História, PCP, Política

O que disse e escreveu Hobsbawm

HobsbawmO embaixador Cutileiro, num artigo publicado no Expresso há algumas semanas, a propósito do falecimento de Eric Hobsbawm – o historiador não morreu – diz que este se teria “recusado condenar os crimes encomendados e comandados por Estaline quando sobre eles já não havia dúvidas”, acrescentando que aquele historiador teria, numa “televisão”, afirmado que havia explicação para os 15 ou 20 milhões de mortos.

Desconhece-se, quando, como e em que circunstâncias, este brilhante e honesto historiador, teria feito as supostas afirmações televisivas.

O que é verificável, de forma incontroversa, é o que Hobsbawm deixou escrito nas suas obras, designadamente na “ Era dos Extremos” para caracterizar, a pp. 382, a figura de Estaline, responsável primeiro, tanto pela vitória na guerra patriótica, determinante para a libertação europeia do nazi-fascismo, como “pelas grandes purgas dos anos 30 que, ao contrário de formas anteriores de terror, foram dirigidas contra o próprio partido”, acrescentando, mais adiante, que entre 1934 e 1939 “4 a 5 milhões de membros e funcionários do partido foram presos por motivos políticos; e quatrocentos a quinhentos mil foram executados…”.

Hobsbawm dá, ainda, como seguro que a partir dos fins dos anos 50 “os gulags se esvaziaram”, e que “nos anos 80 tinha (a URSS) uma proporção nitidamente menor dos seus habitantes na cadeia do que os EUA”.

Não obstante as constatações históricas referidas, Hobsbawm continuou fiel, do ponto de vista intelectual, à ideia comunista até ao fim dos seus dias. E este é o verdadeiro problema do embaixador Cutileiro: o facto de o historiador ter rejeitado ser membro do clube frequentado por Jorge Semprún, Wolfang Leonhard, Albert Camus, Ignazio Silone, Arthur Koesteler, Sakharov, Havel, ou, num campeonato mais pequenino, Zita Seabra.

Judt, no “Século XX esquecido”, diz que Hobsbawm, ao excluir-se de tal companhia, se provincianizou. Mas, não consegue desmentir que ele foi o historiador “que mais sabe e que melhor escreve”.

Veicular a ideia de que ser comunista “é um problema”, como faz Cutileiro e outros, é repetir expressões que Hitler, Franco, Mussolini e Salazar não desdenhariam. Ideias fundamentais do nazi-fascismo.

Para colorir a narrativa anticomunista pega-se nuns supostos “10 a 20 milhões de mortos do estalinismo”. Há algumas destas “fontes científicas” que vão ao ponto de incluir na conspurcada contabilidade os combatentes russos caídos na segunda guerra mundial! Estamos conversados sobre o rigor e honestidade de tal propaganda.

Aliás, sem qualquer intenção de branqueamento, dizer que o rigor obriga a constatar que, entre os historiadores de vários matizes, desde que sejam intelectuais honestos, o que mais se encontra são dúvidas e incertezas sobre estes números. O que não significa que não tenham existido erros, desvios, autoritarismo, dogmatização, centralismo burocrático, sectarismo, e, também, crimes políticos condenáveis, no regime de Estaline

Mas, não é necessário ser negacionista para se continuar comunista e partidário da convicção de que o socialismo é o futuro. Ou, pelo menos, ter consciência de que o capitalismo, na sua deriva neoliberal, imperialista e securitária, está cada vez mais violento neste fim de ciclo. Veremos até onde vai chegar.

Pessoas como Cutileiro, fundamentalistas da “liberdade” do capitalismo e do império, não renegam o regime apesar de conhecerem muito bem os seus múltiplos e variados crimes, como os perpetrados no Chile, no Vietname, na Coreia, na Palestina, no Iraque, para não falar já do mccarthismo, dos prisioneiros de Guantânamo ou do “internamento” de japoneses, feito nos EUA há algumas décadas. Ou, ainda, do suporte dado a muitos e variados ditadores. E das bombas atómicas já lançadas sobre o povo japonês, bombas que os cutileiros de hoje aceitam, justificam e recomendam utilizar de novo no Irão e na Coreia.

Não estamos um concurso de ética e moral. O campeonato é outro e ainda só vai a meio. Trata-se de combater a agiotagem, o crime organizado e a exploração da vida e do trabalho humano, e do próprio planeta, e preparar a sua substituição por um outro sistema de vida e outras formas de produção e de consumo.

Embora se reconheça que, do ponto de vista da ética, do escrúpulo democrático e, ainda, na perspetiva dos valores fundamentais da humanidade, os homens e mulheres da esquerda consequente, têm mais obrigações do que os partidários da “liberdade” neoliberal.

E é por isso que tanto se fala no estalinismo. Na esperança, vã, que os comunistas, socialistas e a esquerda patriótica, desistam da sua luta.

Nota: Publicado no Sem Mais em 6 de Abril 2013

Standard

6 thoughts on “O que disse e escreveu Hobsbawm

  1. Manuel Dias Duarte diz:

    Fala-se muito dos crimes do comunismo.
    À época do estalinismo, os Estados Unidos deitavam duas bombas atómicas sobre população indefesa e a Alemanha matava em câmaras de gás e construía fornos crematórios. Não esquecer que o nazismo e o fascismo são figuras do capitalismo.
    Quando se fala de crimes do nazismo está-se a falar de crimes do capitalismo.
    Manuel Dias Duarte

    Gostar

  2. Foi uma sorte (grande) encontrá-lo por aqui para poder partilhar as suas reflexões. A última vez que o ouvi foi numa inflamada assembleia do sector intelectual do PCP (há muitos anos) e apesar da curtíssima intervenção que teve então, dadas as circunstâncias, achei-o brilhante. Desculpe mas não resisto ao prazer de dizê-lo.
    amp

    Gostar

  3. Manuel Augusto Araujo diz:

    Excelente post Demétrio
    Abre outra questão. Um debate em aberto é se o informe de Nikita Krushov ao XX Congresso, apontando a Estaline, denunciando e criticando o que havia a criticar, do modo como a crítica foi feita não apontava de facto a Lenine.Ou não acabou de facto por apontar a Lenine. As consequências, passando por cima da vulgarização do epiteto estalinista no léxico anticomunista, o que fazia imediatamente muita gente recuar e que deliberadamente confundia estalinista com comunista, foram a difusão fora do Bloco Socialista de um desvio de direita gravíssimo consumado no que se designou por eurocomunismo, chapéu de chuva difuso onde se albergaram todos os que se opunham ao princípios marxistas-leninistas de organização dos Partidos Comunistas. No Bloco Socialista a amplificação dos vícios burocráticos, o esclerosamento do debate político-ideológico, o desmoronamento do centralismo democrático, o enfraquecimento da democracia interna. Ambos com as consequências de todos conhecidas. Um debate e uma análise que ainda estará por fazer com a extensão e profundidade que se impõe.

    Gostar

  4. Caro Demétrio, apenas acrescentaria à lista de crimes do capitalismo o ainda presente escândalo de Guantánamo, onde os EUA continuam a manter prisioneiros sem culpa formada há mais de dez anos, ao abrigo de coisas como o “Patriot Act”, típicas das mais puras ditaduras. são os próprios que contam, e bem, estas histórias. http://www.newyorker.com/online/blogs/closeread/2013/03/guantanamos-hunger-strike-by-the-numbers.html

    Gostar

Comente aqui. Os comentários são moderados por opção dos editores do blogue.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s