Setúbal

No tempo dos apara-lápis

lrg_Macroramphosus_scolopaxSubitamente as embarcações de pesca começaram a chegar aos cais de Setúbal lotadas com um estranho peixe de cor alaranjada. Em lugar das esperadas sardinhas, carapaus ou outras apreciadas espécies, as redes passaram a capturar toneladas desse peixe quase desconhecido mas a que, rapidamente, toda a gente na cidade chamou de apara-lápis.

Estávamos nos primórdios dos anos setenta do século passado e o pequeno grande mundo da pesca sadina entrou em sobressalto com as sucessivas capturas massivas de apara-lápis, que a ciência nomeou como macroramphosus scolopax.

Praticamente sem valor comercial como espécie piscícola, as toneladas capturadas tinham como melhor destino a moagem para farinha numa unidade industrial localizada na periferia da cidade, a SADOP. Mas na verdade representavam um terrível prejuízo para as companhas das embarcações que os capturavam, privadas do rendimento proporcionado pela venda de espécies com valor comercial.

Mas, assim como começou, assim acabou. Não sei precisar a duração do fenómeno mas o facto é que os cardumes de apara-lápis voltaram a desaparecer. Para sossego dos pescadores, de toda a indústria e mesmo da cidade.

O fenómeno viria a deixar registo na música popular de então. O Conjunto Típico Os Galés, pela voz de Mário Regalado, deixou registo do episódio que então marcou Setúbal, com o tema “Apara Lápis” – ouvir aqui.

PS – Os apara-lápis são peixes costeiros muito bem distribuídos pelas águas temperadas de quase todo o mundo, incluindo Portugal. Enquanto juvenis, vivem na coluna de água e alimentam-se de pequenos animais planctónicos. Nesta fase, a sua cor é prateada e torna-os menos visíveis aos olhos dos predadores. Em adultos tornam-se rosados e passam a viver perto do fundo, onde se alimentam de pequenos invertebrados. Tal como os seus parentes próximos, cavalos-marinhos e peixes-camarão, sugam as suas presas inteiras. Deveras curioso é o seu modo de nadar: na vertical e de cabeça para baixo(!). – In Oceanário de Lisboa

Standard

One thought on “No tempo dos apara-lápis

Comente aqui. Os comentários são moderados por opção dos editores do blogue.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s