Geral

O Animal Não Aguenta

Marretas

Lembram-se dos Marretas? Cada episódio era iniciado por uma música frenética. De súbito surpresa, a música de abertura era um slow languidíssimo. Era, até o bateria, o Animal, desatar num solo estapafúrdio, batendo furiosamente em todos os tambores e pratos enquanto gritava: O Animal  Não Aguenta!

Lembrei-me desta cena quando hoje, num desses jornais de distribuição gratuita, me deparo ao lado da notícia de Cavaco a indigitar Passos Coelho, com um discurso miserável bem ao nível dessa gente, com uma coluna inteira, fundo colorido para não passar despercebida, letra de corpo bem grado para a leitura ser fácil, direito a fotografia, esta declaração de Francisco Assis: “Para que desde logo não reste a mais remota dúvida quanto à minha posição, devo declarar que sou frontal e absolutamente contra a ideia de um qualquer governo assente numa maioria de esquerda”.

Aí fica para quem ainda tivesse alguma dúvida: O personagem nunca foi, não é nem nunca será de esquerda! Haja crise para essas coisas se tirarem a limpo e deixarem de andar a enganar a malta com falinhas mansas. Há um ponto em que… O(s) Animal(is) não Aguenta(m)!

Standard
Geral

Tempo de Antena Cultural

Homúnculo
Homunculo de Natália Correia, pelo Teatro Estúdio Fontenova no XIX Festival de Teatro de Setúbal

Nos últimos tempos, os sinais são bem mais antigos, declarações de responsáveis por áreas culturais acentuam a tendência para orientar a cultura para um horizonte publicitário. O que anteriormente tinha um forte vínculo com o saber, a transmissão do saber e do saber fazer na cultura e na ciência, hoje são achas na fogueira da promoção. O fundamental, o que interessa é vender, vender a qualquer preço. Para quem detém poder na área da cultura, as manifestações culturais são instrumentos de promoção publicitária dos bens culturais. Uma visão que não se distingue da dos departamentos comerciais, do marketing de qualquer empresa, actue ou não actue no campo da produção de bens culturais. Bienais de artes, festivais literários, colóquios, exposições, lançamento de livros e discos, e o que a imaginação do mercado endrominar, que se multipliquem não com qualquer objectivo cultural mas a bem da promoção publicitária, da venda do “produto” independentemente do valor efectivo. A cultura é vista como um enorme circo iluminado por um sol enganador em que a omnipresente linguagem dos mercados esvazia de significado da cultura, do que é cultural na diversidade da transmissão e aquisição de saberes. O direito à cultura reduz-se ao direito dos consumidores de escolher um livro, um filme, ir a concerto de visitar museus ou exposições que perdeu o norte nos catálogos de farta oferta em que deliberadamente se confunde o que é entretenimento, padronizado por indústrias que exploram um gosto médio sem espessura, que não obrigam nem incentivam qualquer reflexão, com as da criação artística e cultural que promovem e incentivam a transmissão e a produção de conhecimento.

No mesmo plano colocam-se actividades que tem por objectivo primeiro o gerar lucro financeiro com as que podem obter lucros financeiros mas que não são realizadas tendo nesse objectivo o seu motor principal. Não se pode exigir que o Filme do Desassossego tenha o mesmo êxito de bilheteira de um Pátio das Cantigas revisitado. Ou que uma ópera de Francisco António de Almeida arraste as multidões do Festival do Sudoeste. Ou que a reedição de O Delfim de Cardoso Pires tenha o êxito editorial de O Amor é outra Coisa da Rebelo Pinto. A primeira das muitas causas de não poder haver qualquer expectativa desse género é a demissão do Estado em promover a cultura, nomeadamente através do serviço público de rádio e televisão, meios que tinha a obrigação de utilizar. Em linha com essa demissão, estão os critérios de atribuição de subsídios à criação artística e cultural que deveriam privilegiar a descentralização cultural e não os de uma suposta valorização da produção artística nacional nos mercados internacionais com critérios mais que duvidosos. Veja-se o apoio concedido à dupla João Louro/Maria do Corral, que se inscrevem na grande farsa que é a arte contemporânea, que tanto deslumbram Barreto Xavier e no apoio recusado XVII Festa do Teatro/Festival Internacional de Teatro de Setúbal, com significativas diferenças de custos em euros, a bitola da Secretaria de Estado da Cultura, para se perceber os não desígnios culturais da governação.

As palavras-chave dessas políticas ditas culturais são mercado e promoção. Atravessam todos os discursos da máquina cultural montada por este governo, não se deve esquecer que o responsável máximo pela Cultura é o primeiro ministro. O que exigem dos escritores, cineastas, encenadores, artistas visuais ou de teatro, músicos, de todo o universo de criação artística e cultural é que não limitem a sua acção à produção artística e cultural mas que a prolonguem no trabalho de promoção das suas obras. Insinuem despudoradamente que essa é mesmo um campo de trabalho que devem privilegiar. Na prática as políticas culturais do governo são políticas publicitárias em que a avaliação do trabalho artístico e cultural é subsidiária dos resultados económicos que obtenham. Que esse deve ser o trabalho fundamental dos artistas e das acções culturais é o que está subjacente nos discursos e entrevistas dos agentes governamentais da cultura.

Há uma fé ilimitada que todas as acções de promoção, desde que esse seja o objectivo primordial, são boas, não interessando se são excelentes ou medíocres. Todos sabem, menos os governantes e seus agentes, que promover a mediocridade cultural tem o efeito de amplificar a mediocridade. Legitimar a mediocridade até se atingir o ponto de não retorno da ausência, do vazio cultural, no aniquilamento da qualidade, empurrando os cidadãos para a iliteracia cultural, o que os amputa da capacidade dade do exercício da cidadania.

A afirmação e a convicção de que “a cultura” gera lucro, o ex-libris da Economia da Cultura e dos enormes equívocos das indústrias culturais e criativas, onde se confundem, sem inocência, actividades industrializadas de entretenimento com actividades sem lucro financeiro. Legitima os critérios da economia do dinheiro, os interesses dos patrocinadores a contabilidade dos públicos. É chocante ver os tempos de antena concedidos pelos canais ditos de serviço público aos festivais estivais de músicas pronta a ouvir e deitar fora e por tabela a publicidade gratuita obtida pelos promotores e patrocinadores e o ruidoso silêncio em relação a iniciativas culturais relevantes que decorrem paralelamente.

A pegada cultural deste governo é a exaltação do mercado financeiro que deixa marcas, o que não desresponsabiliza os artistas, os produtores culturais que concorrem para esse estado de coisas actual. Degrada a cultura nos seus múltiplos sentidos de afirmação da condição humana e da transformação da vida o que não é compaginável a sedução pelo dinheiro. Há que descodificar a linguagem do mercado, defender a dimensão simbólica efectiva da produção cultural como um processo de conhecimento, um direito de cidadania que o Estado, Poder Central e Local têm que promover. Em tempo de eleições é de sublinhar que quanto mais cultos forem os cidadãos mais esclarecida serão as suas escolhas.

Standard
Geral

O Raio Verde

raio_verde

Uma onda de emoção percorre o Portugal dos pequeninos! Este ano, Paulo Portas, mestre das falácias televisivas, não tem lugar nos debates entre os líderes dos partidos e coligações concorrentes às eleições. Vão ficar os portugueses privados de assistirem, em formato compacto, aos malabarismos e aos números de ilusionismo do Paulo Portas. Ao tom confessional com que anuncia milagres! Ao tom teatralmente convincente com que vende tudo, da lavoura a frigoríficos a esquimós, da segurança social a ferraris a sem-abrigo, de novas oportunidades de negócio a apartamentos na lua, de promessas de pleno emprego a curto prazo a ilhas submersas! Está Portugal em risco de não assistir àquele número sempre repetido de Paulo Portas pontuar cada frase com olhar esdrúxulo de estão a ver como sou mesmo, mesmo esperto. Nem às suas grotescas indignações!

O CDS está em polvorosa! O seu grande líder, o seu líder condenado à pequena imortalidade do Portugal nosso remorso, que se treinou desde a creche para ter papel de primeiro plano na política nacional, de ser uma estrela de primeira grandeza no mundo dos espectáculos La Feria da política, vai ficar na sombra daquele canastrão com voz de barítono hesitante e sangue de barata. O CDS está atacado de delirium tremens com a hipótese do seu querido líder ter um eclipse parcial durante o período eleitoral. Ficar limitado a calcorrear feiras, a concorrer com a ciganada, a escovar escamas de peixe dos casacos de fino recorte, a comer entremeadas e beber vinho carrascão, a usar megafones, a distribuir panfletos para desfazer maus-olhados socialistas e fazer amarrações democrata-cristãs. Será notícia, será sempre notícia, os media sempre adoraram os seus tiques, o perfume das públicas virtudes vícios privados vaporizado pelos seus maneirismos, os seus bonés. Para completar a fotografia fica a faltar a sua aparição nos debates, o número do homem de estado que ele ensaiou até quase cair para o lado. Nem seria necessário tanto esforço em que tem as suas qualidades histriónicas. Paulo Portas leva muito a sério o seu destino de comediante das artes políticas. Está inquieto com as traças que ameaçam esburacar a lã com que tecia os tapetes que o levariam ao topo. A sentar-se triunfante no galo de barcelos, cantando estridentemente para o galinheiro o apreciar.

E agora Paulo? Com medo de perder deputados CDS, entalou-se! Aquelas sondagens que o Marco António anunciou com aquela pronúncia grosseira de político camiliano, fizeram mossa nas hostes democrata-cristãs. Fingiram que não existiam, embora sentissem a mordidela. Não evitaram o ataque de brotoeja que fez o Jaguar ganhar pó na garagem em vez de bem luzidio transportar o pequeno líder em grande estilo para os estúdios televisivos.

O desalento, a raiva pelo erro de cálculo. Número dois de bico calado! Não pode ser! Não pode ser! Não pode ser! A solução apareceu de onde menos se poderia esperar. O Raio Verde!!! A grande solução, o grande salto em frente, pela mão de um leitor tardio de Júlio Verne que andava perdido nos corredores do Largo do Caldas! Uma revelação maior que a do arcanjo Gabriel à Virgem. A Heloísa Apolónia de “Os Verdes” coligada com o PCP na CDU, também deve ter voz. É uma injustiça nunca ter participado nos debates eleitorais! O desespero tem estes lances democráticos. Para acalmar a euforia aparece Corregedor da Fonseca e a Intervenção Democrática. Não tem grupo parlamentar mas faz parte da coligação CDU! Faltava esta para empalidecer o raio verde!

Standard
Geral

vigaristas,aldrabões e todos os outros ões

burro

Desta gente espera-se tudo! mesmo tudo! já nada nos devia espantar! A realidade ultrapassa sempre a ficção.

Ontem Paulo Portas, à boleia da crise grega, faz um discurso nas Jornadas parlamentares PSD/CDS digno de um vendedor da banha da cobra! Hoje ouve-se Passos Coelho tirar da cartola este coelho com mixomatose: “O discurso do medo era o trunfo do governo, os gregos destrunfaram esta maioria”

Nenhuma evidência trava esses vigaristas intelectuais, esses vendedores de vigésimos premiados que todos os dias vendem nos meios de comunicação social. Claro que o pano de fundo da comédia grotesca que essa gente caricata escreve, encena e representa, é o imenso fracasso das suas políticas austeritárias que nos empurram para o buraco grego. A transpiração de medo que a solução que for encontrada para crise grega, qualquer que seja, ainda que contra a vontade dos burocratas com sangue de barata instalados em Bruxelas, será a negação do que andaram a vender nos últimos quatro anos. O relatório do FMI, que  tentaram esconder, aponta nessa direcção. Mesmo que seja insatisfatória a solução, não deixará de haverá uma reestruturação da dívida e medidas para ultrapassar ima austeridade estúpida. Quem vende gato por lebre convencido que nunca será descoberto, continuará  a palavrear de mentirolas quase inocentes a gravosas e enormes mentiras. Há gente presa, há gente interdita por muito menos. A realidade é que haverá sempre gente que ainda compra a esses Oliveiras da Figueira (o homem que vendia frigorificos aos esquimós e sobretudos aoa congoleses) um automóvel em primeira mão. O pior é que é garantido que o carro não tem motor e a carroceria é de baquelite!
Oliveira da FigeiraMesmo o mais medíocre farsante, como são estes senhorecos, terá sempre espectadores, neste Portugal do Burro em Pé(*) . O Portugal visto tal e qual é. Uma sociedade desapiedada em que os pobres são abandonados, em que as crianças passam fome, em que os velhos são mesmo tratados como trapos. O Portugal de antanho que Passos Coelho  e Paulo Portas revisitaram e ressuscitaram.

Espera-se, deseja-se que a lucidez conquiste cada vez mais portugueses!

(*) Burro em Pé, José Cardoso Pires, publicado em Dezembro de 1979, pela Moraes Editores, ilustrada com pinturas de Júlio Pomar e capa de Sebastião Rodrigues.

Standard
Geral

OXI

Não! Não, os gregos não querem morrer de pé!

Querem viver de pé!

OXI

Grande lição de dignidade e de democracia que a Grécia deu a uma Europa pantanosa que vende honra, dignidade e princípios na mesa do orçamento, na contagem dos euros!

Em que um país, a Alemanha, o maior incumpridor de dívidas no século XX, que tem dívidas por saldar a vários países que saqueou, destruiu e roubou, dá ordens a uma Europa Connosco submissa e sem vergonha!

No dia seguinte ao OXI, não vamos fazer grandes divagações políticas, registe-se a perplexidade e a estupidez contumaz dos mangas-de-alpaca europeus. A Grécia, o povo grego resistiu a todas as miseráveis chantagens, ao aperto do garrote que durante uma semana aumentaram exponencialmente.

As declarações que se ouvem, alguns de tão engulhados ainda nem sequer abriram a boca, desnudam a abjecção que os corrompe como um vírus. Entre todos ouça-se com desprezo as declarações do periquito e da pinguim reunidos de emergência em Paris, enquanto Varoufakis sai de cena de pé e pelo seu pé.

Por cá, muitos dos nossos comentadores alinham com aquele contabilista anão que debita números e inanidades (um tal José Gomes Ferreira, quando escrevo este nome fica à beira da maior náusea em memória desse enorme intelectual, escritor e poeta de cujo nome ele se apropria, devia ser proibido de o usar com tal propositada coincidência!) e os nossos governantes, primeiro-ministro e vice primeiro-ministro, na primeira linha, iguais a si-próprios e ao “seu” Portugal

Ó Portugal, se fosses só três sílabas,

 

linda vista para o mar,

 

Minho verde, Algarve de cal,

 

jerico rapando o espinhaço da terra,

 

surdo e miudinho,

 

moinho a braços com um vento

 

testarudo, mas embolado e, afinal, amigo,

 

se fosses só o sal, o sol, o sul,

 

o ladino pardal,

 

o manso boi coloquial,

 

a rechinante sardinha,

 

a desancada varina,

 

o plumitivo ladrilhado de lindos adjectivos,

 

a muda queixa amendoada

 

duns olhos pestanítidos,

 

se fosses só a cegarrega do estio, dos estilos,

 

o ferrugento cão asmático das praias,

 

o grilo engaiolado, a grila no lábio,

 

o calendário na parede, o emblema na lapela,

ó Portugal, se fosses só três sílabas

 

de plástico, que era mais barato!

 

                             Doceiras de Amarante, barristas de Barcelos,

 

rendeiras de Viana, toureiros da Golegã,

 

não há “papo-de-anjo” que seja o meu derriço,

 

galo que cante a cores na minha prateleira,

 

alvura arrendada para ó meu devaneio,

 

bandarilha que possa enfeitar-me o cachaço.

 

 

Portugal: questão que eu tenho comigo mesmo,

 

golpe até ao osso, fome sem entretém,

 

perdigueiro marrado e sem narizes, sem perdizes,

 

rocim engraxado,

 

feira cabisbaixa,

 

meu remorso,

 

meu remorso de todos nós…(*)

Não, basta! Não seremos feira cabisbaixa, nem Portugal será o nosso remorso!

Seremos tão gregos, quanto os gregos são portugueses!

(*) Ó Portugal se fosses só três sílabas, Alexandre O’Neil

Standard
Geral

Uma bomba de relógio ameaça a europa e a democracia

heratfield É miserável o espectáculo das negociações entre a Grécia e a CEE, BCE e FMI, as reuniões do Eurogrupo e dos primeiros ministros. Uma comédia cínica em que a tragédia grega se consome. Um banquete mal encenado de abutres que em público se disfarçam de pelicanos, com a comunicação social domesticada a sustentá-los, de forma directa ou sinuosa. Nós, portugueses, somos enxovalhados e envergonhados pelas declarações da múmia paralítica que habita em Belém, do texugo Passos Coelho com as suas frases estereotipadas e fedorentas da assexuada pinguim Maria Luís Albuquerque (concorrer com a Merkel não é fácil!) a grasnar inanidades. Todos com a mesma contumácia com que aqui dentro mentem, cometem os maiores desaforos. Olham e lêem a realidade com os seus olhinhos infantis de bandido, a ver se a miséria que plantam, o ogre que alimentam, continuam à solta. Os últimos anos de roubos ao povo português, os rombos no erário público, a venda ao desbarato dos bens públicos, resultaram num enorme e rotundo fracasso. Um gigantesco e assustador monolítico avança a grande velocidade para Portugal, ameaçando-nos: a dívida já é 130% do PIB, há quatro anos era 95%! Os cofres voltaram a estar cheios, mas agora de passivos, de dívidas! A economia continua em coma! A dívida, o serviço de dívida continua imparável, foi empurrado para mais longe! É o caminho certo para o desastre! No horizonte, se não se mudar de política, o caminho de pedras dos gregos.

Cá como lá , a questão de fundo não é económico-financeira! É política! Olhe-se para a Grécia, os números já pouco interessam. Como já tem pouco interessa que a Grécia tenha chegado ao fundo do buraco onde está pela mão do PASOK e da Nova Democracia que, durante seis anos, aplicaram o receituário da troika que provocou a catástrofe actual. Nem interessa se as estratégias negociais da Grécia/Syriza foram incipientes e, por isso, as negociações se complicaram por erros de encenação e representação no teatro de sombras da diplomacia. Nem sequer o mais importante do que está em jogo são os milhões que a Grécia tem que receber para não entrar em bancarrota. Há argumentos que banzam pela falsidade, pela perfídia. Agora, sendo difícil continuar a apoiar as exigências das instituições, apareceu uma nova cáfila de comentadores e jornalistas que dizem compreender a inflexibilidade do FMI, por não ser um organismo político (esta é de morrer a rir!) e por o dinheiro do FMI ser duzentos países, pelo que deve ser seu guardião e defensor. O FMI enquanto ameaça a Grécia se não pagar dois mil milhões de euros, empresta mais 40 mil milhões, a somar a um primeiro empréstimo de 15 mil milhões, à Ucrânia já depois da Rada, o parlamento desse país dirigido por uma camarilha corrupta nazi-fascista, ter aprovado uma lei em que se decreta o não pagamento aos credores! A Ucrânia está e declara-se em bancarrota, o FMI, a CEE e os EUA continuam despreocupadamente a conceder-lhe créditos, sem uma carquilha de hesitação.

É falso que a dimensão da crise grega seja principalmente económica e financeira. A Grécia representa menos que 2% do PIB da CEE. Uma irrelevância! Discutir e encharcar os noticiários com danças e contradança dos números e das medidas propostas ée contrapropostas, é falsear a realidade. A crise grega é uma crise política! A humilhação que a matilha neoliberal quer infligir à Grécia é para que a Grécia se torne um exemplo de como a democracia só existe, só interessa e é aceite se cumprir as regras impostas pelos mandaretes do grande capital, a direita e seus aliados, os socialistas tipo Hollande ou Blair e outros, conjunturalmente mais moderados na via da infidelidade à sua matriz. A esquerda que, mesmo timidamente e sempre de cedência em cedência, ousou enfrentar esses padrões está condenada ao ostracismo. Um aviso aos eleitores dos outros países europeus, votem, votem sempre para fingir que a democracia é um valor universal da civilização ocidental. Se votarem num partido mais à esquerda ficam condenados a serem excluídos da nossa grande famíglia, que procura que o modelo eleitoral se vá apurando até alcançar a grande mistificação do modelo norte-americano em que se escolhe entre hilarys e bushes. Para essa gente o voto só é válido se legitimar o trânsito entre uns e outros, outros e uns que só se diferencia nos pormenores. A máfia democrática o que quer , humilhando o povo grego, a sua vontade expressa nas urnas é condicionar a liberdade de escolha, a liberdade de voto, violar a consciência cívica e política dos cidadãos. O que se quer impor é uma democracia fortemente vigiada.  A democracia do campo de concentração do grande capital, a ditadura dos mercados. Nada disto devia ser inesperado. Se o Syriza acreditava que a Europa iria aceitar a vontade do povo grego, que a solidariedade europeia era mais que uma declaração inscrita num papel é porque não estava preparado para enfrentar a Europa.

tumblr_krtoeozdBD1qzi23yo1_400

Mudam as marionetas, não mudam os bonecreiros

Foi armado de slogans, atirar-se ao mar de tubarões que a Europa é com os seuss dirigentes marionetas dos grandes grupos financeiros. A crise grega, estes últimos cinco meses, contém grandes ensinamentos e deve provocar grandes preocupações na Esquerda. O Syriza, enredado nos seus ziguezagues ideológicos, está a perder uma oportunidade histórica com uma política de sucessivos recuos, sem ter cavado uma trincheira bem armada onde pudesse resistir e, eventualmente, contra-atacar. A derrota do Syriza, como se está a desenhar, é uma derrota para toda a esquerda, sem poupar nenhuma força de esquerda, das mais coerentes ás mais vacilantes. Do ponto de vista prático não se percebe como é que o Syriza assim que foi empossado não tomou medidas para evitar a fuga de capitais, chegaram aos mil milhões por dia. Como não nacionalizaram bancos, deixando-os em roda livre em conluio com o BCE. Conluio alargado ao Banco Central da Grécia. Sem ferramentas financeiras os 50 000 milhões que existiam no tesouro, nos bancos e nos depósitos, quando formaram goiverno, começaram a desaparecer, antes de mais para pagar a dívida que tonitruantemente diziam não ir pagar ou não pagar com as condições que até aí tinham sido impostas. O plano anti-austeridade do Syriza foi sendo ruidosamente roído pelas instituições, até se chegar a este beco. Deixaram que os recursos que inicialmente dispunham,  fossem pilhados pela União Europeia e seus comparsas, o BCE e o FMI. Enquanto isso, julgavam que a Europa se preocupava com o efeito da saída da Grécia no euro? Ou, do ponto de vista político, que a Europa se assusta com um possível reforço da Aurora Dourada, que Tsipras e Varoufakis a espaços, acenaram? Pensavam que as instituições se comoveriam com o voto do povo grego num programa que punha em causa, a austeridade, apesar de, em muitos pontos, ser evasivo? Depois de a banca privada, sobretudo a alemã e a francesa, ter ficado a salvo de possíveis incumprimentos gregos, para isso serviram os últimos empréstimos e não para apoiar a Grécia a sair do ciclo vicioso que a tritura à meia década, atingido esse desiderato, era previsível que a troika apertasse os cordões à bolsa, continuando a apertar o garrote com medidas de estruturais que são a pirataria mais descarada da economia, das infra estruturas, da já depauperada soberania dos países a bem dos mercados e do capital financeiro.

download

A coluna vertebral é a mesma, os protagonistas é que mudam

O maior peso da direita mais radical até ao nazi-fascismo na Europa, mesmo no mundo, não é coisa que cause grande preocupação, tal como num passado ainda recente, aos corifeus europeus. O grande capital europeu e trasantlântico foram grandes suportes da subida de Hitler ao poder, enquanto a esquerda se dilacerava. A história tem sempre lições que não devem ser esquecidas. Para essa gente a vontade de um povo é zero se não estiver em consonância com o poder político a mando do capital financeiro. Não é surpreendente que o Syriza, tal como o Podemos, em Espanha, o Cinco Estrelas, em Itália e o mais que aparecer por essa Europa sempre que necessário, tenha sido acarinhado como uma alternativa à esquerda classificada de tradicional O que não deixa de ser surpreendente é que se descredibilize por culpa própria e seja descredibilizado de maneira tão rápida. Perderam utilidade para os mandatários e ideólogos do pensamento único. Num primeiro momento ainda devem ter calculado que, ao aliarem-se com um partido de direita xenófoba, o ANEL, acabariam por ser aceites. Nos primeiros meses, tudo parecia correr de feição, enquanto o Syriza ia deslocando as suas linhas vermelhas até à beira do abismo de perderem completamente a confiança do povo grego, sobretudo os seus votantes. Terá acreditado o Syriza que a troika se comoveria com a vontade do povo grego e que havia um ponto em que, depois de tantas cedências, aceitaria um programa completamente desfigurado,  mas que mesmo assim, não correspondia totalmente às suas exigências? Aparentemente foi o caminho que seguiram em cinco meses de negociações que lhes demonstravam o contrário. A inépcia política, os princípios cambaleantes, os radicalismos de pacotilha, são o caldo de cultura para, quando chega o momento das decisões estratégicas, seguir sempre o caminho da colaboração, muitas vezes já sem regras, que acaba por deixar os povos sem alternativa.

A Europa range os dentes ao referendo que é a tábua de salvação de um Syriza, de uma certa esquerda, perante um naufrágio anunciado. O referendo é o último recurso para voltarem a ter algum crédito. O problema é que podem ganhar o referendo mas se continuarem pela mesma via a derrota do povo grego está garantida.

A grande ilusão que os Syrizas espalham, que a Grécia demonstra de forma ineludível, é que quando um governo de esquerda chega ao poder tem que assumir medidas para ter poder real. Está condenado à derrota se não as assume. Poder real que só se consegue com o controle, ainda que parcial,  do poder económico, com o controle das alavancas essenciais do poder económico para terem poder político. Sem armas para controlar ou fortemente influenciar o complexo financeiro- industrial, o grande comércio, a grande agro-indústria, os meios de comunicaçâo social, que dominam o aparelho de Estado, ficsm de mãos atadas. Ao não assumir essa frente de luta o Syriza começou por ser saudado, nos grandes órgãos de comunicação social da Europa de da América do Norte, pelo seu realismo político. Os elogios ampliaram-se quando enfrentou internamente, dentro da sua coligação, as tendências de esquerda (Plataforma de Esquerda, Tendência Comunista, Ambientalistas) em nome de um acordo com a Europa, justificando cedências consideráveis, sem perceber, por inépcia política e débil preparação ideológica, que a Europa, tinha por único objectivo prolongar, continuar os programas de austeridade que tinham arrasado a Grécia, atirando-a para níveis de pobreza inimagináveis. O realismo político de Tsipras, o marxismo errático e libertário de Varoufakis, passeando essa nova política de reunião em reunião, de concessão em concessão, foram demonstrando que o que havia de facto de novo era o sem-gravatas, as fraldas da camisa de fora.

A inefável Europa Connosco, através da crise grega, está a enviar um sério aviso aos povos europeus. Deixem-se dessa treta da democracia, da vontade popular. Não podem votar em quem, mesmo que timidamente, belisque os interesses do grande capital. Não se tolerará nem sequer um Syriza! Em Portugal, para esses ditadores de fachada democrática, votar no Partido Comunista Português e seus aliados ou no Bloco de Esquerda só será aceite se a discriminação for garantida. Se forem encerrados num ghetto onde podem esbracejar, vociferar desde que não saíam do ghetto por o ghetto estar bem cercado. Gente avisada, a gente gira de o Livre/Tempo de Avançar preparou-se para a bênção da farsa democrática. Já fez a primeira comunhão. A comunhão solene seguir-se-á. Sabem que Bruxelas, atenta à voz de Berlim, recompensa os traidores.

A derrota do Syriza, por mais fortes e justas críticas que se lhe façam, será uma derrota para toda a Esquerda, não só na Europa mas no mundo. A Esquerda, sem ter que alinhar com o Syriza mas serm necessariamente excluir o Syriza, vive um momento histórico na luta contra a direita de fachada democrática e seus aliados do centro e de uma esquerda latrinária que de esquerda só tem o nome. A procura de alianças à esquerda, por mais difícil e dolorosa que seja, é necessária, sem quebras de princípios fundamentais, com o objectivo bem definido de enfrentar e derrotar a direita e seus comparsas. Tendo bem claro que o poder abstracto, não escrutinado do capital financeiro ocupa largos territórios, que a sua ditadura é bárbara e totalitária. Que já tem, nas linhas recuadas, o nazi-fascismo perfilado no horizonte. Cresce em toda a Europa. Já está no poder, de facto ou lateralmente, na Hungria, na Croácia, na Polónia, nos países bálticos, na Ucrânia. O ovo da serpente está a ser chocado. A luta vai ser áspera e muito dura. A esquerda tem que se realinhar. Será que a lição do Syriza será aprendida? As ilusões espalhadas por esse revisionismo de esquerda, pagam-se caro, e são pagas por toda a esquerda.

download (1)

Só não vê o perigo quem não quer ver

As ilustrações utilizadas, do grande artista que foi John Heartfield, devem ser olhadas com a devida distanciação histórica, apesar da sua actualidade

Standard
Geral

O Carrossel da Politiquice

carrs

Assim que se anunciou a possibilidade de Sampaio Nóvoa ser candidato ás próximas eleições presidenciais, soaram as campainhas de alarme. Do lado dos trauliteiros direitinhas, que tinham sido simpáticos para Henrique Neto, logo começaram nas redes sociais as piadolas de mau gosto, como é de bom tom para aqueles lados. Os mais civilizados, com destaque para os comentadores que fazem disso um modo de vida, franzem o sobrolho, iniciaram a busca de sinais mais avermelhados em Sampaio Nóvoa para os expor e assustar o bom povo português. Fariam isso com Sampaio da Nóvoa ou com qualquer outro que fosse candidato a candidato a Presidente da República, com perfil idêntico.

Mais preocupantes e reveladoras do clima daquelas bandas foram as reações de socialistas mais ou menos conhecidos da opinião pública. Saltaram a terreiro em vários estilos e tons. Vera Jardim olha com distanciamento para o cargo de Presidente da República, reclamando a falta de perfil, por o ex-reitor da UL se mostrar muito interventivo e um Presidente da República deve, na sua opinião, ser um “poder moderador”(::.)”árbitro supremo do sistema, da constituição e dos equilíbrios do sistema”

Podia ter dado como exemplos o pai de todos os socialistas, Mário Soares, sempre sentado em Belém, a mitigar pachorrentamente os conflitos institucionais que não foram poucos durante os seus mandatos. Ou o seu amigo e ex-colega de escritório, Jorge Sampaio, que tudo fez para que o governo de Santana Lopes cumprisse o mandato. A falta de memória dessa gente é notável. Cautelarmente, Vera Jardim, vai dizendo que se o seu partido apoiar Sampaio da Nóvoa, ele será naturalmente o seu candidato. Uma nota a registar, embora não seja de excluir que estivesse a fazer figas enquanto fazia tal proclamação.

Outros “notáveis” socialistas são mais assertivos. Francisco Assis, estilo sorna, estofo de político mediano, reclama um candidato “genuinamente de centro-esquerda”. Para um militante de um partido que enche a boca a afirmar-se de esquerda, para um homem que se diz de esquerda, que foi candidato a secretário-geral, não está nada mal. Não nomeia, mas percebe-se que o seu Dom Sebastião é o beato Guterres ou o direitinha Gama.

Sérgio Sousa Pinto foi mais, longe, se calhar com receio que um qualquer preclaro Lello se antecipasse. Desata a zurzir em Sampaio da Nóvoa, “Não lhe basta a sublime virgindade de, em 60 anos, nunca se ter metido com partidos” e como estávamos na época pascal acrescenta “também parece agradecer a Deus a graça de ser pobre” . Conclui com mais umas tantas javardices do mesmo jaez sobre as esquerdas latino-americanas e europeias, para rematar “esta não é a minha esquerda”. Não é a esquerda dele pela razão mais simples e óbvia: ele não é nem nunca será de esquerda, por mais que queira travestir a realidade.

Todo o texto é bem revelador dos sérgios sousas pintos que andam como piolhos pelas costuras da política. É atravessado pela raiva, contra quem sendo de esquerda e tendo um currículo intelectual e profissional considerável, por opção, não se filiou num partido. É a raiva roxa de quem em toda a sua vida, só soube e sabe lustrar os fundilhos pelas cadeiras de diversas assembleias, fazendo pela vidinha, com os olhos postos nos vitorinos e passos coelhos que, à pala da política, se tornaram em facilitadores de negócios. De quem cheira o perfume fétido dos corredores da política que também o pode, na graça de Deus, fazer ficar riquinho. Não está sozinho. Pelo contrário, está bem mal acompanhado por aquela maralha que se mete muito jovem na política por cálculo, a acotovelar-se para fazerem carreira nos partidos que lhes abrem as portas do chamado arco da governança.

Sérgio Sousa Pinto não aguenta. Solta o sócrates que tem dentro de si. Estoira com grande alarido rugidos de leão de aviário. Sabia, bem sabia, que iria ter os seus quinze minutos de glória socialite-politiqueira. Para ele é insuportável que um homem, Sampaio Nóvoa ou outro, com um percurso intelectual reconhecido, que sempre tenha tido uma intervenção cidadã de esquerda, que sempre tenha mostrado ter consciência social, se intrometa nas escolhas do aparelho partidário, daquele aparelho partidário  que concede aos sérgios deta terreola. uma teta em que mama desde que se conhece, com afinco, ainda que sem grande talento. Advinha-se que o seu candidato é António Vitorino, se concorreres e ganhares dás-me um lugarzito em Belém? Em segunda escolha, os que Assis leva em andor.

Essa gente, e outra que deve andar a arrastar os pés com ardor nas alcatifas do Largo do Rato rosnando em surdina, saltam a terreiro para demonstrar, como se isso fosse necessário, que renegam a esquerda até ao fim do mundo.

Há ainda quem acredite na possibilidade de um governo de esquerda com este Partido Socialista. Essa é outra questão, magna questão, em que se deve insistir, mesmo contra todas as evidências.

Standard
Geral

A CHOLDRA

images

Esta gente não tem vergonha alguma! Do primeiro-ministro ao mais ignoto membro de algum gabinete, este governo é a ralé em movimento! Mentem sem uma ruga. Tripudiam a realidade e a verdade sem uma hesitação.

Agora, na ordem do dia, as listas de contribuintes VIP que, com o desplante dos grandes vigaristas, afirmavam não existir. Quando se prova que existem, que começaram a ser pensadas e organizadas com as trapalhadas da Tecnoforma, onde Passos Coelho era o rapaz das gazuas que abria portas por onde entravam sacos de dinheiro a troco de umas cambalhotas instrutivas, abrem as bocas do espanto pela denúncia da tramóia. Vale tudo para proteger a cambada de mais sobressaltos. Sem escrúpulos de qualquer espécie, utilizam a máquina administrativa do Estado em proveito próprio. Para se esconderem, para ocultarem as nuvens de nódoas que desabam permanentemente sobre eles.

Cobardemente, para se safarem, quando as suas canalhices ficam expostas na praça pública, atiram pedras à administração pública, lincham os seus funcionários na primeira curva. Fogem a assumir quaisquer responsabilidades políticas por mais evidentes que sejam.

Um governo que ataca em matilha, como hienas fedorentas, o Estado é o mesmo governo que mais o instrumentaliza em proveito próprio e dos seus mandantes. Um governo que, desde o primeiro dia se entrega à destruição do Estado, que deliberadamente desestabiliza e desorganiza a máquina administrativa do poder central e do poder local, que desdenha e avilta os funcionários públicos, é o mesmo governo que a eles recorre para se desculpabilizar, assacando-lhes culpas próprias.

Da dupla Passos Coelho-Paulo Portas ao mais ignoto dos seus sequazes que navegam pelos gabinetes governamentais, é tudo uma maralha sem honra nem dignidade, acoitados na falta de honra e dignidade do Presidente da República, que atira com displicência para o caixote de lixo as exigências de demissão desse bando de trafulhas políticos.

Neste pântano, não há flores. Só ratazanas que nos assaltam a vida.

Standard
Geral

A Grécia, a CEE os seus mandantes, seus mandaretes e monicas lewinskis

A ESPERA DOS BÁRBAROS

— Que esperamos na ágora congregados?

 

Os bárbaros hão-de chegar hoje.

Porquê tanta inactividade no Senado?

Porque estão lé os Senadores e não legislam?

 

Porque os bárbaros chegarão hoje.

Que leis irão fazer já os Senadores?

Os bárbaros quando vierem legislarão.

 

Porque se levantou tão cedo o nosso imperador,

e está sentado à maior porta da cidade

no seu trono, solene, de coroa?

 

Porque os bárbaros chegarão hoje.

E o imperador espera para receber

o seu chefe. Até preparou

para lhe dar um pergaminho. Aí

escreveu-lhe muitos títulos e nomes.

 

— Porque os nossos dois cônsules e os pretores

saíram hoje com as suas togas vermelhas, as bordadas

 

porque levaram pulseiras com tantas ametistas,

e anéis com esmeraldas esplêndidas, brilhantes;

porque terão pegado hoje em báculos preciosos

com pratas e adornos de ouro extraordinariamente cinzelados?

 

Porque os bárbaros chegarão hoje;

e tais coisas deslumbram os bárbaros.

 

– E porque não vêm os valiosos oradores como sempre

para fazerem os seus discursos, dizerem das suas coisas?

 

Porque os bárbaros chegarão hoje;

e eles aborrecem-se com eloquências e orações políticas.

 

– Porque terá começado de repente este desassossego

e confusão. (Como se tornaram sérios os rostos.)

Porque se esvaziam rapidamente as ruas e as praças,

e todos regressam as suas casas muito pensativos?

 

Porque anoiteceu e os bárbaros não vieram.

E chegaram alguns das fronteiras,

e disseram que já não há bárbaros.

 

E agora que vai ser de nós sem bárbaros.

Esta gente era alguma solução.

                                                               Konstandinos Kavafis

(tradução Joaquim Manuel Magalhães/Nikos Pratsinis)

ovelhas

 

Os cônsules, pretores que entre dois partidos sozinhos ou coligados, se sucediam na Grécia, impondo ao povo grego as soluções dos bárbaros foram democraticamente derrotados. As iníquas reformas estruturais, um saco de mentirolas que nada reestrutura e tudo destrói,  que garrotavam a economia, aumentavam a dívida, mantinham os privilégios da oligarquia, aprofundavam  a corrupção, atiravam cada vez mais gregos para a miséria e o desemprego, foram democraticamente derrotadas. Quem venceu pelo voto, propõe outro caminho para sair da crise, caminho dentro do quadro político, económico e social dos bárbaros. Nem isso os bárbaros aceitam. Inquietam-se porque não querem que seja sequer possível pensar que há outras saídas para a crise económica dos países que se debatem com dívidas que são impagáveis, consequência da crise mais geral da Europa tatuada no sistema que se arrasta agónico mas que se julga eterno, sem alternativas.

Governantes e seus sequazes querem ditar, impor as suas leis sobre os países devastados por uma estúpida cegueira que alimenta os oligopólios financeiros, promove uma crescente desigualdade social, instala um desastre económico e social de proporções inquietantes. Mentem manipulando as estatísticas para travestir o desastre. Mentem. mentindo sempre e, sem pudor,  fazem circular a mentira por uma comunicação social mercenária ao seu serviço.

Na CEE, os países que se sujeitaram às receitas das troikas, viram as suas dívidas em relação ao PIB aumentar exponencialmente entre 2007 e 2014. Irlanda 172%, Grécia 103%, Portugal 100%, Espanha 92%. A dívida mundial que em 2007 era de 57 biliões de dólares, em 2010 foi de 200 biliões de dólares, ultrapassando em muito o crescimento económico. Tendência que continua o seu caminho para o abismo, em benefício dos grandes grupos financeiros, entrincheirados nos chamados mercados. O chamado serviço da dívida, os juros, são incomportáveis. São esses os êxitos de uma política cega submetida à ganância usuária que não tem fronteiras ou qualquer ética.

Os governos deixaram de estar ao serviço dos seus povos, nem estão sequer dos seus eleitores. São correias de transmissão dos oligopólios financeiros que se subtraem a qualquer escrutínio democrático ou outro de qualquer tipo. Traçam um quadro legal que os suporta e legitima a ilegitimidade. A democracia é uma chatice, um entrave, um pauzinho nessa gigantesca engrenagem que nos atira barranco abaixo, com efeitos devastadores para a humanidade. Nada interessa a não ser o lucro de quem especula sem produzir nada. As pessoas são uma roda nessa engrenagem.

chaplin

Charlie Chaplin, TEMPOS MODERNOS

Quem não caminha ordeiramente nesse rebanho, quem se opõe, mesmo que mandatado e sufragado democraticamente, é considerado irresponsável, como disse o ogre Wolfang Schauble, ministro da economia da Alemanha, em relação à Grécia. As suas enormidades ecoam pela boca dos seus bufões, das suas monicas lewinskis por todos os cantos de uma Europa submissa aos diktats do bando de arruaceiros financeiros que rouba a tripa forra países e povos. Em Portugal, as nossas monicas lewinskis são mais fatelas, mais rascas com se tem visto e ouvido de Cavaco a Passos Coelho, de Portas a Pires de Lima mais a matilha dos seus sarnentos rafeiros de fila. Espumam raiva, ódio dos ecrãs televisivos às ondas radiofónicas. Quem se atreve a riscar, ainda que levemente, essa realidade em que nos enforcam é logo atacado e silenciado quanto baste por essa matilha de pensamento ulcerado.

Os burocratas europeus dogmáticos, leitores e intérpretes da cartilha neoliberal dizem que a realidade é assim mesmo! Será?

A realidade nunca é a realidade que nos querem impingir como Aragon tão bem descreveu. Há mais vida para lá desse biombo com que a querem esconder qualquer luz, mesmo bruxuleante, de esperança para a humanidade.

ISTO È UMA OVELHA,escultura de João Limpinho

 

AS REALIDADES

Era uma vez uma realidade

com as suas ovelhas de lã real

a filha do rei passou por ali

e as ovelhas baliam que linda ai que linda está

a re a re a realidade

Era uma vez noite de breu

e uma realidade que sofria de insónia

então chegava a fada madrinha

e placidamente levava-a pela mão

a re a re a realidade

No trono estava uma vez

um velho rei que muito se aborrecia

e pela noite perdia o seu manto

e por rainha puseram-lhe ao lado

a re a re a realidade

 

CODA: dade dade a reali

dade dade a realidade

A real a real

idade idade dá a reali

ali

a re a realidade

era uma vez a REALIDADE.

Aragon

(tradução António Cabrita)

ceci nést pas une pipe

pintura de Magritte

Standard
Geral

Pastel de Nata a Cavalo

Pastel de nata

cavaloEm Portugal, as armas e os barões assinalados de uma maioria, um governo, um presidente, o alfa do pensamento politicamente esquálido de Sá Carneiro, deixam registos a assinalar nestes últimos anos.

Um Presidente especialista em raspadinhas premiadas do BPN. Um Primeiro-Ministro que, segundo o seu último empregador, era um entendido em gazuas ”que abria todas as portas” Um Vice-Primeiro Ministro perito em submarinos e feiras e aparecer dedo no ar por tudo e por nada. Uma Ministra das Finanças que hoje diz uma coisa e amanhã outra e é mestre em falhar todos os objectivos ,pelo que os seus melhores orçamentos são os rectificativos. Um moedeiro falso que corta a eito na investigação e vai para a Europa dizer o que nunca disse nem fez para garantir o tacho. Um Ministro da Educação que lança o caos no ensino básico e secundário , sorri satisfeito por lhe cortarem 700 milhões no orçamento do ensino superior e na ciência. Uma Ministra da Justiça que implementa o caos com a reforma judicial. Um Ministro do Ambiente que impõe uma taxa sobre os sacos de plástico e os sujeita ao IVA e inventa um imposto sobre o carbono que vai provocar um aumento generalizado sobre os bens essenciais. Um todo poderoso ex-ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares, profissional em licenciaturas turbo. Um Governo finge não saber que a austeridade é o maior inimigo da natalidade e para a incentivar aumenta a discriminação social com um cociente de 0.3/filho no IRS, que beneficia tanto de um presidente de um conselho de administração que ganha 4,2 milhões de euros/ano, como a um casal com o ordenado mínimo, porque os filhos dos ricos não são iguais aos filhos dos pobres. Da chamada sociedade civil exemplos também abundam. Há um banqueiro que cinco dias antes de o seu banco declarar falência apresentou com pompa e circunstância o livro de sua autoria Testemunho de Um Banqueiro. A história de quem venceu nos mercados”. Um outro recebeu a distinção de doutor honoris causa para nos depois se descobrir o enorme buraco do seu banco que era, diziam, um dos pilares da economia e da finança nacional. Esses dois sucessos tiveram lugar no ISEG pela mão de João Duque que o dirigia e é membro destacado do think-tank nacional que continua a ser reverentemente escutado nos media..

Etc, etc, etc. A lista poderia continuar, ser quase interminável, se não tivesse acontecido nos últimos dias uma iluminação quase divina que nos deixa alumbrados.

O anterior Ministro da Economia tinha descoberto e empunhado a alavanca mestra para aumentar as exportações: o pastel de nata.. Anos passados a por canela nos pasteis de nata sem se verem resultados palpáveis eis que o Presidente da República se chega à frente, dá um valioso e definitivo contributo:“o hipismo é uma área chave para o desenvolvimento da economia nacional”É a grande revelação que banaliza mesmo as da Senhora de Fátima aos pastorinhos. O grande desígnio nacional está encontrado: O Pastel de Nata a Cavalo

Standard
Banco espírito santo, CDS, Ecologia, PSD

O SAPO,A TRAFULHA, O CÓCÓ, O RANHETA, O CORO DOS LOUVAMINHAS

ratos

A vigarice em roda livre bate todos os tambores fazendo proclamar por todo o país: Arraial! Arraial!na solução encontrada para o BES, os contribuintes estão a salvo!!! Qualquer que seja o desfecho, os contribuintes não pagarão um cêntimo!

Alguns, mais ousados e mais idiotas, até acham que isto é a face de uma nova política!!! Abençoados, o reino dos céus é deles!

A procissão ainda vai no adro, Várias as cenas. É ver o combate canalha entre os reguladores, num vale tudo, das caneladas e facadas nas costas em plena praça pública, ainda estamos nos primeiro assaltos, até ver se não é um combate de wrestling! A batalha BES/PT/OI, com rajadas de e-mails a atravessarem o éter, raios lasers mortíferos em que, como nos filmes do género, acabará tudo à batatada.

Isto ocupa a malta da comunicação social enquanto o cenário mais grave, mais sério, de que ainda não se fala, que vai varrer a frágil economia nacional, se avoluma no horizonte, com falências de muitas pequenas e médias empresas, algumas já anunciadas outras em marcha, que trabalhavam para o grupo Espírito Santo ou de forma directa ou indirecta estavam na sua órbita. Mais a reestruturação, desmentida para ser logo de novo enunciada, do Banco Bom, com rescisões de contratos, despedimentos, redução de balcões. Uma catástrofe que se avizinha e que, mais uma vez e sempre, enquanto esta política perdurar, vai atingir os do costume: os trabalhadores, as pequenas e médias empresas.

Essa linha negra no horizonte não incomoda o sapo que incha de vaidade por ter encontrado uma solução que a Comissão Europeia e o BCE louvaram. Incha, devia inchar até rebentar de vergonha, coisa que essa gente nem sabe o que é, por durante meses ter garantido a solidez do BES, a credibilidade da Comissão Executiva do BES, da famiglia, de Ricardo Salgado, passando-lhe um certificado de idoneidade mesmo depois de ele ter rectificado por três vezes a sua declaração de IRS, por se ter “esquecido” de declarar uns muitos milhões de euros. De dormitar sobre a almofada que dizia existir no BES. De ter avalizado um aumento de capital de mais de mil milhões de euros, enganando muitos pequenos accionistas que, pobres dele, acreditaram na palavra do Senhor Governador. Também ele está na primeira linha dos que garantem que a solução encontrada protege os contribuintes. É de lembrar que este Carlos Costa, governador do Banco de Portugal é o mesmo Carlos Costa que no BCP era director do sector do estrangeiro e não sabia nada das manigâncias feitas nas offshores pelos jardins gonçalves&companhia. Aos ricardos do BES deu-lhes tempo para porem o dinheiro a salvo nas offshores, enquanto o grupo ardia! Com as contas congeladas no BES onde é que Ricardo Salgado foi sacar três milhões de euros para pagar a fiança? Não deve ter sido a arrumar carros! Ou mesmo iates na doca de Cascais!

A trafulha da ministra das finanças foi à AR , onde entrou e saiu com o seu passo de pinguim de quem só tem certezas, dizer que ao contrário da solução encontrada para o BPN, esta protege os contribuintes. Esqueceu-se de acrescentar que com os votos de todos os partidos, PS, PSD e CDS, no BPN nacionalizaram-se os prejuízos no BPN e deixaram os lucros privatizados na SLN. Deveria acrescentar que o PCP votou contra e apresentou uma proposta de se nacionalizar o BPN e a SLN. Contou a história de encantar que os contribuintes estão defendidos porque se trata de um empréstimo a ser pago num prazo máximo de dois anos. Quem paga se o Banco Bom não for vendido pelos 4,9 milhões agora emprestados? Diz ela sem se rir, os pinguins tem aquele ar assexuado que engole todos os sorrisos e risos, que será o Fundo de Resolução. Quer dizer os Bancos!!! Os mesmos bancos que foram ao Banco de Portugal impor a solução de avançarem com mais dinheiro do que existia no Fundo de Resolução, dede que o dinheiro aí parqueado e o dinheiro que generosamente se dispuseram a avançar, passasse a contar como empréstimo. Quer isto dizer que o sector bancário deixou de correr qualquer risco quando se chegar ao fim da linha. O dinheiro avançado pela banca, fica assim garantido pelo Estado, pelos dinheiros públicos! O governo, a ministra das Finanças aceitaram essa solução/imposição e continua a dizer que o sector bancário pagará o diferencial entre o valor da venda do Banco Bom e o do empréstimo agora feito pelo Estado. Isto, quando os bancos, com esse golpe de asa já garantiram, com o aval do governo, que o dinheiro que empatam no Banco Bom, corra bem ou corra mal o negócio, está garantido pelo Estado. Por todos nós contribuintes. Para eles é obviamente a melhor solução. O dinheiro que avançaram deixou de ser capital de risco. É emprestado sem correr nenhum risco. Mais uma vez se demonstra que quem verdadeiramente manda em Portugal é o capital financeiro, mesmo com alguns dos seus capitães abatidos.

A farsa do primeiro-ministro e do vice primeiro-ministro também é primorosa. Um em férias fingindo que tudo corre pelo melhor. O outro aparece, com aqueles olhinhos de bandido de bom corte, para repetir que a solução protege os contribuintes, os trabalhadores do BES, o não sei mais o quê! Prodígios só possíveis com esta governação Cócó e Ranheta a darem facadas no país. A claque de informantes e comentadores de serviço na comunicação social quando são de direita embandeiram em arco com a solução encontrada. Se se dizem de esquerda acham que é a melhor solução entre todas as possíveis. Única questão que colocam é se a venda do Banco Bom dará para pagar o dinheiro que o Estado lá meteu e quem pagará, fingindo não ter percebido que não será de certeza o Fundo de Resolução, como os bancos demonstraram.

O que não passa pela cabeça dessa gente é porque será que o Estado, neste momento o único accionista do Banco Bom, vai com esse dinheiro financiar privados em vez de ficar detentor de um banco limpo dos seus activos tóxicos? Deixando aos accionistas do Banco Mau a resolução das suas malfeitorias. É o horror pela gestão pública e a defesa, mesmo a mais indefensável, da gestão privada sempre ou quase sempre suportada por dinheiros públicos! Ninguém, dessa troupe de saltimbancos políticos, economistas e supostos espertos financeiros , se interrogou se o BES continuasse nacionalizado, se não tivesse sido entregue de mão beijada a essa honrada e reputada famiglia, teria chegado ao descalabro a que chegou, enchendo de muitas dezenas de milhares de euros os bolsos da famiglia.

Toda essa gente esconde que seremos sempre nós contribuintes que vamos pagar a factura que os Espíritos Santos, Salgados ou Ricciardis, passaram a Portugal. Os quase cinco mil milhões de euros que fazem parte do empréstimo da troika a Portugal que tem sido dolorosamente pago pelos portugueses que, para o pagarem, perderam direitos sociais e económicos, que viram os seus salários, pensões e reformas serem brutalmente esbulhados. Que foram para o desemprego ou obrigados a emigrar. Que a parte mais significativa do Fundo de Resolução também é dinheiro nosso, dinheiro do Estado. Vem dos impostos que a banca devia pagar ao Estado. Isto não é dito e deve ser dito para demonstrar que no fim de tudo, seremos sempre nós a pagar o descalabro do BES, que o Estado com estas políticas continua afincadamente a utilizar o nosso dinheiro para financiar a actividade privada.

Um alerta final: o BANIF, onde o Estado injectou 1,1 mil milhões de euros para não ir à falência, apesar desse empréstimo apresentou um prejuízo, no primeiro semestre de 2014 de 196 milhões de euros!!! No turbilhão BES, isso passou quase despercebido para felicidade de Luís Amado e seus pares na administração do BANIF. Vão precisar de alguma almofada para repousarem a excelência da sua gestão?

Standard
Cultura, Geral, Literatura

E Não se Pode Exterminá-los

Deveria já ter colocado um “post” sobre o Prémio de Romance e Novela da APE 2014. Não o fiz  contra o impulso de publicar imediatamente o discurso de Alexandra Lucas Coelho na entrega do prémio. Um belo discurso que naturalmente deveria eriçar os representantes do governo e do Presidente da República. Adiei, por obliquamente, ter tido conhecimento da javardice da intervenção de Barreto Xavier, outra coisa não seria de esperar em que chafurda na pocilga da governação, do mal amanhado silêncio de Diogo Pires Aurélio que representava aquela coisa agrafada ao cadeiral da Presidência da República pelos votos dos portugueses os mesmos que votaram a favor do chiqueiro comandada por Passos e Portas. Pois é, a democracia alberga, muitas vezes premeia, gentalha espúria, acanalhada, vendedora de vigésimos premiados para sacar votos. Adiante.
Publico agora o discurso de Alexandra Lucas Coelho, com uma discordância de fundo. O seu romance que prefiro é E a Noite Roda, ainda não li Vai Brasil. Prefiro-o emparelhado com os outros romances de língua portuguesa ou traduzidos, publicados nos últimos dois anos. Está entre os que continuam a olhar-me nas mesas por onde andam, espalhados pela casa, sem estarem perdidos. Sobre ele  farei breve nota como as que tenho feito para o Guia de Eventos de Setúbal a chamar a atenção de eventuais leitores para os romances de que gosto. Submetendo-os ao meu gosto, evidentemente. Já estava entre os próximos selecionados ganhasse ou não ganhasse o prémio da APE.

Voltando ao assunto. Publico agora para anteceder o discurso pelo relato que a Alexandra Lucas Coelho faz das cenas miseráveis da cerimónia. Mais uma foto radiografia da gentalha que nos governa. O título do “post” é recuperado ao Karl Valentin (lembram-se? na Cornucópia?) é o que me apeteceria dizer dia a dia, hora a hora, minuto a minuto se não ouvisse aquele belo verso do meu amigo Manuel Gusmão que a Alexandra Lucas Coelho refere: “apesar de todas as evidências, a alegria”. Sim, a alegria que nos faz viver vivendo dos poemas do Manuel Gusmão e do Herberto Helder, dos romances da Alexandra Lucas Coelho e do João Paulo Borges Coelho, das músicas do Pinho Vargas e do Nuno Corte-Real, dos filmes do Miguel Gomes e do João Botelho, do teatro do Jorge Silva Melo e do Marco Martins, depois  de ouvir, nestas últimas semanas, a Messe de Notre Dame pelos Graindelavoix, na Igreja de São Roque, o Rameau de Os Músicos do Tejo nos Dias da Música, o Das Lied van der Erde, que estou a ouvir enquanto escrevo. cantado pela Christa Ludwig e o Fritz Wunderlich, dirigido pelo Klemperer. Mas tudo isto não apaga as evidências, antes pelo contrário mais as sublinha e acentua o fedor em contraste com os perfumes coloridos de Lisboa.

 

Imagem

 

Descrição da Alexandra Lucas Coelho sobre o que se passou depois do seu discurso na Gulbenkian quando lhe atribuíram o prémio da APE

Não há gravações do que se passou durante a entrega do Grande Prémio de Romance e Novela da APE, na sala 2 da Fundação Gulbenkian, a 7 de Abril. Havia jornalistas presentes mas não em trabalho, a tomar notas. Por isso não há forma de citar “ipsis verbis” o que disse o Secretário de Estado da Cultura (SEC), Jorge Barreto Xavier. Mas há algumas dezenas de testemunhas que podem acrescentar ou corrigir o que vou tentar resumir agora aqui, por tudo se ter passado numa cerimónia pública.

Sendo este prémio tradicionalmente entregue pelo Presidente da República, decidiu o actual presidente, Cavaco Silva, à semelhança de anos anteriores, fazer-se representar. Neste caso, pelo seu Consultor para Assuntos Culturais, Diogo Pires Aurélio. Isto era o que eu sabia quando escrevi o discurso para a ocasião. Já no átrio da Gulbenkian, perto da hora marcada, 18h, a APE comunicou-me que a cerimónia estava um pouco atrasada porque esperavam o Secretário de Estado da Cultura.

Quando Barreto Xavier chegou e entrámos todos para a sala, o protocolo sentou-o ao centro da mesa, junto a Diogo Pires Aurélio. Nas pontas, Gulbenkian (representada por Rui Vieira Nery), APE (José Manuel Mendes, José Correia Tavares), júri (representado por Isabel Cristina Rodrigues) e eu. Vieira Nery abriu, sucintamente; seguiram-se discursos da APE; Isabel Cristina Rodrigues leu o texto em que o júri justifica a atribuição do prémio a “E a Noite Roda”. Diogo Pires Aurélio e eu levantámo-nos para que ele me entregasse o sobrescrito do prémio, um minuto de formalidade, sem palavras, para a fotografia. Chegou a minha vez de discursar, li as páginas que trazia. No fim, houve uma ovação de pé. Digo isto para dar conta da atmosfera que os representantes do poder político tinham diante de si.

A APE convidou então o SEC a intervir. Ele escolheu falar sentado, sem se deslocar ao púlpito. Uma das coisas que disse, na parte, digamos, cultural da intervenção, foi que eu bem podia declarar que não fazia ficção porque claro que fazia ficção porque é isso que um escritor faz, ficção. Foi o primeiro arroubo dirigista, que nos devia ter preparado para o que aí vinha.

Na parte, digamos, política, destaco quatro coisas: o SEC disse que eu devia estar grata por estarmos em democracia e eu poder dizer o que dissera; que durante anos os portugueses se tinham endividado acima das suas possibilidades; que, ao contrário do que eu dissera, ninguém saíra de Portugal por incentivo deste governo; e, sobretudo, que eu tinha dito que não devia nada a este governo mas que isso não era verdade porque este governo também subsidiava o prémio.

Referia-se ele, assim, a um prémio com décadas de existência; atribuído a alguns dos mais extraordinários escritores de língua portuguesa; cujo montante em dinheiro resulta de vários patrocínios, sendo que os públicos resultam do dinheiro dos contribuintes; e que tem atravessado os mais variados governos, sem que nunca, que me recorde, algum governante o tenha tentado instrumentalizar. Foi a mais escancarada confusão de Estado com Governo que já presenciei, para além do tom chantagista ao nível de jardim de infância das ditaduras. E, apesar dos apupos, de quem lhe gritava da plateia “Mentira!” e “O Estado somos nós!”, o SEC insistia.

Como cabe ao Presidente da República, ou seu representante, encerrar a cerimónia, a APE instou Diogo Pires Aurélio a falar. O representante do Presidente da República declinou e encerrou a sessão. No fim, cumprimentou cordatamente todos os presentes na mesa e retirou-se.

Já Barreto Xavier, aproximou-se de mim na confusão da retirada. Julguei que se vinha despedir, depois de dizer o que tinha a dizer. Nada disso. Queria dizer-me, visivelmente irritado, que o que eu fizera tinha sido de um grande “primarismo”. Respondi-lhe que então devia ter dito isso mesmo ao microfone, que eu já dissera o que tinha a dizer e não lhe ia dizer mais nada. Fui andando, para contornar a mesa e acabar com a cena, mas o SEC insistia: que eu tinha sido “primária”.

O “Público” pediu-me o discurso para publicar online na tarde do dia 8. Quatro horas depois, 89 mil pessoas tinham lido o texto. Ontem, o post no FB do “Público” tinha sido visto por 170 mil. Obrigada a todos pela partilha. Continuar a ler

Standard
Política

Primeiro-ministro. Dos portugueses?

400Com a sensibilidade de um elefante entre porcelanas, Passos Coelho continua a atirar para as urtigas, agora a propósito das pensões de reforma (ver aqui), a mais que necessária solidariedade inter-geracional entre os portugueses.

Iludindo a verdadeira natureza dos problemas, divide agora os portugueses entre velhos e jovens, activos e reformados… como já o havia feito entre trabalhadores da função pública e do privado ou entre médicos e doentes.

Já não há paciência!

Passos Coelho ofende todos os portugueses das gerações mais velhas que descontaram ao longo de décadas de trabalho, contratando com o Estado o acesso a uma pensão de reforma. O primeiro-ministro esquece que os descontos que essas pessoas efectuaram foram obrigatórios e com taxas definidas pelo Estado. Isto é, estipuladas pelos sucessivos Governos da República.

Bem ficaria a Passos Coelho explicitar a quem se refere quando diz que essas pensões elevadas “não correspondem ao valor dos descontos que essas pessoas fizeram” ao longo da sua carreira contributiva.

Não percamos de vista o que está em causa. Os reformados vão sofrer um corte nas suas pensões: de 3,5% entre 1.350 e 1.800 euros. Esse corte sobe para 16% no valor que supere os 1.800 euros, e aplica-se um corte total de 10% sobre as pensões superiores a 3.750 euros. E de 15% sobre a sua totalidade sempre que ultrapassem os 5.030,64 euros.

Assestando sobre os pensionistas e os trabalhadores as batarias da culpa dos pecados mortais do país, Passos Coelho tudo faz para esconder os clamorosos falhanços da sua governação: o afundamento continuado do país, ditado pela desagregação da economia, o acelerado aumento do desemprego e a emigração maciça, enfim, o desespero e a desesperança que tomam conta da população.

O pior cego é aquele que não quer ver. E ele, Passos Coelho, não quer ver. Obcecado, quer persistir no caminho que nos trouxe até onde estamos. Semeando o medo e o terror.

Standard
Política

As ONG’s do Passos e do Relvas

A investigação do jornal “Público” publicada nos últimos dois dias, na qual se revela a brilhante ideia de Passos Coelho de, nos seus tempos de estroina da vida empresarial social-democrata, em íntima sintonia de pensamento com o amigo Relvas, à data secretário de estado de outro governo PSD, de criar uma Organização Não Governamental para ir ao pote e sacar umas massas de fundos comunitários para umas formações profissionais que não interessavam a ninguém, revela bem a idoneidade moral desta gente que nos governa.

Com truques de ilusionismo que metem ONG’s fictícias à mistura, Passos & Relvas prepararam uma cartada que iria valer, sob o manto diáfano das supostas benfeitorias que todas das ONG’s praticam, umas largas massas para uma empresa “protegida” do PSD. Interessante seria, aliás, saber qual seria o verdadeiro destino final das massas sacadas aos fundos comunitários, mas isso ficará, certamente, para outras núpcias ou mesmo para as calendas gregas, que estas coisas, já se sabe, todos conhecem, mas ninguém viu…

Esta gente que nos anda a querer comer por parvos, com a conversa mil vezes repetida de que a culpa é nossa, que vivemos acima das nossas possibilidades, com supostos carros comprados a prestações que trocávamos todos os anos, ou imaginárias viagem ao Brasil para ver as garotas que pululam por areais e calçadões, ou ainda para, numa versão de betinho direitinha bacoco, comprar Adidas, Lacostes e Burberrys a crédito, esta gente é aquela que afinal andou a engendrar esquemas e truques para bifar os dinheiros da formação profissional que, toda a gente sabe desde os tempos em que a UGT se abalançou a semelhantes projetos, são dinheiro fácil e lavadinho.

Portas e Relvas, inspiradores e fundadores de ONG’s de duvidosa estirpe, inventores de cursos para técnicos de segurança de aeródromos que não existem, dizem-nos agora que houve e há desperdício de dinheiros públicos, que a culpa foi de quem esbanjou euros europeus em autoestradas e aeroportos de papel. A culpa foi de quem deixou o Estado engordar e, por isso, é preciso agora retirar-lhe as gorduras, nem que para isso se raspe até ao osso.

Sim, são eles, os mesmos que andaram a lamber o pote dos fundos comunitários que deveriam servir para desenvolver o país, os mesmos que não descansaram enquanto não inventaram a melhor raspadeira para sacar o máximo que pudessem. Sim, são eles que nos governam. E nada acontece. Tudo continua na mesma, com Passos a manifestar estranheza por colocarem em causa tão transparente operação.

Mário Soares, que é homem coerente por raramente dizer coisas acertadas, teve um acidente de percurso e sintetizou bem o que vai na alma de muitos portugueses por estes dias em artigo hoje publicado no Diário de Notícias. Escreveu ele que “os portugueses estão desesperadamente contra este Governo. Não há qualquer dúvida. Contudo, Passos Coelho diz que não se aflige com isso. Talvez até goste. Mas é preciso que se lhe diga, antes que seja tarde, que corre grandes riscos. Inúteis. Tem Portugal inteiro contra ele: sacerdotes, militares, de alta e baixa patente, cientistas, académicos, universitários, rurais, sindicalistas, empresários, banqueiros, pescadores, portuários, médicos e enfermeiros e, sobretudo, a maioria dos seus próprios correligionários do PSD”.

Soares acertou desta vez. Mas também não era difícil…

Standard
Geral, Política

O Sabujo

Não resisti a deixar aqui o artigo de Baptista-Bastos no Diário de Notícias

O Sabujo

por BAPTISTA-BASTOS

O discurso de Passos Coelho, pretendidamente de boas-vindas a Angela Merkel, ultrapassou a indispensável cortesia para se transformar numa inqualificável sabujice. A alemã esteve seis horas em Lisboa apenas para apoiar e aplaudir a política do primeiro-ministro português. Afinal, a sua política. E aquele perdeu completamente o mais escasso decoro e o mais esmaecido pudor. Qualquer compatriota bem formado sentiu um estremecimento de vergonha ante o comportamento de um homem, esquecido ou indiferente à circunstância de, mal ou bem, ali representar um país e um povo.

A submissão a Angela Merkel e ao sistema de poder que ela representa atingiram o máximo da abjecção quando Passos estabeleceu paralelismos comparativos entre trabalhadores alemães e portugueses, minimizando estes últimos, e classificando aqueles de exemplares. A verdade, porém, é que as coisas não se passam rigorosamente como ele disse. Os portugueses trabalham mais horas, recebem muito menos salário, descansam menos tempo, dispõem de menores regalias e de cada vez mais reduzida segurança.

O sistema de poder que Angela Merkel representa e simboliza, imitado por Pedro Passos Coelho, fornece a imagem e a prova de um clamoroso défice político. Além de ser uma dissolução ética. A associação entre a alemã e dirigentes portugueses não é de agora: José Sócrates (apesar de tudo recatado na subserviência) caracterizava-se por uma fórmula intermédia, que queria resistir à fragmentação da identidade. Quero dizer: demonstrava um outro carácter.

Nem mais tempo, nem mais dinheiro, disse a chanceler à jornalista Isabel Silva Costa, na RTP. O estilo peremptório não suscita dúvidas. Pode Passos Coelho proceder a todo o tipo de reverências e de abandonos da decência que ela não dissimula o facto de mandar, e de impor uma política, uma doutrina e uma ideologia. Aliás, dominantes na Europa. A passagem por Lisboa constituiu uma distanciação do povo: cancelas, baias, dispositivo policial invulgar, um corredor absurdo que, no fundo, implicam a ausência ou a fraqueza de mecanismos institucionais.

Há qualquer coisa de inanidade nesta encenação que aparta governantesoutra, estamos nós, os ameaçados. A contra-conduta, a dissidência não são, somente, actos políticos; sobretudo, representam urgentes condutas morais.

Tudo isto é sinal de grande infelicidade.

Standard
Geral, Política

Procissão de Cegos

Parábola dos Cegos, Pieter Brueghel, o Velho
um cego conduz uma caravana de cegos

Um governo em fuga. De cobardolas que metem os pés pelas mãos na Assembleia da República ao serem confrontados com moções de censura que despem as tarouquices do seu argumentário. Que fogem a sete pés do povo, mesmo do povo que o elegeu. Povo que assiste ao aviltamento de um primeiro-ministro a correr para o avião para desembarcar numa qualquer reunião insignificante para, por poltronaria, abandonar a comemoração da implantação da República, mesmo quando, pela primeira vez em cem anos, foi celebrada quase à porta fechada. Com todos os ministros a escolherem portas esconsas para entrar e sair, procurando escapar-se sem ser percebidos.

Um governo de pantomineiros que cada vez que aperta um furo do cinto dos portugueses, para a maioria já não existem mais furos, promete que é a última vez para poucos meses decorridos arremedarem a mesma conversa em que já ninguém acredita.

Um governo de ineptos incompetentes que se escondem uns atrás dos outros. Isto não é um governo é uma barraca de feira onde os ministros aparecem e desaparecem, tentando fugir a ficar no retrato do descalabro da governação e às bolas que o povo lhes atira sempre que tiram a cabeça de fora. A desorientação é de tal jaez que já recorrem a números de ventriloquismo, em que o Borges é o principal e prazeroso boneco de serviço. Teatradas de títeres que, com argumentos cavilosos, vão tramando o país.

Espectáculo nauseante e fedorento o desta procissão de pseudo tecnocratas cegos por uma ciência de numerologias tóxicas que matam e esfolam os direitos sociais, económicos e políticos, que espalham a desgraça por todo o país clamando em vão pelo fim da crise, simulando uma luz fátua ao fim do túnel quando já nem sequer se vê o túnel. Cortejo de cegos que se vendem por trinta dinheiros ao todo poderoso capital e caminham para o barranco para onde também querem empurrar o país. Para onde o atirarão se os deixarmos prosseguir essas políticas errantes, de mentes perturbadas pelo deserto das folhas de cálculo de economias virtuais sem gente, sem terra, sem sol, sem árvores, sem mar, sem nada.

Um governo de homens de palha do capital, serventuários das latrinas dos mercados, que andam atarantados a correr desatinados pelos labirintos da crise atirando medidas às paredes a ver se alguma pega e tapa ao acaso um dos vários buracos por onde ela entra e cresce. Bola de neve a levedar sem parança ameaçando ir desfazer-se num abismo de que não se vê o fundo.

Enquanto Portugal é um titanic a afundar-se abalroado pela crise, os partidos do governo e a oposição intermitente do outro partido do amaldiçoado arco governamental escrevem um capítulo de raro brilho e densidade da História Universal da Pulhice Humana. Não é que desde muito tempo atrás essa história não esteja a ser enriquecida com episódios nacionais, só que agora atingiu-se um grau superior de sofisticação, desde que o primeiro-ministro gargarejou a voz para  desafinar o nini vestida de organdi depois de ter anunciando o maior roubo, feito de uma assentada, aos trabalhadores para enfiar os milhões extorsionados nos bolsos do grande capital, até à cena de ópera buffa, vista em directo e ao vivo, de Paulo Portas a enfiar-se cadeira abaixo, escrevendo com o afã de mulher-a-dias a enfrentar a porcaria que tinha conscientemente feito, mentindo aos eleitores sem uma ruga de pudor, como é seu timbre e fica bem com os fatos às riscas e na moda que enfarpelam a sua chibante xico-espertice. Enquanto Honório Novo lhe esfregava na cara lampeira as asquerosidades que tinha feito, nas suas costas, os seus parceiros de quadrilha riam-se, com velhacaria, a bandeiras despregadas. Os episódios sucedem-se, cada um mais desprezível que o anterior.

Portugal está a ser governado por esse bando de malévolos cegos, que se passeia sem rumo pelos corredores do poder defecando poucas e corruptas ideias nas leis com que vai enforcando o país, onde já só se atrevem a por um pé dentro de cápsulas de segurança.

Portugal vive em estado de calamidade económica, social e mental. Tem que se livrar dessa gente para que o ar se torne de novo respirável. Uma emergência que já disparou todos os sinais de alerta. Não há tempo a perder.

Standard
Política

Os pobres que paguem a crise ou a equidade à portuguesa

As medidas de austeridade do governo:

AUMENTO DA TSU PARA OS TRABALHADORES – 11 PARA 18% (+7 %)

REDUÇÃO DA TSU PARA EMPRESAS – 23,75% PARA 18% (-5,75%)

AUMENTO DAS TAXAS LIBERATÓRIAS (mais-valias bolsistas, lucros accionistas de empresas) 25 PARA 26,5% (+ 1,5 %)

Palavras para quê?

 

Standard
Política, Trabalho

Quais parceiros sociais?

Passos reuniu-se com os parceiros sociais, leu-se por estes dias nos jornais. No segundo parágrafo da notícia, não em todas, lá vem a clarificação do que se passou: reuniu-se com os parceiros sociais que assinaram o acordo de concertação.

Triste conceção do que são os parceiros sociais a de quem governa o país. Reunir com os representantes das estruturas patronais e de uma pequena central sindical e excluir a maior e mais representativa confederação sindical portuguesa de um encontro de tão grande importância é, além de uma deficiente visão do que é a democracia, um insulto a centenas de milhares de trabalhadores que confiam nos sindicatos da CGTP para os representar.

Passos não convidou a CGTP, mas verá os trabalhadores que a Intersindical representa “entrar-lhe pela porta dentro” no próximo dia 29, quando aqueles que não acha dignos de serem recebidos na residência oficial do primeiro ministro vierem para a rua explicar-lhe que, em Portugal, só existe uma verdadeira central sindical.

Standard
economia, Política

Com o Coelho as crianças andam sempre ao colo

Com as medidas de austeridade anunciadas e com a nova distribuição de sacrifícios por todos «…a Sonae deve poupar, só no próximo ano, 20 milhões de euros. 
A EDP vai pagar menos 10 milhões à Segurança Social e, na banca, o BCP vai poupar cerca de 19 milhões.
O estudo do banco de investimento revela ainda que a Jerónimo Martins vai poupar quase 9 milhões, enquanto a a Mota-Engil vai poupar 5 milhões com a redução da TSU.
A Portugal Telecom e o BPI vão pagar menos 7 milhões de euros cada um».

Standard