Internacional, Política

Um Minuto de Silêncio!

Um minuto de silêncio pelos mineiros assassinados na África do Sul!

Uma vez mais, se assiste a um massacre de trabalhadores que justamente lutavam pela melhoria das suas péssimas condições de trabalho e salários muito baixos; nesta caso, acresce que ainda haveria atraso no pagamento dos mesmos. São trabalhadores das minas de platina onde trabalham de forma dura, vivendo em barracos sem o mínimo de condições de habitabilidade, com todo o tipo de doenças que isso provoca. Nestas minas, é produzida 96% da produção de platina do país.

A violência utilizada fica demonstrada nas imagens que se podem ver na NET!

A África do Sul é um dos dez países do mundo onde a desigualdade de rendimentos é das maiores. Apresenta taxas de pobreza (48%) e de desemprego muito elevadas. No entanto, é o país mais rico de África com um PIB de 527,5 mil milhões de dólares em 2010.

Dados do Banco Mundial referem que 34% dos sul-africanos vivem com menos de dois dólares por dia. 27% da população está desempregada, sendo que 65% dos desempregados têm menos de 35 anos.

Apenas 5% dos negros conseguem chegar à Universidade. Contudo, a população negra representa 79,8% do total da população.

O salário mensal de um operário sul-africano equivale a cerca de 100 dólares, mas cerca de 79% da população vive com menos de 50 dólares por mês.

A taxa de mortalidade infantil(até aos 5 anos) é de 61, 9 por mil.

Estão de luto os mineiros, as suas famílias, os trabalhadores da África do Sul. Estão de luto todos os sul-africanos, porque está de luto a democracia, a liberdade, a igualdade, porque nos enlutece a todos os que cremos num mundo digno, onde a liberdade esteja ligada a igualidade, na qual os direitos de uns poucos não podem sobrepôr-se aos direitos da maioria, onde a liberdade de explorar o trabalho humano não seja sacrossanta e a violência se abata sobre aqueles que, apenas, lutam por trabalho e condições de vida dignas e livres para si e seus filhos.

Standard
Internacional, Política

Os Mineiros das Astúrias

Depois de várias semanas de marcha, chegaram a Madrid os mineiros das Astúrias em luta pela defesa dos seus postos de trabalho e contra o encerramento das minas.

Foram recebidos com gritos de apoio e com frases tais como: Madrid inteiro se sente mineiro! e Viva a luta da classe operária!

Os mineiros ao longo de toda a sua marcha tiveram o apoio das populações e trabalhadores das cidades, vilas e aldeias por onde foram passando( recordo que saíram a 22 de Junho).

O sector dos mineiros do  carvão acumula 42 jornadas de greve indefinida devido aos cortes nas ajudas públicas ao carvão que o Ministro da Indústria defendeu nas múltiplas reuniões havidas entre trabalhadores e empresas.

É claro que lá como cá, a desculpa dada pelo Ministro para estes cortes de verbas públicas é o da necessidade de cumprirem o défice exigido pelo FMI, BCE e CE. E lá como cá as negociatas e corrupções da Banca são premiadas com milhões de euros que os contribuintes (que são cá como lá os mesmos a pagar) terão de pagar com o empobrecimento e crescentes dificuldades de vida(lá também já há taxas moderadoras, os remédios subiram de preços, há serviços de saúde e escolas a fecharem, os salários, estão a diminuir, o desemprego é o maior da Europa e com tendência a subir, a precariedade é uma constante, etc.)

 Um viva aos corajosos e valentes mineiros das Astúrias!

Standard
Internacional, Trabalho

Submisso à Troika, o governo de Mariano Rajoy, anunciou há cerca de três semanas, o corte em 200 milhões de euros dos subsídios para o sector de carvão.

Esta decisão anuncia a destruição das minas de carvão, sector que emprega directamente 8 mil mineiros/as e indirectamente 30 mil pessoas, pondo em causa a subsistência de milhares de famílias que dependem da manutenção destes postos de trabalho, no momento em que o desemprego ultrapassou já os 25%.

Convocados pelos sindicatos da Federação da Indústria de CCOO e FITAG – UGT, os trabalhadores e as suas famílias, mobilizaram-se massivamente, ocupando os poços, erguendo barricadas nas estradas, impedindo a dominação por parte das forças de segurança que têm recorrido a várias formas violência para pôr termo à resistência dos mineiros.

Vão em marcha até Madrid os valorosos/as mineiros/as das Astúrias. Aqui, deste cantinho de Setúbal penso em vós com toda a minha solidariedade e admiração, compreendendo bem os motivos pelos quais estão em luta há semanas.

Viva a luta dos mineiros das Astúrias!

Standard