Cultura

Lucien Freud (1923-2011)

Em Londres, para onde se tinha exilado nos anos 30 escapando ao nazismo, morreu ontem à noite, aos 88 anos, Lucien Freud. É o grande renovador da arte figurativa e a sua influência é enorme em todos os pintores figurativos do século XX. Lucien Freud, pintor de retratos e nus, despe-os de todo o romantismo. Dramatiza-os, explora as suas idiossincrasias, mergulha no âmago da intimidade para contaminar a forma.

“Eu pinto pessoas. Não para mostrar como elas são, mas sim como parecem para mim. Minhas telas têm a ver com esperança, memória, sensualidade e, principalmente, envolvimento.” escreveu no catálogo da tate Museum, em 2002.

Freud, pinta retratos e o corpo humano de forma crua sem complacências, sem idealizações nem sentimentalismos. São figuras eróticas e grotescas sempre capazes de nos fascinar. Por detrás do olhar impiedoso com que retrata o mundo estava um grande artista e homem generoso.

Standard