Política

Alternativas e Governos Amigos

Correia de Campos, ministro da saúde de Sócrates, encarregou-se hoje de pôr água na fervura nos entusiasmos coligacionistas que nascem a cada esquina. A urgência de uma união de esquerda é real, mas não se pode adoptar uma qualquer solução a qualquer preço, em particular quando vastos sectores do PS preferem continuar a governar à direita, ainda que apelidem tal governação de políticas mais “amigas dos cidadãos”, como é hoje demonstrado em artigo de opinião no “Público” assinado pelo antigo governante.

Toda a prosa é clara na rejeição da procura de entendimentos à esquerda, o que implicaria, obviamente, a procura de plataformas políticas comuns em questões centrais, como a renegociação da dívida, o memorando de entendimento, a repartição da carga fiscal, o papel e responsabilidades do sistema bancário, a configuração que desejamos para o estado social e muitas outras matérias basilares para um entendimento entre forças de esquerda.

Correia de Campos, a quem não se nega clareza na exposição de razões e ideias, é cristalino como água da mais pura nascente quando recusa entendimentos à esquerda, em nome da centralidade política do PS, centralidade que, porém, não o inibe de defender acordos à direita.

Basta ler este pedaço de prosa extraído do artigo de hoje no “Público” para se entender bem o que se está já a preparar por aquelas bandas, que mais não é do que a redistribuição de cargos e prebendas entre os mesmos de sempre, para que tudo fique na mesma. Nem sequer me atrevo a utilizar a velha máxima das moscas que mudam, continuando a ser tudo o mesmo. Mas leiam o que diz o antigo ministro, que vale a pena:

“Seja em 2015, seja em 2014 teremos um governo para cuja chefia se alinha uma força maioritária, o PS. Os cépticos da direita dirão que será igual ao actual, com pequenas mudanças de orientação. Não é verdade. Mesmo sem sermos utópicos, será possível criar um governo melhor. Mais amigo dos cidadãos, que não lhes faça promessas incumpríveis, nem lhes minta, como se viu nos estaleiros de Viana e nos swaps. Que não se arrime a uma agenda ideológica de méritos ignorados mas destrutivos, para fazer ruir o muito que uniu os portugueses depois da conquista das liberdades, na Saúde, na Educação, na investigação e inovação, na modernização da agricultura, das infraestruturas e da formação profissional, na atracção do investimento e no apoio à cultura e à preservação do património e da natureza. Que crie empregos e valor, apoie as exportações e promova o crescimento nos sectores que demonstram inovação, combatividade e sustentabilidade. De coligação, certamente, mas com gente diferente desta que governa agora. Uma derrota da direita fará cair esta combinação actual feita de ligeireza, teimosia ideológica, incompetência e descoordenação. Verdadeiros sociais-democratas e democratas cristãos surgirão.”

Este parágrafo é a resposta que o articulista dá à questão com que abre o texto, quando pergunta se “deve o PS virar à esquerda?”. A opinião de Correia de Campos não deixa margem para dúvidas, até porque não de pode negar ao ex-governante o mérito de ser habitualmente bastante claro no que escreve. Porém, deveria o autor ter em consideração que parte de premissas erradas. A primeira é a de que a continuação das anteriores políticas, mas com mais “amizade” (resta saber o que é isso…) para os cidadãos, permita resolver alguma coisa essencial dos problemas em que estamos atolados, gerados maioritariamente por Governos de que o próprio fez parte. A segunda é pressupor que existam, no PSD e no CDS, “verdadeiros sociais-democratas e democratas cristãos” dispostos a aceitar uma agenda do PS mais “moderada”, mas com as mesmas finalidades de direita, ainda que apelidada de “mais amiga dos cidadãos”, um conceito político acabado de inventar e de que desconfio de que ainda iremos ouvir falar muito…

Finalmente, Correia de Campos erra na análise quando ignora que é à esquerda do PS que deve ser procurada a solução, com a definição de plataformas de entendimento que rompam com o fanatismo ideológico neoliberal que tomou conta este governo e que, pelos vistos, contamina muitos responsáveis do PS.

As indicações dadas por Correia de Campos reforçam a ideia de que será muito difícil ao PCP encontrar entendimentos com este PS, mais interessado na continuação das atuais políticas, ainda que embrulhadas de forma mais “amigável”. Reforçam, também, a necessidade de o PCP continuar a reforçar a sua influência política e social, ainda que existam à esquerda parceiros com quem pode ser viável estabelecer entendimentos que convirjam numa grande força de esquerda com capacidade de influenciar decisivamente o rumo dos acontecimentos. Esse espaço existe e pode ser ocupado.

Outra conclusão que se pode retirar da argumentação de Correia de Campos é a de que votar no PS será o mesmo do que dar o aval para o prosseguimento das atuais políticas, mas com protagonistas mais “amigáveis”.

Significa isto que, para derrotar a direita e a agenda neoliberal também partilhada por estes sectores do PS só há um caminho: continuar a reforçar o PCP. Não vejo outras “Alternativas”*.

*Titulo do artigo de Correia de Campos publicado hoje no “Público”

Standard

Comente aqui. Os comentários são moderados por opção dos editores do blogue.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s