de miséria material e moral, daquilo a que o primeiro-ministro e os seus pares apelidam com grande despudor de democratização da economia. Será o primeiro ano de muitos outros anos cogitados em segunda mão por aquelas mentes bafientas que querem fazer retroceder Portugal a os anos do fascismo sem a brutalidade, no dizer deles os excessos, mas com igual nível de exploração, de desigualdades sociais, de perca de liberdades, direitos e garantias dos cidadãos e dos trabalhadores. Será o primeiro ano de muitos outros anos, se no meio do caminho que essa gente cheia de empáfia julga ir trilhar sem escolhos, não se colocar uma enorme pedra de resistência que os trave definitivamente. Uma pedra onde brilhe a luz do aço de Abril, forjado nos ideais de uma democracia económica, social, política e cultural avançada.

A cultura é um dos campos mais ameaçado pela devastação que este governo está a produzir em todos os outros campos onde arremete.

Que se poderia esperar quando se soube que a pasta da cultura seria sobraçada pelo primeiro-ministro de que não se conhece interesse cultural para lá de ter tido incursões corais onde exibiu a sua voz de barítono tartamudeante, de ter chumbado num casting do La Feria, essa estrela intermitente das teatradas nacionais, e de se poder presumir que teve e tem manhãs de fulgurantes cantorias na casa de banho. Com tal currículo as expectativas eram nulas. Para essa gente a cultura seria e será sempre cousa distante, útil para abrilhantar noites mundanas, exibir em momentos político-sociais curiais, visitar cautelosamente para ser visto para os apropriados registos fílmicos e fotográficos.

Havia a necessidade de escolher um comparsa, o que não seria muito difícil. Na vida de um primeiro-ministro há sempre um intelectual qualquer pronto a servir e justificar todas e quaisquer malfeitorias. O Coelho, habituado às perdigueirices da política, rapidamente se apercebeu que tinha à mão de semear alguém que bem se quadrava nos seus propósitos maiores: lixar a cultura sem fazer muito barulho. Foi tiro e queda. Há que dizer que quando apontou ao Viegas já o Viegas andava há algum tempo a aparecer e desaparecer no campo de tiro da barraca de feira da campanha eleitoral a fazer-se ao acerto do disparo. Actor muito activo de uma cultura balsâmica onde confluem com igual importância e recebem tratamento equivalente as literaturas, os vinhos de alto gabarito, os comentários de futebol, os uísques raros, a mais refinada gastronomia, os charutos da melhor linhagem, os mais reaccionários comentários políticos embrulhados em sedas artificiais que bem se moldam ao seu pensamento de liberalote de meia tijela pós-moderna. Pertence áquela raça de intelectuais orgânicos, como Gramcsi os definiu, aqueles que “dissimulam cinicamente a dominação burguesa em seus pontos essenciais. Cumprem a missão odiosa de fazer aceitar uma ordem e fornecendo-lhe justificativas. Trabalham para afirmar e propagar as verdades parciais engendradas pela burguesia e úteis ao seu «poder» “(Les Chiennes de Garde, Paul Nizan, Maspero 1978).  Tudo o que para ele se pode inscrever no circo dos requintados interesses culturais de uma certa cultura mundana onde se esfumam os questionamentos da cultura que, na teoria e na prática, sobressalta e procura transformar a vida. Por onde passa, Viegas deixa o rasto perfumado e persistente do conformismo que bem se quadra com as suas habilidades de surfista sempre na crista das modas ditas culturais. Agora a sua expectativa é lixar a cultura em surdina, fumando umas charutadas da paz.

O seu sorriso simpático pronto a acolher todo o mundo e ninguém, nas teias de aranha das suas argúcias a que estava habituado, do lá vai a cultura, dá cá o pé, lá passou a cultura, toma lá o pé, perante umas rugosidades que não conseguia aplainar, rapidamente se transformou num rictos implacável, ameaçando, demitindo, impondo o seu querer e as medidas mais estapafúrdias para afundar a cultura argumentando que “nos próximos anos temos que nos habituar a uma mudança completa de paradigma”

Viegas vai aclarando o paradigma no meio da mais indecorosa demagogia. O que mais diz, repete e soletra, acentuando cada sílaba para que não restem dúvidas é: “Não há dinheiro!”. Um Goebbels de pacotilha. Enquanto o outro puxava da pistola cada vez que ouvia falar de cultura, este puxa da carteira, com a mesma velocidade e pontaria. Os resultados são idênticos!

(publicado no Avante! 1988, 5 janeiro 2012)

Standard
Política

Procrusto, a Troika, o governo de Passos Coelho

Poul Thomsen, do FMI, Jurgen Kruger, da EU e Rasmus Ruffer, do BCE, voltaram a Portugal para verificar se o governo cumpre os seus ditames e não procrastina nenhuma das medidas que impuseram a Portugal. Estão bem treinados para representarem os seus papéis num espectáculo bastante entediante de tão repetitivo. É uma troupe de tecnocratas com sangue de barata, habituada a viajar pelo mundo, simulando fazer grandes análises e desenhar grandes modelos macroeconómicos onde quer que pousem, para tudo acabar na apresentação de uma bula com mais do mesmo, só variando nos números. No essencial, as medidas que preconizam são as mesmas que aplicam onde quer que desembarquem. Ao embrulho chamam reformas estruturais que acabam sempre com o mesmo resultado: o desastre económico e financeiro, o empobrecimento generalizado, o favorecimento dos mais ricos e poderosos, a corrosão brutal dos direitos sociais, a destruição do sector empresarial do Estado a favor da iniciativa privada e retirando-lhe o poder estratégico de intervenção. Continuar a ler

Standard