Geral, Guerra, Internacional

A guerra que nos espreita

ImageHoje, dia em que se realizou uma manifestação frente à embaixada de Israel em Lisboa, de solidariedade com a Palestina contra a agressão na faixa de Gaza, inserimos este sarcástico cartoon, publicado no The Independent, de 19 de Novembro, e que antecedia um excelente artigo de Yasmi Alibhai-Brown, intitulado Don´t forget Britain’s betrayal of Palestine,  na sequência de outro excelente artigo de Robert Fisk, provavelmente o jornalista mais bem informado sobre as questões do Médio-Oriente, As Israel and Hamas open the “gates of hell” in Gaza. Por cá a informação é o que sabemos, com a excepção de José Goulão no Diario.Info.

Sem esquecer o Holocausto, mas não esquecendo os milhões de não judeus igualmente mortos nos campos de concentração nazis, devemos condenar veementemente o sionismo que tem inegáveis traços fascizantes que se tentam travestir e esconder debaixo do enorme tapete das perseguições milenares aos judeus, que tiveram a sua expressão industrial nas camaras de gás hitlerianas.

Israel vive confortavelmente com a imagem fraudulenta de um milagre económico  adubado por biliões de milhões de dólares  e falsamente atribuído aos sacrifícios e  talentos de um povo eleito, cercado e perseguido por árabes sanguinários que têm o desplante de quer voltar para os territórios de onde foram brutalmente desalojados para que o povo ungido por Deus aí se instalasse, acalantado pela má-consciência ocidental. Com o beneplácito do Ocidente em geral e dos EUA em particular, organizaram um poderoso exército e são uma das potências nucleares mundiais. Não satisfeitos com o território que lhes foi ofertado com o sofrimento de centenas de milhares de árabe,  continuam a expandi-lo com uma criminosa política de colonatos. Controlam com mão de ferro esse bem muito escasso por aquelas paragens, a água. Continuam a viver à sombra do Holocausto que transformaram num rentável negócio.

Contam com apoios espúrios como o de Obama, recém-eleito para o exercício de um segundo mandato e que, para justificar o Prémio Nobel da Paz que lhe foi concedido em 2009, tem poupado a vida a dois perus por ano, no Dia de Acção de Graças. Já beneficiaram do perdão presidencial, oito perus! Um fartote para quem anda a matar selectivamente utilizando aviões não tripulados, apoia Israel em todas as suas agressões utilizando força militar brutal e desproporcionada. Obama que é uma ameaça à paz mundial, como se tem visto no Médio Oriente, por interpostos protagonistas, com Israel na linha da frente. Este assalto a Gaza, prefigura o ensaio a um ataque ao Irão.

A hipocrisia e o cinismo imperam! Nos últimos tempos é bem visível que tanto Israel como a Al-Qaeda, são objectivamente aliados dos EUA na luta pela preservação do império. Um de longa data e desde sempre, outro recente mas igualmente muito activo, como se está a ver na Síria, isto sem olvidar que o regime de Assad é autoritário e brutal, como quase todos dessa região, a começar pelos fieis amigos da Arábia Saudita. Só que a maioria dos massacres atribuídos às forças do regime tem sido perpetrados pelos radicais islâmicos e mercenários de várias origens a que enfaticamente chamam exército de libertação sírio. Tudo isto são passos na direcção de uma 3ª Guerra Mundial que tem alvos bem definidos e que nos ameaça. Fazer do mundo uma Gaza não é coisa que não entre nas conjecturas estratégicas do império. Pela paz devemos estar sempre mobilizados. Hoje contra a agressão sionista a Gaza, amanhã por qualquer outro motivo que a faça perigar . A guerra ronda-nos! Estejamos atentos e actuantes!

Standard
Geral

Um Primeiro Passo

Pela primeira vez, um barco israelita foi bloqueado e a sua carga não descarregada!

Ontem, cerca de um milhar de activistas sindicais do ILWU (sigla inglesa da organização sindical internacional dos trabalhadores portuários) e de várias associações cívicas, nomeadamente ANSWER (si. actue agora para parar a guerra e acabar com o racismo), USLAW (si. Trabalhadores dos Estados-Unidos contra a guerra) e Secção Sindical do Comité Paz e Justiça, constituíram um piquete para não deixar entrar os estivadores que iriam proceder à descarga dos contentores da companhia de navegação israelita ZIM Israel. Os estivadores, ligados à ILWU, argumentaram que não podiam trabalhar por estar em perigo a sua saúde e segurança, disposição inscrita no seu contrato de trabalho.
Um juiz, chamado de urgência para dirimir a acção, sentenciou a favor do sindicato considerando que a situação era insegura para os trabalhadores que pretendessem entrar no cais. A decisão foi saudada com Vivas à Palestina.
Um porta-voz dos activistas declarou :” Isto é um dia histórico, Nunca antes um barco israelita tinha sido bloqueado nos Estados-Unidos.”
A ILWU tem um longo historial de solidariedade com os povos em luta. Uma das suas acções mais conhecidas decorreu em 1984, quando os estivadores seus filiados não descarregaram um navio da União Sul-Africana., obrigando-o a voltar ao porto de origem, apoiando a causa anti-apartheid

A acção de ontem em Oakland, o porto da baía de S.Francisco que é o sexto maior porto norte-americano, é o primeiro de vários protestos previstos  e que têm por próximos cenários a Noruega, a Suécia e a África do Sul, um rastilho a atear por todo o mundo.
Um primeiro golpe na impunidade de que os estado sionista de Israel tem gozado, escondendo-se atrás do biombo das perseguições de que os judeus foram vítimas durante séculos, para agora  se tornar num odioso carrasco.

Standard
Geral

Horror! Horror!

Horror! Horror! clamava o coronel Kurtz ( Marlon Brando) no Apocalipse Now.

Horror! Horror! Dizemos  nós, estupefactos perante o poderoso armamento que ia a bordo do Marvi Marmara, que a heróica marinha israelita tomou de assalto matando dezanove perigosos activistas dos direitos humanos, alguns com tiros à queima-roupa como a autópsia comprovou. O vídeo que Israel apresenta para desmontar “ um ataque de hipocrisia internacional”, como disse o primeiro-ministro israelita Benjamin Netayahu, é a evidência da brutalidade, da irracionalidade, da grande mentira que é é o sionismo. Maior descaramento não é possível, mas é o traço de união entre todos os apoiantes do Estado de Israel que, em todo o mundo, fazem lobby pela sua criminosa política. Um insulto a todo o mundo,  em particular aos judeus e à memória das perseguições que sofreram ao longo dos séculos.

Olhando para este vídeo vê-se bem como o povo eleito por Deus, estava em perigo! A nação israelita, apesar do seu arsenal que inclui bombas atómicas, poderia não sobreviver às facas de cozinha, aos x-actos, a toda aquela parafernália bélica. Heróicos e valorosos soldados hebreus que destemidamente enfrentaram grupo tão fortemente armado! Faz bem Obama em considerar prematuro condenar já Israel e conseguir que o Conselho de Segurança da ONU peça um inquérito pormenorizado. Isso está em linha com as intervenções dos Estados Unidos naquela instância. Ainda nos lembramos do ar sério de Colin Powell apresentando mapas e fotos aéreas muito detalhadas, mostrando onde no Iraque estavam armazenadas e onde eram fabricadas armas de destruição maciça.

O cinismo e a hipocrisia não estão para onde Netayahu aponta! Alguém, sério e honesto, pode ver alguma diferença entre o ataque do exército israelita ao comboio de navios com ajuda humanitária e os execrados piratas somalis? Como diz Robert Fisk, no Independent, os líderes ocidentais são cobardes de mais para salvar vidas. Fazem declarações de profundo pesar e consternação, fecham-se nas suas luxuosas casas de banho para lavarem as mãos e as consciências, longe dos olhares do mundo. O cúmulo da desonra é, passado todos estes dias, a Casa Branca publicar um comunicado em que diz ”estar a trabalhar para perceber as circunstâncias da tragédia”. Não há um pingo de vergonha nesta cáfila de mordomos, encabeçada por Obama, ao serviço de interesses que não são os da humanidade. Que sempre olharam para o lado quando Israel matava árabes. Agora que os sionistas, confiantes nas aprovações implícitas que lhes eram concedidas a cada passo da sua escalada contra os direitos humanos no Médio-Oriente, começam a matar europeus ( os turcos são europeus e são um dos importantes pilares da Nato ) embrulham-se em declarações que fazem corar de inveja os tartufos históricos, apesar de estar em causa um seu importante aliado!

Há que acabar com este estado de coisas! O problema não se confina a Israel é um problema da paz e segurança mundial! Esta é uma das peças desse gigantesco puzzle!

Standard
Política

Guerras Santas


Última hora nos jornais:

“Uma frota pró-palestiniana que transporta ajuda humanitária para Gaza foi atacada por forças israelitas.

Pelo menos 19 pessoas morreram e 26 ficaram feridas durante o ataque dos comandos israelitas contra um conjunto de seis barcos que seguiam para Gaza, segundo a cadeia 10 da televisão israelita, entre a qual se encontrava um navio turco.

Os barcos transportavam cerca de 750 pessoas de 60 nacionalidades e perto de 10 000 toneladas de ajuda humanitária.

A rádio pública israelita anunciou hoje que a censura militar proibiu a divulgação de qualquer informação sobre os mortos e os feridos transferidos para hospitais de Israel após o ataque à frota palestiniana a caminho de Gaza. Indicou que dispõe de informações sobre a transferência de feridos para pelo menos um hospital israelita sem revelar mais pormenores.

Vários estabelecimentos hospitalares receberam ordem das autoridades para se prepararem para receber feridos.

A Turquia convocou o embaixador israelita em Ancara após o raid israelita, anunciou um diplomata.

“O embaixador (Gabby Levi) foi convocado para o ministério dos Negócios estrangeiros. Vamos transmitir a nossa reacção nos termos mais firmes”

Israel, o poder sionista presente em diversos partidos, continua a actuar impunemente para lá de qualquer lei internacional, perante a passividade do mundo. Usa e abusa da mais descarada demagogia, colando o selo de anti-judeu a quem ouse denunciar os crimes contra a humanidade que os sionistas, desde a criação do estado de Israel, cometem. Utilizando a técnica da vitimização pelos crimes que contra os judeus foram praticados, em particular pelos nazis e que culminaram no Holocausto, os sionistas atacam quem critica as suas práticas brutais, violando todos os direitos humanos.

Com desfaçatez cínica, fazem do Holocausto um enorme e rentável negócio e um argumento que justifica as mais bárbaras atrocidades.

Utilizam um bem montado aparelho de propaganda e lobby que mascara tudo a começar pela ficção do milagre económico israelita adubado por biliões de milhões de dólares, que custam muito caro aos contribuintes norte-americanos, em nome de uma aliança militar estratégica, e tem tentáculos em quase todo o mundo.

A história não se repete mas entre a situação actual dos palestinianos sob a repressão sionista e dos judeus sujeitos à brutalidade nazi os paralelos são chocantes!

A HISTORIA VOLTA A REPETIR-SE-MAL

Standard