Geral

Reencontros… doces.

Há semanas que duram….e duram… e as saudades apertam, tiram-nos a vontade de comer, de dormir…

Naquela sexta-feira, ao final da tarde, foi com alegria, apesar de cansado, que tomei o comboio que me havia de trazer para casa, depois de uma ausência que nunca mais tinha fim. Muitos dos passageiros traziam espelhado na cara a mesma euforia, a mesma pressa de chegar, e nem a falta de lugares disponíveis para todos foi impedimento para a festa que eu já pressentia estar para acontecer…

Ela, para surpresa minha, foi esperar-me à estação do Pinhal Novo.

Avistámo-nos, um ao outro, quando o comboio abrandou ao dar entrada na gare e ela correu, como se de uma atleta de fundo se tratasse, ao longo da plataforma, a mover os lábios, dizendo coisas que eu não ouvia nem entendia e, no entanto, eu ria de felicidade.

Nada na minha vida foi tão doce como aquele momento em que, ao apear-me, caí nos braços dela.

Advertisements
Standard

Comente aqui. Os comentários são moderados por opção dos editores do blogue.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s