capitalismo, Ciência, Geral

Darwin e os pimentos

PIMENTOO Instituto Europeu de Patentes cedeu à Syngenta, empresa suíça de produtos químicos e sementes, a patente do pimento sem sementes. Neste sentido, recomendo a eliminação dos pimentos da dieta mediterrânica para não agravar os encargos com a alimentação. Imaginem-se em casa a saborear uma boa caldeirada com amigos e bate-vos à porta o delegado da SPA, o representante do INPI, um agente da ASAE ou da PSP ou qualquer outra autoridade – “O senhor não pagou os direitos autorais pelo uso de pimentos nessa caldeirada. Vou ter de interromper o almoço, autuá-lo e levar comigo o tacho”.

É de génio! Façam contas. Receber royalties de todos os restaurantes e lares com fogão. Tentar registar a patente do sal marinho passa a ser o desígnio da minha vida.

Tudo isto poderia ser parte de uma obra do teatro do absurdo se não fosse dramaticamente verdade. Não se trata sequer de mais uma mutação que a engenharia genética tenha proporcionado à indústria alimentar ou de um qualquer transgénico. É uma planta proveniente de cruzamentos normais e, portanto, naturais na agricultura. Pese embora nunca façam notícia, são registados cada vez mais alimentos. O acesso à produção e, consequentemente, ao consumo de alimentos monopoliza-se. Mas já não estão em causa apenas a detenção ou a industrialização dos meios de produção, a actividade agrícola intensiva, a sobre-exploração, o abuso de químicos, ou as redes globais de distribuição e comercialização de alimentos. O capital já está a montante desses processos. As mais valias geram-se, desde logo, em insólitos e inexplicáveis direitos autorais. Além de ilegais. Uma patente, em qualquer parte do mundo, representa uma invenção. Sem ela não há registo, nem direitos de autor.

Neste contexto, como se demonstra a invenção de uma planta já existente? Como se comprova criação quando constatamos apenas diversidade biológica, resultante do processo de descendência e da adaptação gradual e selecção natural?

O interesse do capital sobrepõe-se, não só à condição humana e às necessidades da população mundial, como também a um século e meio de conhecimento científico. O registo da patente do pimento, em boa verdade, deita por terra a Teoria da Evolução das espécies que o naturalista Charles Darwin elaborou e comprovou em meados do século XIX.

Não há verdade científica que resista à infindável obsessão do modelo capitalista pelo aumento do lucro. Nem os pimentos resistem.

Standard
Geral

Moedeiros Falsos

moedeiros falsos

De um governo de moedeiros falsos já nada nos deve espantar. De facto já nada causa surpresa. Aldrabar, mentir, manipular, no vale tudo para fazer o trabalho sujo de destruir a economia do país a favor dos grandes grupos financeiros, é o dia a dia dessa gente desde o primeiro momento em que tomaram posse.

Já nada nos pode espantar mas continua a causar indignação.

O último número deste ignóbil circo foi protagonizado por Carlos Moedas, igual a si próprio, na audição do Parlamento Europeu para supostamente avaliar da sua competência como comissário para a da Investigação, Ciência e Inovação.

Competência não tem nenhuma, nem precisa de ter à semelhança de outros burocratas europeus. É uma área que lhe é completamente estranha. Dela só saberá o deve e o haver. Área em que ele, responsável máximo do governo PSD-CDS das relações com a Troika, fazia todos os trabalhos, mesmo os mais crapulosos, para ser reconhecido pelos manda-chuva do FMI, BCE, CEE.  Cortou a torto e a direito em todas as áreas, também, e muito, na ciência e investigação. Numa área em que Portugal devia investir prioritariamente para sustentar o crescimento, o que Moedas negociou com a Troika foi um desinvestimento brutal que além de destruir o que estava feito, destrói sem contemplações o futuro.

Os números não enganam. Há um corte de 40% no número de bolsas atribuídas pelo FCT. O corte em bolsas de doutoramento é superior a 50% e de pós-doutoramento de mais de 56%, comparado com o ano de 2011.

A opção pela redução do investimento em ciência, a níveis muito superiores aos da redução geral da despesa é uma opção ideológica. Parte da ideia de que o Estado não tem nenhum papel a desempenhar no desenvolvimento económico, assente numa visão de que o crescimento é apenas feito pelas empresas. O que é bem visível e transparente na sua fúria privatizadora. 

Não há ciência sem cientistas. No imediato e a médio prazo há um forte desinvestimento na ciência. A isto somam-se os cortes nos orçamentos das universidades também acima da média de redução da despesa corrente. A aposta não é na ciência, na investigação e na inovação é nos baixos salários e nos sectores tradicionais.

O governo não se pode esconder atrás da Troika. Os cortes na investigação são praticamente o dobro dos cortes na despesa corrente primária. É uma escolha política. A escolha de andar para trás na ciência e inovação, que o actual Governo fez, é clara. É o desperdício de um investimento anteriormente feito, uma perda de recursos valiosos, que vai limitar o crescimento económico futuro. Os maus resultados são imediatos mas serão ainda mais visíveis a médio prazo. Uma escolha política que devia envergonhar todo o governo, em particular Nuno Crato e Pires de Lima, com Moedas na linha da frente frente desses cortes, dessas opções..

Mas esse é o mesmo Moedas capaz de tudo para garantir o tacho. Agora, em Bruxelas, nega tudo, mesmo as próprias e evidências.

É preciso ter um infame descaramento para afirmar, sem uma ruga de vergonha, que discordou muitas vezes da política da Troika. Afirmar que a resposta política para o crescimento económico consiste no investimento na ciência e inovação. Ele que foi o responsável mais directo por todos os cortes feitos em Portugal nessas áreas.

Esses salafrários não conhecem as fronteiras da decência mais mitigada. Vivem numa tal orgia de mentiras que no dia em disserem uma verdade morrem fulminados pela má consciência de se terem traído.

Standard