Política

UM PAÍS SEM VERGONHA NEM DIGNIDADE

Selo de Apoio e Solidariedade com os Presos Políticos desenho Eduardo Nery / edição Partido Comunista Português

Amanhã Portugal devia acordar corado pela mais intensa vergonha.

Margarida Fonseca Santos, autora, Carlos Fragateiro e José Manuel Castanheira, ex-directores do Teatro Nacional D. Maria II, vão a julgamento acusados pelos sobrinhos de Silva Pais, pelo crime de difamação e ofensa da memória de pessoa falecida por, no entender da acusação terem denegrido a imagem do último director da PIDE/DGS, com a adaptação teatral que foi feita do livro “A Filha Rebelde”.

Mais uma inominável vergonha nacional!

Depois do 25 de Abril a maioria dos torcionários da PIDE/DGS saíram em liberdade sem uma arranhadela. Os envolvidos em casos mais mediáticos, casos dos assassinatos de José Dias Coelho e Humberto Delgado, apanharam penas levíssimas ou deixaram-nos fugir para o estrangeiro. Pelo caminho ficaram centenas de mortos, milhares de torturados e de presos anos e anos sem saberem quando iriam viver a liberdade possível. Milhares de deportados e exilados.

Depois do 25 de Abril, nos (poucos) julgamentos da pandilha de verdugos, muitas vezes quem era verbalmente maltratado eram as vítimas, para gáudio da escumalha.

A ignomínia foi tal que Cavaco Silva, primeiro-ministro, recusou a reforma por serviços relevantes a Salgueiro Maia, capitão de Abril que cercou e deteve Marcelo Caetano no quartel do Carmo, concedendo-a a dois ex-inspectores da PIDE/DGS. Só por esse acto a sua carreira política num país que tivesse uma gota de dignidade tinha ficado definitivamente acabada! Assim, foi para casa tecer a renda de bilros que acabou por o levar ao cadeiral de Belém, enquanto se entretinha a comprar acções da SLN e do BPN ao seu amigo Oliveira Costa!

Com este passado que humilha a Revolução dos Cravos, não admira que os sobrinhos de Silva Pais, o último director da PIDE/DGS que durante doze anos exerceu zelosamente o seu cargo de torcionário-mor, supervisionando torturas, assassinatos, prisões, venham defender o bom nome do canalha, como isso fosse sequer possível.

País de servos com alma de escravos! País de gente sem coluna vertebral!

Ainda se admiram que votem, maioritariamente, em quem votam!!!

Standard