Notícias da Praça

Paços do Concelho de Setúbal- IGESPAR chumba classificação de interesse público do imóvel

A proposta da Câmara de Setúbal ao IGESPAR de classificar o edifício dos Paços do Concelho como monumento de interesse público foi rejeitada. Isto porque, segundo o instituto, após o incêndio de 1910, o imóvel foi reconstruído fora dos parâmetros exigidos. Por sua vez, o edifício da Segurança Social, à beira-mar, está no bom caminho e deverá ser merecer parecer positivo.

Florindo Cardoso

O director do Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (IGESPAR), Elísio Summavielle decidiu proceder ao arquivamento do procedimento de classificação do edifício dos Paços do Concelho de Setúbal, na freguesia de São Julião, como monumento de interesse público. A decisão foi publicada no Diário da República de anteontem.

“Nos termos do n.º 1 do artigo 24.º do decreto-lei n.º 309/2009, de 23 de Outubro, faço público que, por meu despacho de 7 de Dezembro de 2011, exarado, nos termos do artigo 23.º do mesmo decreto-lei, sobre parecer aprovado em reunião da secção do Património Arquitectónico e Arqueológico do Conselho Nacional de Cultura de 23 de Novembro de 2011, determinei o arquivamento do procedimento administrativo relativo à classificação do edifício dos Paços do Concelho de Setúbal, freguesia de São Julião, concelho e distrito de Setúbal” refere na nota publicada no Diário da República.

Elísio Summavielle justifica que a sua decisão teve como fundamento “o facto de apesar do edifício da Câmara Municipal de Setúbal ter uma história bem documentada desde o século XV/XVI até à actualidade, após o incêndio de 1910, ter sido totalmente reconstruído fora do âmbito do que, nos dias de hoje, se entende por recuperação arquitectónica”.

O responsável afirma que a partir desta data, o imóvel dos Paços do Concelho de Setúbal “deixa de estar em vias de classificação, deixando igualmente de ter uma zona de protecção de 50 metros a contar dos seus limites externos”.

De salientar que esta tomada de posição é passível de reclamação ou recurso tutelar do acto, conforme previsto no n.º 3 do artigo 24.º do Decreto –Lei n.º 309/2009, de 23 de Outubro. Aliás, poderão os interessados avançar para a impugnação contenciosa.

O IGESPAR analisou ainda o projecto relativo à classificação como monumento de interesse público do edifício do Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social de Setúbal, também na freguesia de São Julião, e a fixação da respectiva zona especial de protecção.

Neste caso, Elísio Summavielle, com base no parecer da Secção do património Arquitetónico e Arqueológico do Conselho Nacional de Cultura, vai propôr ao secretário de Estado da Cultura, a classificação como Monumento de Interesse Público do Edifício, sito na praça da República, rua Cláudio Lagrange e rua Regimento de Infantaria 11, bem como a fixação da respectiva zona especial de protecção.

O processo administrativo original está disponível para consulta pública durante um prazo de trinta dias.

FONTE: Jornal “O Setubalense” – 16 de março de 2012

____________________________________________________________________

Paços do Concelho em vias de classificação

O edifício dos Paços do Concelho consta da lista de Imóveis em Vias de Classificação do IGESPAR – Instituto de Gestão do Património Arquitetónico e Arqueológico, de acordo com anúncio publicado recentemente em Diário da República.

Até à divulgação final da classificação, que pode incidir numa das três tipologias de interesse – nacional, público ou municipal –, o imóvel passa a integrar uma zona geral de proteção com 50 metros, imposição determinada através da Lei de Bases da Política e do Regime de Proteção e Valorização do Património Cultural.

Os edifícios localizados na zona geral de proteção, área estabelecida a partir dos limites externos dos Paços do Concelho, ficam ao abrigo das disposições legais em vigor, que determinam, entre outras, o dever de comunicação de situações de perigo que ameacem ou possam afetar o seu interesse como bem cultural e o pedido de autorização de obras e intervenções nos bens imóveis.

A abertura do procedimento administrativo de classificação por parte do IGESPAR resulta de uma proposta apresentada pela Câmara Municipal de Setúbal que teve em consideração a relevância histórica, arquitetónica e artística deste exemplar de arquitetura pública.

O valor simbólico-funcional do imóvel, adquirido na estrutura sociocultural setubalense ao longo dos anos, fator que reforça as características de antiguidade, autenticidade, originalidade, singularidade e de exemplaridade, foi outro dos fundamentos tidos em conta pelo IGESPAR.

FONTE: Divisão de Comunicação da Câmara Municipal de Setúbal

Comente aqui. Os comentários são moderados por opção dos editores do blogue.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s