BE, Cavaco Silva, CDS, Maioria de Esquerda, Passos Coelho, paulo Portas, PCP, PS, PSD

A Direita em Transe

cartoon de João Abel Manta

Cartoon de João Abel Manta

É um exercício curioso, bastante elucidativo, ler os opinadores e jornalistas assustados com a perspectiva e um governo de esquerda. Não os comentários trogloditas, que percorrem a pauta toda do mel ao fel, que acabam por verberar alacremente com o que consideram ser um golpe de estado. Dos vascos correia guedes aos raposos, dos avilezes aos monteiros, a bebedeira contra a hipótese de um governo PS com acordo parlamentar PCP e BE faz saltar as tampas da cabecinhas.

Não esses, mas os outros, senhores de grande ciência económico-financeira que subitamente descobrem os riscos de uma maioria de esquerda porque a recuperação das finanças públicas não foi feita, porque a previsão do crescimento económico é uma miragem, porque a banca está descapitalizada, porque a fuga de capitais se irá agravar, porque o défice afinal é superior ao previsto pelo governo PSD-CDS, porque a situação internacional piorou, porque as reformas estruturais, seja lá o que isso for, não se fizeram. O rol é extenso e quase só lhes falta dizer que afinal estávamos na bancarrota, mas por lá continuamos apesar da violenta austeridade a que Portugal foi submetido pelo governo de direita, bom aluno, mas, pelos resultados referidos por essa sumidades, aluno estúpido da troika.  Em suma, com a fúria que lhes assalta as almas contra a hipótese de um governo de maioria parlamentar de esquerda, nem se apercebem que passam um atestado de incompetência ao governo dos partidos que ficaram em minoria na Assembleia da República. A sua ira é tal que nem reparam que estão a dar razão a António Costa quando disse que nas reuniões que manteve com a coligação PaF, ia conhecendo desagradáveis surpresas. Não as elencou, mas, pela amostra da devolução da sobretaxa sobre o IRS, tão trombeteada, pela dupla Passos-Portas e seus sequazes, que, durante a campanha eleitoral, era de 50% e nos dias a seguir às eleições minguou para 3,5%, as contas públicas devem ter sido bem marteladas para construir os cenários de recuperação económica, com requintes que fariam inveja ao almirante Pontemkin.

Devem ser esses cenários construídos por pantomineiros encartados, que a voz que veio das profundezas do Poço de Boliqueime considera ser de “consolidar”, “prosseguir”, “preservar”, “não regredir”, chavões que repetiu à exaustão em nome “dos superiores interesses da nação”. O que devia causar escândalo vindo de quem vem e da seita que apoia que contumazmente violam a Constituição.

Tudo isso seria uma tragicomédia, de um género La Feria mais rasca, se não fosse extremamente grave, o que certamente irá colocar problemas acrescidos a um governo de maioria parlamentar de esquerda, além dos que vai enfrentar pelos constrangimentos impostos pelo tecno burocratas da União Europeia, mandaretes da finança internacional.

Apesar dessas evidências um governo apoiado pelos partidos de esquerda na Assebleia da República é uma urgência para um país que, durante quatro anos, foi destruído, vendido a retalho, que perdeu quqlquer dignidade. País que regrediu dezenas de anos social, política e economicamente. Há que dar a volta a essa dura realidade, a que já se conhece e a que se vai conhecer a curto prazo

Standard

Comente aqui. Os comentários são moderados por opção dos editores do blogue.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s