Geral

A Persistência da Cassete

acasseteFrancisco Seixas da Costa mantém um blogue, genérico nos temas que versa, que se lê com interesse.

Cruzamo-nos algumas vezes. Amigos meus, muito próximos, alguns desaparecidos, entre outros Bartolomeu Cid dos Santos, Fernanda Paixão dos Santos, Pedro Pedreira, incluem-se na sua vastíssima roda de amizades.

Frequento, com bastante irregularidade, o seu blogue em acordo variável com as opiniões que emite. Em franco desacordo com o que escreve quando se refere ao meu partido, o Partido Comunista Português, onde somos todos desumanos no dizer de um dos seus seguidores, o que não mereceu contradita do autor do “post” pelo que, com propriedade, deduzo que considera ajustado tal epíteto, em linha com o conteúdo do texto que provocou a dita observação. Um “post” em que a pretexto da morte de Francisco Canais Rocha, declara: “Nunca na minha vida consegui condenar alguém que, sob tortura, tivesse “falado”. Sei lá como me portaria se tivesse de suportar idênticas circunstâncias! Tenho amigos que “falaram” e outros que “não falaram” na cadeia. Não tenho menor ou mais apreço por eles, por essa razão. Acho assim miserável que o PCP nunca tivesse reabilitado este seu antigo militante. Um partido também se mede pela sua humanidade.”

Também eu nunca condenei ninguém por ter “falado” na cadeia. Quem está submetido a selváticas torturas só se estiver disposto a morrer as pode suportar até ao extremo limite. São muitos os camaradas que heroicamente ultrapassaram as violências inomináveis a que foram sujeitos. Sem essa determinação, num exemplo abstracto mas real, quem suporte a ferocidade de dez dias de tortura de sono, estátua, agressões físicas e psicológicas, chegue ao fim desse tempo resistindo, até aos verdugos desistirem, fica sem saber se na hora seguinte, na meia hora seguinte, no quarto de hora seguinte, a sua resistência não seria quebrada. Iria, numa fracção de segundo, do Capitólio para a Rocha Trapeia. Por isso, nunca condenei ninguém que “falou”, para usar a gíria em uso. Os limites da resistência humana são infinitos mas sempre desconhecidos. Honra para quem, em nenhuma circunstância, falou ou falaria, por terem a determinação que referi.

Esclarecido este ponto considero que Seixas da Costa deveria cuidar melhor do que afirma. São muitos os militantes do PCP que “falaram” e que, depois do 25 de Abril, voltaram a militar activamente no seu Partido. São muitos os militantes do PCP que “falaram”, e estão hoje no PCP, de militantes de base a dirigentes, mesmo no Comité Central, ou que foram deputados tanto na Assembleia da República como no Parlamento Europeu. São hoje bastante menos do que foram depois do 25 de Abril. Menos, unicamente pela lei da vida. Estas evidências arrasam a acusação de o PCP ter “ausência de humanidade”. O PCP diferencia-se de outros partidos onde o rancor mesquinho, de alguns dos seus mais altos dirigentes, atira à mínima divergência sem hesitações para o inferno alguns dos seus companheiros, mesmo os mais próximos, até íntimos. Seixas da Costa deveria informar-se melhor antes de incorrer em erros e emitir juízos que põem em causa a sua credibilidade.

Ao ler outros “posts” poderemos concluir que há um objectivo, mais geral. O de demonstrar, por fás e nefas, a impossibilidade de um acordo de esquerda por culpa do PCP.

Num “post” mais recente, a pretexto de um artigo do Avante! sobre a queda do Muro de Berlim, é delicioso assistir ao alinhamento do texto que vai de um paternalismo à beira da abjecção que embrulha em ternura por uns supostos saudosos de um passado próximo e por um “ PCP (que é) hoje um museu de si próprio, que deve ser conservado com todo o cuidado que sempre deve ser concedido às espécies em extinção” para concluir “que (é) um partido a quem tenho, como muitos portugueses, uma eterna dívida de gratidão pela sua inigualável e sacrificada luta para derrubar a ditadura”. Continuar a ler

Standard
Política

FÁBULA PASCAL – 2ª edição revista e aumentada

Os três da vida airada, cocó, ranheta e facada, estão hoje e amanhã de papo para o ar nos seus hotéis de luxo, intervalando nas malfeitorias que irão reiniciar mal o senhor ressuscite para ascender aos céus, abençoando aquela gente que finge produzir qualquer coisa de jeito a trabalhar afincadamente, prescindindo da tolerância de ponto e andando num virote na 6ª feira santa, para gáudio de um jornalismo fedorento e políticos de filibata que logo apontaram o dedo aos mandriões do costume que não querem fazer nada a não ser abocanhar essas benesses.

Este é um tempo de fingimentos e para fingirem mal e porcamente que trabalham à séria, os super merceeiros querem acabar já com o próximo 1ºde Maio, esse dia amaldiçoado, os banqueiros arrotam postas de pescada à mesa do orçamento para não se ouvir o farfalhar dos milhões nos seus bolsos a abarrotar, os três da vida airada fingem transpirar abundantemente a copiar as receitas que já estavam escritas ainda eles não eram nascidos, os coelhos passam pelas gateiras de portas carunchosas para tasquinhar relvas intragáveis, os sócrates debitam sentenças que fazem o borda-d’água corar de inveja, o cavalo de pau passeia nos jardins de belém relinchando em surdina, os velhadas do restelo babam manifestos de boas intenções de que o inferno está cheio, as bruxas lêem o futuro nas sondagens adivinhando que tudo irá de mal a pior se isto continuar assim, um tonto que apareceu no vinte de abril a dizer disparates perdeu o pouco do norte que ainda tinha, os morangos com açúcar continuam a sua saga foleira, o país é cada vez mais uma lixeira de parvoidades e de cassandras que preconizam a inevitabilidade de apertar o cinto depois de andarem anos a dar colo e carinhos aos que termitavam o tecido produtivo enchendo-o de buracos para deixar passar a luz do sol do euro que iluminava o deserto que ia crescendo, atravessado por auto estradas que não levavam a lado nenhum.

Foram avisados e bem avisados da peste que plantavam e contaminava o país. Agora dizem que é tarde e que não há nada a fazer se não estender a mão para receber o que nos quiserem dar e por o cu a jeito para levar uns pontapés. Fazem tudo e mais alguma coisa para não perderem muitos dos privilégios que foram sacando, ano após ano, à nossa conta.

Há que agarrar na vassoura para vassourar sem dó nem piedade as teias de aranha de servidão económica e mental que prenderam trinta sete anos de liberdade.

Vai ser difícil? Vai!

Vamos viver uns anos ainda pior do que já vivemos agora? Vamos!

Não podemos desistir de fazer pela vida uma nova vida, de recuperar o orgulho de ter as mãos limpas pelo trabalho honrado e livre dessas térmitas, de fabricar o sol da canção dos amanhãs que cantam, enquanto eles grunhem chafurdando em ideias velhas e relhas.

Mãos à obra!

Standard