Geral

DEMOCRATAS TIRAM COELHOS DA CARTOLA

image

O Manifesto “Por uma Democracia de Qualidade” é o mais requentado argumentário que procura subverter o actual sistema eleitoral baseado no método de Hondt que, apesar das suas limitações, é o que garante a mais próxima realidade entre o número de deputados e o número de votos conquistados por cada partido.Isto apesar de cada deputado dos partidos mais pequenos exigir maior número de votos, o que poderia ser corrigido por um círculo nacional onde fossem contados os votos sobrantes de cada partido, os votos que não tinham eleito ninguém.
Claro que os subscritores do tal manifesto não querem saber da representação democrática, embora se afirmem preocupados com a degradação da democracia. Lendo-se o manifesto percebe-se que isso nada lhes interessa. Demagógicamente acenam com a bandeira da aproximação dos eleitores aos eleitos o que, segundo eles, se conseguiria com a introdução de círculos uninominais e a possibilidade da apresentação de candidaturas independentes dos partidos mas completamente dependentes do sistema. É abrir caminho ao populismo, ao caciquismo, Ao serviço de quê e de quem? Financiados por quem? Registe-se que os signatários muito se preocupam com o financiamento dos partidos e nada dizem sobre as contas desses candidatos cândida e puramente detergentados dos vícios dos partidos.
O que está subjacente neste manifesto é o que a direita e uma parte do PS, procura há muito tempo:perpertuar-se no poder reduzindo o jogo democrático à bipolarização.  O CDS conhecedor dos seus limites de crescimento, por mais feiras que o Paulinho percorra, por mais botas e bonés com que se mascare a defender a lavoura, por mais benesses que a comunicação social lhe conceda, veja-se a benevolência com que o  trataram quando faltou à palavra dada na crise que montou no ano passado e como lhe atribuem, esteja ele no Palácio das Necessidades,em Caracas, Nova Iorque, Sidney,  Hong-Kong, Cascais ou no Pólo Norte, o não aumento de impostos apesar e contra ele meter os pés pelas mãos quando são, directa ou indirectamente aumentados. Apesar de todos esses favores, como os votos não andam nem demandam, olha com extrema desconfiança essa revisão do sistema eleitoral.
O que é extraordinário nestes muito democráticos e bolorentos manifestantes é centrarem no sistema eleitoral a causa da decadência da democracia. Não verem, por miopia congénita ou propósitos menos claros, que o que corrói o sistema democrático representativo, qualquer que seja o sistema eleitoral que o sustente, é a crescente indiferenciação ideológica. É porque a democracia representativa deixou de ser o lugar da luta de classes por via pacífica, como os revisionistas sociais-democratas desejavam e proclamaram.  É porque os partidos tornaram-se prolongamentos e representantes de determinados interesses económicos (muito bem representados entre os 30 signatários deste manifesto) que lhes dão apoio variável, sabendo que esses partidos são uma finalidade em-si, que são uma extensão do aparelho de estado, pelo lhes interessa manter e aprofundar, se possível, a bipolarização para a luta política ter uma fachada democrática e confinar as lutas sociais aos momentos eleitorais.
A lista de subscritores deste manifesto não é inócua. É a marca de água de quem se entricheira num palavreado oco e enganador que em vez de propugnar um aprofundamento da democracia o que quer é subverte-lá, procurando perpetuar um sistema partidário semelhante ao norte-americanos, em que a indiferenciação entre esquerda e direita é uma questão de pormenor. Aliás analisando os sufrágios nos EUA, consegue-se totobolar, com margem de erro mínima, qual o partido vencedor conhecendo- se quais os seus financiadores e os quantitativos angariados. Também é conhecida a exaltação democrática que atravessa os EUA em cada votação, basta contar o número de votos expressos e comparar com o número de habitantes com capacidade eleitoral. Uma imagem assustadora e degradante da democracia, da capacidade mobilizadora da democracia.
Por cá, a comunicação social estipendiada ao serviço de grupos económicos,  mimetizando nos melhores casos uma independência que não têm, abraça com entusiasmo os signatários desse manifesto,  chegando a dizer é escrever que propõem uma revolução do sistema.
Revolucionários de pacotilha de fachada democrática,  que tiram das cartolas coelhos com mixamatose prontos a contaminar a democracia e a liberdade.

Advertisements
Standard

2 thoughts on “DEMOCRATAS TIRAM COELHOS DA CARTOLA

  1. Anita Vilar diz:

    Eles gostaria mais de coelhos com o vírus ébola…

    mas o Seguro também não se importará nada de mudar o actual sistema eleitoral e já vai dando umas dicas à direita mais reaccionária de que estará disponivel para mandar a democracia e a liberdade para as urtigas.

    Abraço

    Anita

    Gostar

    • Manuel Augusto Araujo diz:

      O Seguro e o Costa, que se saiba este ainda há mais tempo, falou nisso quando era ministro do Sócrates. A ideia já é velha. Tem várias variações com o mesmo objectivo : a bipolarização beneficiando PS e PSD. O CDS balança porque é difícil, mesmo com costura sofisticada, não ser atingido.
      A conversa é sempre a mesma, aproximar os eleitos dos eleitores, a maior mentira. Mesmo com o sistema vigente há populismo e caciquismo quanto baste. Veja-se o Isaltino, a Felgueiras ou o Mesquita Machado. O que querem é transpor isso para as legislativas.
      Entre os 30 signatários do Manifesto encontrar-se gente como o Ribeiro e Castro, Pinho Cardão, Campos e Cunha, Luís Filipe Pereira, Mira Amaral, Patrick Monteiro Barros, etc tudo gente ligada a grandes interesses económicos o que só confirma o que escrevi no texto.
      Com a cumplicidade de uma comunicação social mercenária que tem difundido a ideia de que a abstenção se deve ao descrédito e pouca capacidade de mobilização dos partidos políticos, sem nunca ou só denunciando timidamente que o descrédito se deve ao fosso, cada vez maior, entre as promessas eleitorais e as práticas governativas o que aliado à intoxicação que se promove de que as saídas para a situação em que estamos é só uma: apontar à direita e rematar à direita ou apontar à esquerda e rematar à direita.

      Gostar

Comente aqui. Os comentários são moderados por opção dos editores do blogue.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s