António Domingues, Assembleia da República, Assunção Cristas, austeridade, Banca, capitalismo, Cavaco Silva, CDS, Comunicação Social, demagogia, Geral, GOVERNO PSD-CDS, justiça, Lobo Xavier, Luís Montenegro, Maria Luís Albuquerque, Miséria, Nuno Magalhães, Offshores, Passos Coelho, Paulo Núncio, paulo Portas, populismo

La Nave Va

barco

o barco que transporta Nosferatu no filme de Murnau

Passos Coelho vocifera empurrado pelo ciclone de dez mil milhões de euros!  Paulo Núncio tropeça em si-próprio até não conseguir negar as evidências! Paulo Portas passeia irrevogável mudez até agarrar de novo os microfones de vendilhão nos templos da comunicação social estipendiada! Assunção Cristas faz queixinhas ao Presidente da República enquanto distribui beijinhos postais aos lisboetas pedindo ideias para encher a sua vazia cabecinha! Luis Montenegro e Nuno Magalhães usam a Assembleia da República para concorrerem aos óscares dos incorruptíveis contra a droga realizando a sua remake em versão filme cómico! Lobo Xavier e António Domingues almoçam e jantam sms nas casas de banho para defesa da sua intimidade que deixam entrever abrindo e fechando a portas dos privados das administrações dos bancos onde as trocam! Maria Luís Albuquerque cala-se para guardar de Conrado o prudente silêncio! A mentira, as mentiras são despejadas, sem selecção de resíduos para reciclagem, no aterro sanitário dos erros de percepção mútua!

Uma ópera bufa que nos toma por basbaques, recuperando um grande final em que contumazes indignidades recuperam prazo de validade rebobinadas pela assunção política das falsidades, retirados os andaimes que as ocultavam. Miserável lavagem pública da imoralidade passada e repassada em todas as máquinas da comunicação social para voltar a dar crédito à miséria de alguma política e de muitos políticos.

No caso das dezenas de milhares de milhões de euros que voaram para offshores que um prestimoso secretário de estado viu mas não permitiu tornar público, o roteiro da viagem do que está em causa não é a ocultação, muito menos o azar de vir a ser objecto de tributação legal, mas o seu significado. O que é substantivo é essa acção ser parte por inteiro do norte político de um governo, as políticas de austeridade que reestruturavam a economia fazendo cortes e ajustamentos que visavam os trabalhadores, as pequenas e médias empresas, passava a ferro a classe média, todos os que eles diziam estar a viver acima das suas possibilidades, enquanto dava rédea solta aos desmandos da banca e do grande capital. Politicas em que ofertavam mais riqueza para os mais ricos a continuarem a acumular enquanto o garrote se apertava aos mais desmunidos que o viam apertar com um fisco de mão mais extensa e mais implacável, com leis laborais que faziam retroceder dezenas de anos de conquistas feitas palmo a palmo, com a degradação sistemática dos direitos sociais, económicos.

O laxismo que deixa ficar nas gavetas do secretário de estado as listas das dezenas de milhares de milhões de euros que legalmente iam estacionar em offshores não é inocente, como não o eram as listas VIP ou a indiferença em relação à fuga ilegal de dezenas de milhares de milhões de euros que só parcialmente são contabilizáveis pelos processos judiciais em curso, é a resultante directa da política do governo PSD-CDS que favorecia a acumulação da riqueza dos mais ricos e o aumento, na melhor das hipóteses, a manutenção da pobreza da esmagadora dos portugueses. A sanha com que atacam o actual governo PS, com apoio parlamentar PCP/BE/PEV, as medidas, mesmo que tímidas, de repor rendimentos a trabalhadores, pensionistas e reformados, de dar melhores condições de crédito às pequenas e médias empresas é a pedra de toque dessas políticas em que se dá liberdade quase absoluta aos que já a têm e aperta a tarraxa a todos os outros que não devem ser piegas por serem metidos na ordem de viverem conforme as suas magras possibilidades.

É repugnante ver esse teatro de sombras em que um forcado corneado pela impossibilidade de continuar nas omissões das verdades, se refugia nas tábuas das meias-mentiras, vai para o meio da arena exibindo a orelha da responsabilidade política para ser aplaudido pela turbamulta dos seus aficionados que agitam freneticamente o manto diáfano da sua mais que esburacada dignidade. São todos iguais por mais tonitruantes declarações que façam. Querem safar-se como se tudo isso tivesse sido um acidente do aparelho fiscal e o governo Passos-Portas não fosse politicamente responsável. A bardinagem, o populismo, a demagogia no seu melhor.

Um peão de brega é obrigado a saltar do barco para aliviar o lastro e o barco continuar a navegar no pântano. Enquanto houver parvos ou parvos fingidores continua acima da linha de água. La nave va, o rumo não se alterou, não se altera nem dá guinadas às quinta-feiras.

Standard
Cavaco Silva

Cavacadas banais

dn

(Imagem)

Cavaco jurou que tinha todos os cenários pós-eleitorais estudados, não havia cenário possível que a Presidência da República não tivesse analisado, só faltava que os eleitores exercessem o seu direito de voto e elegessem a nova Assembleia da República.

Cavaco vem agora dizer que, afinal, não há pressa, que ele esteve 5 meses à frente de um governo de gestão, que precisa de “recolher o máximo de informação junto daqueles que conhecem bem a realidade social, económica e financeira” do país antes de tomar uma decisão sobre a situação política.

Afinal, Cavaco, o “Génio da Banalidade”, como lhe chamou José Saramago, continua perito em dizer umas coisas que não querem dizer nada, umas tretas que navegam ao sabor dos interesses de quem representa.

O homem da estabilidade política enquanto valor absoluto faz agora de conta que não existe uma maioria de Deputados na Assembleia da República, eleitos pelo povo português, que garantem uma solução governativa estável e duradoura, ele que tudo tinha estudado e antecipado, precisa agora de ouvir toda a gente para saber que decisão tomar.

É sabido que em breve sairá da Presidência da República, só espero que com ele seja arredada de Belém a banalidade e que o voto nas Presidenciais não a reeleja.

Standard
BE, Cavaco Silva, CDS, Maioria de Esquerda, Passos Coelho, paulo Portas, PCP, PS, PSD

A Direita em Transe

cartoon de João Abel Manta

Cartoon de João Abel Manta

É um exercício curioso, bastante elucidativo, ler os opinadores e jornalistas assustados com a perspectiva e um governo de esquerda. Não os comentários trogloditas, que percorrem a pauta toda do mel ao fel, que acabam por verberar alacremente com o que consideram ser um golpe de estado. Dos vascos correia guedes aos raposos, dos avilezes aos monteiros, a bebedeira contra a hipótese de um governo PS com acordo parlamentar PCP e BE faz saltar as tampas da cabecinhas.

Não esses, mas os outros, senhores de grande ciência económico-financeira que subitamente descobrem os riscos de uma maioria de esquerda porque a recuperação das finanças públicas não foi feita, porque a previsão do crescimento económico é uma miragem, porque a banca está descapitalizada, porque a fuga de capitais se irá agravar, porque o défice afinal é superior ao previsto pelo governo PSD-CDS, porque a situação internacional piorou, porque as reformas estruturais, seja lá o que isso for, não se fizeram. O rol é extenso e quase só lhes falta dizer que afinal estávamos na bancarrota, mas por lá continuamos apesar da violenta austeridade a que Portugal foi submetido pelo governo de direita, bom aluno, mas, pelos resultados referidos por essa sumidades, aluno estúpido da troika.  Em suma, com a fúria que lhes assalta as almas contra a hipótese de um governo de maioria parlamentar de esquerda, nem se apercebem que passam um atestado de incompetência ao governo dos partidos que ficaram em minoria na Assembleia da República. A sua ira é tal que nem reparam que estão a dar razão a António Costa quando disse que nas reuniões que manteve com a coligação PaF, ia conhecendo desagradáveis surpresas. Não as elencou, mas, pela amostra da devolução da sobretaxa sobre o IRS, tão trombeteada, pela dupla Passos-Portas e seus sequazes, que, durante a campanha eleitoral, era de 50% e nos dias a seguir às eleições minguou para 3,5%, as contas públicas devem ter sido bem marteladas para construir os cenários de recuperação económica, com requintes que fariam inveja ao almirante Pontemkin.

Devem ser esses cenários construídos por pantomineiros encartados, que a voz que veio das profundezas do Poço de Boliqueime considera ser de “consolidar”, “prosseguir”, “preservar”, “não regredir”, chavões que repetiu à exaustão em nome “dos superiores interesses da nação”. O que devia causar escândalo vindo de quem vem e da seita que apoia que contumazmente violam a Constituição.

Tudo isso seria uma tragicomédia, de um género La Feria mais rasca, se não fosse extremamente grave, o que certamente irá colocar problemas acrescidos a um governo de maioria parlamentar de esquerda, além dos que vai enfrentar pelos constrangimentos impostos pelo tecno burocratas da União Europeia, mandaretes da finança internacional.

Apesar dessas evidências um governo apoiado pelos partidos de esquerda na Assebleia da República é uma urgência para um país que, durante quatro anos, foi destruído, vendido a retalho, que perdeu quqlquer dignidade. País que regrediu dezenas de anos social, política e economicamente. Há que dar a volta a essa dura realidade, a que já se conhece e a que se vai conhecer a curto prazo

Standard
Alternância, Cavaco Silva, CDS, Eleições Legislativas 2015, Galo de Barcelos, Geral, Para a Frente Portugal, Passos Coelho, paulo Portas, PS, PSD

O País Real

Pais REAL

Hoje, 5 de Outubro, Dia da implantação da República Portugal desperta com uma nova Assembleia da República onde existe uma inútil maioria de esquerda. Isto aceitando que o Partido Socialista é de esquerda contra a opinião de muitos ilustríssimos militantes e simpatizantes do PS aflitíssimos por o PS se ter esquerdizado na campanha eleitoral! Gente que se diz socialista, mas que perderam qualquer horizonte ideológico. São admiradores do trabalhismo thatcheriano do Tony Blair! O PS esquerdizou-se?Ninguém deu ou acreditou nisso, mesmo aqueles que, cheios de boa vontade e ilusões, foram dar o seu voto (in)útil ao PS para combater os traficantes de direita que nos desgovernam há quatro anos.

A comunicação social continua mercenariamente ao serviço do poder económico que os paga e compra para isso mesmo, sustentar a direita, adubar o pensamento único, nas suas variantes, das mais broncas, género José Gomes Ferreiras, Joões Césares das Neves, Migueis Tavares & Companhia, aos mais envernizados Henrique Monteiros, Carlos Andrades, Ricardos Costas SA. Explicam-nos o que é o País Real, aquele país que eles empenhadamente constroem linha a linha , imagem a imagem, comentário a comentário para que não se saía da cepa torta e o capital continue a ganhar à tripa forra!

É o País Real ! O País Real que todos os dias é fabricado pelas Teresas Guilhermes, Gouchas, Júlias Pinheiros, o sem fim de famosos que ocupam despudoradamente o território e em que decidi mergulhar fazendo zapping entre o Você na Tvi, A Querida Manhã e o Bom Dia Portugal! Como é deslumbrante ver o meu querido país a desfilar no seu máximo esplendor! Durante a tarde não perderei nem uma gota da Grande Tarde, A Tarde é Sua, A Praça e o que mais houver para acabar o dia em beleza, à noite a ver os comentários futeboleiros. Um dia em cheio para comemorar a vitória dos farsantes direitinhas que vão ser embalados nos bracinhos da múmia paralítica que habita em Belém. Estou a ficar um fã do meu Portugalito, querida Joana quando fazes um embrulho em croché desse magno ícone para o universo e arredores o colocar em altar sanitário? O Xavier subsidia-te o trabalho!!! É a koltura em marcha!!!

Vou comprar um cachecol das claques do País Real alumbrado com a elevação com que decorreu o acto eleitoral!

Vou berrar aos quatro ventos, com o auxílio do Cesariny, os seus assinalados slogans: Lá vai o povo toma lá o pé! Lá votou o povo dá cá o pé! Burgessos somos nós todos ratos e gatos, burgessos ou ainda menos!!!

DESENGANEM-SE!!! CONTRA TODAS ESTAS EVIDÊNCIAS A LUTA CONTINUA!!!

Standard
Cavaco Silva, Condecorações, Durão Barroso, Ordem do Infante, Política

O Cherne foi Medalhado

O Cherne

Meus caros amigos, perante a cena canalha do cherne medalhado, a somar às cenas canalhas a que temos assistido nas últimas décadas, façamos coro com Fernando Assis Pacheco ”No Último Tesão”(*)

(…)

merdalhem-se uns aos outros

o país mete dó

guarda o último tesão

para mandares

meia dúzia de canalhas à tábua

(*) Respiração Assistida, Fernando Assis Pacheco, Assirio e Alvim, Novembro 2003

Standard