Geral

JORGE VIEIRA, UM ARTISTA SOLAR

o TOURO na Obra de Jorge Vieira

Este ano comemora-se o centenário de Jorge Vieira, cem anos que se cumprem hoje dia 16 de Novembro.

Na história das artes visuais em Portugal Jorge Vieira é o pioneiro da arte moderna na escultura, o mais marcante escultor do séc. XX. Afirmações tão definitivas são sempre questionáveis se não fossem uma das incontornáveis certezas da arte contemporânea portuguesa.

Embora prémio de escultura na I e II Exposições de Artes Plásticas organizada pela Fundação Gulbenkian, a iniciar uma acção marcante nas artes em Portugal, Jorge Vieira não obtém bolsa da Fundação, vai para Slade School de Londres a expensas próprias durante um ano, trabalhar com Henry Moore e Reg Butler. Em 1953 participa e é um dos premiados, entre cento e quarenta concorrentes seleccionados entre os mais de 2500 que concorreram no concurso internacional para o Monumento ao Prisioneiro Político Desconhecido. Registe-se que vinte e quatro artistas portugueses, alguns de reconhecida celebridade, foram recusados.

Apesar desse êxito, durante muitos anos Jorge Vieira não foi nem respeitado nem encorajado em Portugal como deveria, uma distância entre o artista e a sua pátria em que está bem acompanhado, mas que no seu caso era mais profunda por ser homem de intransigente verticalidade, que não pactuava com a ausência de liberdade, por ela lutava das mais diversas formas com um empenhamento político que lhe valeu ser afastado do ensino e de outras instituições do Estado, não pactuava com a mediocridade, nunca deu um passo nos caminhos mais ou menos oblíquos da auto-promoção distanciando-se, até por vezes com acinte para não dar margem a qualquer dúvida, da critica de arte, dos fazedores de modas, dos mentores do mercado. Um homem dessa têmpera, só podia ser como era: um homem socialmente empenhado, um artista inquieto, atento, acutilante. Mas a isto, que por si só já é raro, Jorge Vieira acrescentava a centelha de um génio com a vibração metálica do sol, uma força telúrica, uma ironia feroz que estilhaçava o senso comum, um olhar olímpico que radio-fotografava o universo, as especiarias com que traçou um percurso ímpar.

O seu percurso, a sua obra escultórica é rara e singular. O seu real imaginário atravessa o surrealismo, o abstracionismo, o realismo e os primitivos da África Negra, dos Caldeus, dos Hititas, das Ciclades, em que se isso tudo é reconhecível tudo isso desconstrói com uma liberdade de tal modo livre na criação das formas que a sua obra é inigualável e inclassificável. Da terra cota ao ferro, das pequenas peças às de grande dimensão, como o Homem-Sol no Parque das Nações e outras em Beja, Grândola e Almada, para referir as mais conhecidas, é um imenso Olimpo de figurações, mesmo as mais abstratizantes, que celebram a vida no que ela tem de mais eterno: a ritualidade pagã da alegria de viver, o celebrar a terra na sua contínua transformação, a liberdade no que tem de mais absoluto, o mais vibrante e delicado erotismo. Essa recolha, esse cruzar de conhecimentos é transmitido pelas suas mãos inteligentes que conheciam os segredos mais íntimos dos materiais e eram movidas por uma criatividade e uma imaginação que corriam como um rio sem margens.

A representação tridimensional do corpo, tema central na obra de Jorge Vieira, tanto de corpos humanos, com destaque para a mulher, como zoológicos, com destaque para o touro, adquirem sempre novas anatomias, equilíbrios e dinâmicas extraordinárias. São pequenos e grandes deuses feitos por um homem-artista humano demasiado humano que tempestuava o quotidiano com a sua esfuziante criatividade, sempre inovador, sempre atento, sempre inigualável, que esteve sempre com o seu tempo e para lá do seu tempo a questioná-lo com intransigência artística, social e politica, abrindo as fronteiras do futuro.

–Assinalando o Centenário de Jorge Vieira em Beja no Centro de Arqueologia e Artes uma exposição sobre “O Touro na Obra de Jorge Vieira”, até março. Aproveitar para visitar o Museu Jorge Vieira instalado na antiga casa do Governador, no Castelo de Beja.

Advertisement
Standard

3 thoughts on “JORGE VIEIRA, UM ARTISTA SOLAR

  1. Pingback: JORGE VIEIRA, UM ARTISTA SOLAR — Praça do Bocage | THE DARK SIDE OF THE MOON...

  2. António Melo diz:

    Homenagem justa, texto brilhante, refletindo a solar obra do saudoso artista. Parabéns pela qualidade da foto, que, não vindo assinada, deve ser do próprio M. A. Araújo.
    Permito-me acrescentar Picasso entre as fontes inspiradoras de Jorge Vieira. Seria oportuna uma mostra no Museu do Chiado. Será possível?
    Boas recordações de Jorge Vieira e também de Saramago.
    ab

    Gostar

    • Manuel Augusto Araujo diz:

      Não, a foto não é minha e desconheço quem a realizou. Em 1995, o Museu do Chiado, na altura dirigido por Raquel Henriques da Silva, organizou uma magnífica exposição sobre a obra de Jorge Vieira com a curadoria de Pedro Lapa e a participação activa de Jorge Vieira e da sua mulher, a escultora Noémia Cruz. O catálogo dessa exposição está, já lá vão muitos anos, esgotado e o centenário do Jorge seria uma magnifica oportunidade para o reeditar. Por indesculpável lapso não referi que a exposição “O Touro na obra de Jorge Vieira, no Centro de Artes e Arqueologia de Beja, foi organizada por Raquel Henriques da Silva e Noémia Cruz que tem tido um trabalho notável na preservação e na divulgação da obra de Jorge Vieira e na dinamização do Museu Jorge Vieira em Beja, onde está o mais notável espólio da sua obra que por eles. Jorge e Noémia, foi doada à Câmara Municipal de Beja em 1995. Aproveito esta oportunidade para enviar um enorme abraço á minha muito antiga e grande amiga Noémia.

      Gostar

Comente aqui. Os comentários são moderados por opção dos editores do blogue.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s