capitalismo, Carnaval, Cultura, Dante Mantovani, fascismo, Funarte, Fundação Palmares, Geral, Olavo Carvalho, Rafael Alves, Roberto Alvim, Sérgio Camargo

O grande Circo de Bobos Brasileiros

No Brasil, o delírio fascista ultrapassa tudo o que se poderia imaginar. Anunciada estava uma guerra contra o marxismo cultural. Passaram à prática com as nomeações de Roberto Alvim, cineasta empenhado numa cruzada fundamentalista conservadora que intervenha nos caminhos da arte nacional, para Secretário Especial para a Cultura.

Aos comandos da cultura imediatamente nomeou Sérgio Camargo para presidente da Fundação Cultural Palmares, instituída pela Lei Federal nº 7.668, de 22 de Agosto de 1988 em que no artigo 1º, da Lei que a instituiu se proclamava “promover a preservação dos valores culturais, sociais e econômicos decorrentes da influência negra na formação da sociedade brasileira”. Sérgio Camargo, um negro que deveria dar que pensar aos militantes das políticas identitárias, sempre fez afirmações em todo contrárias aos princípios da Fundação: “a escravidão foi benéfica para os seus descendentes” (…) “Brasil tem racismo nutella” (…) Racismo real existe nos EUA. A negrada daqui reclama porque é imbecil e desinformada pela esquerda (…) “O Dia da Consciência Negra é uma vergonha e precisa ser combatido incansavelmente até que perca a pouca relevância que tem e desapareça do calendário”. Claro que um indivíduo desta estirpe aplaudiu o assassinato de Marielle Franco.

Com carta branca de Jair Bolsonaro que afirma que a cultura tem de estar “de acordo com a maioria da população”, Roberto Alvim continuou imparável com outras duas nomeações, Rafael Alves da Silva, que se apresenta Rafael Nogueira, para a Biblioteca Nacional e Dante Mantovani para presidente da Funarte, responsável pelo desenvolvimento de políticas públicas de fomento às artes visuais, à música, ao teatro, à dança e ao circo.

Rafael Nogueira é um convicto monárquico, “ a proclamação da República foi um golpe militar injustificável. O Brasil nunca mais se encontrou” que aderiu ao bolsonarismo “onde quer que o presidente esteja, estarei o seu governo sempre”. Alinha com o seu par da Fundação Palmares “se o reconhecimento científico de quem é branco ou preto é impossível, o reconhecimento estatístico só pode ser feito por razões de aparência de cor ou auto-identificação.” São raras as suas referências à literatura nas suas intervenções públicas e no tweeter onde é muito activo. As poucas que fez são suficientes para se traçar um perfil : ” A justificação dos crimes alheios pela pobreza, constante em nossa literatura e cinema, é uma mentira insultuosa aos pobres honrados” (…) Livros didáticos estão cheios de músicas de Caetano Veloso, Gabriel O Pensador, Legião Urbana. Depois não sabem por que está todo mundo analfabeto” diz o idiota inútil, só útil para dizimar a cultura.

Mais palavroso por isso mais rísivel é Dario Mantovani, um defensor das teorias da terra plana. Assinale-se que a figura é maestro e doutor com uma tese sobre Estudos de Linguística, apresentada na Universidade Estadual de Londrina. Qual terá sido o conteúdo da tese e quem terão sido os insignes arguentes que validaram citações do auto-intitulado filósofo Olavo de Carvalho e, provavelmente, de como a linguística se expande na terra plana.

Ouvi-lo sobre música e teorias da conspiração seria divertidíssimo, não fosse o perigo dramático do que serão as próximas políticas culturais da Funarte. Afirmar que Theodor Adorno é o mentor do dodecafonismo e dos Beatles para destruir a sociedade capitalista, que Elvis Presley era um agente soviético, que morreu por overdose !!! como eram agentes soviéticos os membros da CIA que distribuíram LSD em Woodstock tudo porque o rock fomenta o sexo, promove o aborto e abre a porta ao satanismo com a finalidade de destruir as famílias tendo por alvo a extinção do capitalismo, é um delírio que provoca mais risadas que qualquer cena dos Monty Python. Risadas que não podem fazer esquecer que é este bobo que está à frente da Funarte. Classificá-las como exóticas, como alguns fazem, é avalizar a estupidez no seu cume.

Se não pode causar admiração a nomeação de pessoas alinhadas ideologicamente para cargos no governo, porque é evidente a importância estratégica do controle ideológico da produção cultural, todo o mundo fica de boca aberta perante este rol de personagens que nem sequer ultrapassam o mínimo dos mínimos intelectualmente exigível. São discípulos de Olavo Carvalho, um palhaço que se auto-intitula filósofo e gasta o tempo com teorias latrinárias que despeja nas fedorentas caixas cranianas dos bolsonaretes.

A grande dúvida que fica neste circo brasileiro, em que desfilam estes bobos plantando um carnaval de dislates, é se tantos pascácios imbecis concentrados no sector da cultura não será táctica para tornar mais aceitáveis as basbaquices bolsadas pelo Presidente da República, família e próximos, uma corte de idiotas úteis que serve de cortina para que as fascitóides políticas económicas e sociais prossigam o seu caminho evangelicamente abençoadas.

Standard

One thought on “O grande Circo de Bobos Brasileiros

  1. António Melo diz:

    Nem visto se acredita!
    E Bolsonaro foi eleito pelo voto!
    Espero pelo sobressalto da burguesia culta, que não quis a ditadura militar.
    Mas está a demorar.
    Bela crónica

    Gostar

Comente aqui. Os comentários são moderados por opção dos editores do blogue.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s