autarquias, economia, Setúbal

Um forte ataque à Península de Setúbal está em curso

250px-LocalRegiaoLisboa.svgO governo enviou para o EUROSTAT, no final do ano de 2012, uma proposta com uma nova configuração das NUTS 3[1] do território português, da qual fazem parte, entre outras, a junção das duas NUTS 3 Grande Porto e Entre Douro e Vouga numa só NUTS 3, designada AMP – Área Metropolitana do Porto (fica com 16 municípios), e, também, a fusão das duas NUTS 3 Grande Lisboa (GL) e Península de Setúbal (PS) numa só NUTS 3, designada AML – Área Metropolitana de Lisboa (mantém os 18 municípios).

No caso da AML a NUTS 3 coincide e coexiste com uma NUTS 2 que tem a mesma designação.

Isso não acontece no caso nortenho porque, lá, a NUTS 3 AMP continuará a fazer parte da NUTS 2 Região Norte, juntamente com mais 7 NUTS 3 (Alto Minho, Cávado, Alto Tâmega, Douro, Terras de Trás-os-Montes, Ave e Baixo Tâmega e Sousa)

No caso do Porto há informação de que aconteceu uma forte resistência da sub-região Entre Douro e Vouga à ideia governamental, oposição que foi protagonizada pelo presidente da CM de S. João da Madeira e, simultaneamente, presidente da Associação de Municípios das Terras de Santa Maria. Este autarca, de nome Castro Almeida, foi recentemente nomeado secretário de Estado do Desenvolvimento Regional, tendo sido anteriormente secretário de Estado de Cavaco Silva, e, além disso, também já exerceu funções de gestão dos fundos comunitários na Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte. Castro Almeida, que foi um “forte” opositor interno de Passos Coelho, terá sido convencido mais tarde da “bondade” da fusão das NUTS 3.

Na região Norte houve alguma perplexidade por não ter havido reação visível contra a ideia de fusão da Grande Lisboa com a Península de Setúbal. De facto esperava-se uma forte oposição das entidades da Península contra este “apagamento” estatístico, dado o grande  valor político e simbólico negativo que encerra.

O EUROSTAT esteve a analisar a proposta feita pelo governo português e prepara-se para aprová-la em breve (talvez ainda em junho).

A ratio legis da proposta governamental quanto ao redesenho das NUTS não tem, aparentemente, apenas motivações estatísticas, porque está muito ligada ao envelope financeiro dos fundos comunitários 2014-2020 (QEC), à sua gestão aplicativa e, ainda, à “filosofia Relvas”[2] aplicada às formas de governo local, intermunicipal e regional registada na novel legislação antes referida.

O governo entende, sem que isso derive de qualquer imposição regulamentar europeia, que a cada uma das 22 novas entidades intermunicipais (20 CIM e duas áreas metropolitanas)[3] deverá corresponder uma só NUTS 3. Assim, a AMP deverá ser uma NUTS 3 tal como a AML será outra.

Mas não há, repete-se, qualquer obrigatoriedade resultante de regulamentação europeia, que aponte para um impedimento a haver duas NUTS 3 na AML. Nem nenhuma outra justificação técnica.

Aliás, se houvesse coerência na proposta governamental, a AMP seria também uma NUTS 2, destacando-se, assim, da Região Norte, tal como existe a AML. Mas isso prejudicaria muito a AMP e, por essa razão, tem sido evitada a divisão da Região Norte que Bruxelas deseja.

É bom esclarecer que essa eventual subdivisão, que faria aparecer mais uma Região desenvolvida, a da AMP, não acarretaria automaticamente uma situação prejudicial para Portugal no respeita ao montante global de fundos comunitários no período 2014-2020, porque, a Região Norte restante ficaria mais desviada da média europeia expressa em PIB/hab e, portanto, passaria a receber mais.

As taxas de cofinanciamento máximas para as “regiões desenvolvidas” serão, no período 2014 a 2020, apenas de 50 %, enquanto para as “regiões menos desenvolvidas e ultraperiféricas”[4] irá de 75 a 85 %, e será de 60 % nas “regiões em transição”[5] (Algarve).

Nas “regiões desenvolvidas” (Lisboa) prevê-se que cerca de 80% dos fundos[6] serão destinados à competitividade (SI à inovação, competitividade e apoio à exportação das empresas privadas) na forma de empréstimos e capital de risco; os 20% restantes, designadamente aqueles destinados aos municípios e outras entidades públicas e privadas, serão concentrados em temas como a reabilitação urbana das cidades, o que revestirá um perfil muito idêntico aquilo que tem sido praticado no programa Jessica. Ou seja, não serão financiamentos a “fundo perdido”, mas sim empréstimos.

Isto, para a PS, é desastroso e significa uma enorme privatização de dinheiros públicos.

Dada a enorme escassez dos recurso financeiros públicos, designadamente municipais, na proxima década, os fundos europeus revestem-se de uma importância crítica.

Há um desígnio político do governo, no sentido de “apagar” a identidade política da Península de Setúbal. E, também, uma motivação no sentido de alisar as estatísticas tapando assim a manifesta situação de divergência negativa que se tem verificado na Península nos últimos 15 anos e que as políticas públicas manifestamente não têm sabido e conseguido corrigir.

Diz-se, para combater esta ideia, que uma importante parte do valor acrescentado na GL se deve a trabalhadores que, residindo na PS, trazem consigo um fluxo financeiro devido às suas remunerações. Mas, não há dúvida que os benefícios municipais indiretos devidos ao IRC, ao IRS, e às derramas ficam na GL!

Para efeitos dos fundos disponibilizáveis no período 2014-2020, poderá dizer-se que tanto faz a PS ser uma NUTS 3 autónoma, ou fazer parte da NUTS 3 AML (que, repete-se, será simultaneamente uma NUTS 2).

De facto, em ambos os casos a situação futura será má se não houver mais fundos e, sobretudo, a possibilidade de aplicar medidas políticas de descriminação positiva da Península.

Mas, algumas das medidas de discriminação positiva passiveis de previsão na regulamentação interna de cada estado (majoração nos concursos de forma a dedicar mais verbas a uma parte específica de uma determinada região, ou contratualizações específicas), estão, à partida, muito condicionadas pelas regras “concursais” e “concorrenciais” impostas pela UE e abençoadas pelo PSD e CDS. E, depois, haveria sempre um forte impedimento intermunicipal sediado nos órgãos da AML, que, pela sua natureza, inviabilizariam esse favorecimento da PS.

Parece, ainda, que as regras europeias quanto às “ajudas de estado” (fundos europeus e fundos nacionais) não serão nem menos, nem mais, limitativas pelo facto de a PS e a GL serem uma só NUTS 3.

Neste difícil contexto não poderá deixar de se colocar, pelo menos para análise, a ideia, mais radical, mas possível no campo das hipóteses politico-administrativas, de agregar a PS a outras CIM vizinhas[7] distintas da Grande Lisboa que, assim, ficaria sendo a única NUTS 2 “região desenvolvida” do país.

Sabe-se bem que estas hipóteses encerram grandes dificuldades de natureza política e, até, de coerência com a ideia de uma regionalização metropolitana que se tem vindo a defender desde há anos.

Mas, salvo melhor opinião, não se deverá ficar cristalizado numa perspetiva idealista de uma gestão metropolitana que não se sabe quando virá. Nem sequer se algum dia se concretizará.

A enorme e prolongada crise económica e social impõe-nos, quer queiramos ou não, um quadro político muito diverso daquele que era antecipável há quinze anos.

Por estas razões seria de reponderar com carácter de urgência os custos e os benefícios para as populações, para os agentes económicos, sociais e culturais, e para os territórios, derivados das opções alternativas aqui ventiladas.


[1] NUT – Nomenclatura Comum das Unidades Territoriais Ver aqui ; NOTA: Em 11 de junho o governo informou na AR o seu recuo na matéria. Ou seja, a Península vai manter-se como NUTS 3. É um avanço com um grande significado, embora não resolva a questão de fundo: o financiamento adequado da PS no próximo período de programação financeira 2014 a 2020.

[2] Traduzida numa lei, enviada pelo PR ao Tribunal Constitucional e chumbada em determinados aspetos, com a qual se pretendia fixar um novo e diferente regime jurídico das autarquias locais; um diferente estatuto das entidades intermunicipais (CIM e AM); um novo regime jurídico da transferência de competências do Estado para as autarquias locais e para as entidades intermunicipais, assim como da delegação de competências do Estado nas autarquias locais e nas entidades intermunicipais e dos municípios nas entidades intermunicipais e nas freguesias, e, finalmente, um diferente regime jurídico do associativismo autárquico

[3] Que, de acordo com a lei reenviada a AR após chumbo do TC  serão unidades administrativas autónomas.

[4] As Regiões NUTS 2 cujo PIB per capita seja inferior a 75 % da média da UE 27.

[5] As Regiões NUTS 2 cujo PIB per capita se situe entre 75 % e 90 % do PIB médio da UE 27 com um tratamento diferenciado para regiões que sejam elegíveis ao abrigo do objetivo de Convergência em 2007-2013

[6] Prevê-se que o envelope financeiro global para o QEC (2014/2020) será de cerca de 303 milhões de euros para a AML, circulando ainda a informação, não confirmada, de que poderia ser reforçado para cerca do dobro.

[7] Duas opções se põem nesse caso: ou ligá-la a 4 dos municípios do Alentejo Litoral (excepcionando Odemira), retomando em grande parte a circunscrição Distrito de Setúbal, ou, então, estendê-la a partes coerentes do Oeste e da Lezíria do Tejo, formando um Colar Metropolitano em redor da Grande Lisboa de onde sairiam Mafra e Vila Franca de Xira para integrarem a novaNUTS 2. Já a autonomização da PS como NUTS 2, afigura-se ser pouco racional e inviável do ponto de vista dos regulamentos comunitários.

Advertisements
Standard

2 thoughts on “Um forte ataque à Península de Setúbal está em curso

  1. Anita Vilar diz:

    Grata, caro Demétrio, por este post. Ajudou-me a perceber melhor alguns aspectos do ataque cerrado à penísula de Setúbal que não se ficara´só pelos aspectos que tão bem referiu no post.
    Está em curso um ataque à PS em termos de cuidados de saúde que irá ficar muito empobrecida senão oposermos luta e resistência.
    Esão em causa dois hospitais – Setúbal e Barreiro – que vão tentar reduzir a hospitais de valências básicas, empurrando serviços, concentrando serviços, no Hospital de Almada que já não tem condições, actualmente, para dar resposta. Assim, o que se pretende é concentrar muito da assistência em Lisboa o que vai trazer consequências desastrosas e previsiveis nos cuidados de saúde.
    É um regresso a um passado de triste memória em que uns irão morrer pelo caminho, outros em longas esperas e só quem puder pagar será tratado.

    Gostar

    • Muito obrigado. Já agora informo que hoje o Ministro Maduro acabou por ter de anunciar o recuo governamental. Ou seja, a Península vai manter-se como NUTS 3. É uma vitoria com um grande significado, embora não resolva a questão de fundo: o financiamento adequado da PS no próximo período de programação financeira 2014 a 2020.

      Gostar

Comente aqui. Os comentários são moderados por opção dos editores do blogue.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s