Cultura, Geral

Dois Relâmpagos Deslumbrantes em mais uma Semana Maldita

Jjardim Botânico – Paul Klee

Há semanas assim!

No meio do caos instituído pelo (des)governo, as idas e vindas da troika, a Merkel a atribuir ao salário mínimo as culpas da brutal taxa de desemprego ( que é que ela quer? pouco a pouco chegar à escravatura? os custos de mão de obra reduzem-se ao combustível, a máquina humana tem que comer minimamente para poder continuar a produzir, uma chatice que não baixa o custo de mão de obra para zero), ouvir os dislates costumeiros dos comentadores e jornalistas e os elogios àquela que em vida foi uma besta humana. No meio deste caos, desta cacofonia, que nos invade os dias, contra o que temos que lutar, dois momentos luminosos.

Um em Sintra, onde 6ª feira, foi dado o primeiro passo para, finalmente, a obra de Bartolomeu Cid dos Santos, acompanhada pela sua preciosa colecção de artistas seus amigos, alunos e ex-alunos, um total de mais de 3600 obras de gravuras, desenhos, aguarelas e guaches, vir a ser instalada no Casino de Sintra. Uma iniciativa cultural da máxima relevância para Portugal.

A segunda, na 4ª feira, na livraria Assírio & Alvim no Chiado foi apresentado o livro de Manuel Gusmão, Pequeno Tratado das Figuras. Jorge Silva Melo leu poemas, Filomena Molder fez uma interessantíssima introdução à leitura do livro, um pequeno ensaio falado.

Manuel Gusmão é um dos grandes poetas portugueses. Estes novos poemas acrescentam mais a uma obra que é sempre mais. Andávamos à procura de um texto sobre poesia que desse o relevo devido à poesia do Manuel. Ao percorrer o blogue de António Cabrita, uma das minhas rotinas num blogue sempre a ler, encontrámos o que procurávamos. Uma citação de um magnífico livro de ensaios do poeta e ensaísta libanês Salah Stétié, Hermes Défenestré (José Corti, 1997). Era o que queria mas não conseguia dizer.

«Não se terá sem dúvida compreendido nada da poesia sem que se tenha dito, em alto e bom som, da poesia que ela é inimiga do sonho, que ela é, para dizer de outra maneira, o gato do cão do sonho e vice-versa. Sim, tão cão e gato como os outros, e enfrentam-se arreganhando o dente, tal e qual. O sonho é a tapada de caça do psicanalista e não é esse tipo de caça que o poeta persegue. O poeta, aquilo que ele quer forçar é a realidade, toda a realidade, nada mais do que a realidade e se ele tropeça no sonho, como nos calhaus do caminho, é porque o sonho, esse calhau, também ele faz parte da realidade.»

Simples, exacto, urgente. Tão exacto e rigoroso como é a poesia de Manuel Gusmão.

O livro estava ali, na minha estante, fui respigar mais duas citações que, no meu tem entender, continuam a dizer melhor do que alguma vez conseguiria dizer o que gostaria dizer sobre os poemas do Manuel Gusmão, que desde o primeiro verso do primeiro livro me deslumbram.

“A poesia são as palavras que respiram, que respiram e nos acompanham em todos os caminhos da vida. A vida esse dia mais curto da nossa respiração.”

” Não sou por uma vida resolvida na poesia. Sou por portas e janelas que se abram na poesia para que milhares de presenças revolvam a língua.”

Este novo livro de Manuel Gusmão tem, como o nome revela as figuras, as imagens das coisas no núcleo dos poemas. Ordena-se em cinco partes:

— O Caderno das Imagens – Do caderno; Da Linguagem das Árvores e do Vento

— Os Desenhos do Escultor ou Notas sobre o Trabalho da Inspiração – Um Poema em Memória de Jorge Vieira

— No Labirinto das Imagens – o que falta par serem um filme?

— Filmar o Vento

— A Pintura Corpo a Corpo – Os Corpos da Pintura de Pintores Pintados

Um maravilhamento que passa de página par página. Aqui vos deixo um poema

 

 

DA LINGUAGEM DAS ÁRVORES

E DO VENTO

 

1.

um mecanismo simples mas delicado. O sol

acende as árvores na luz e no equilíbrio dos mundos

e imprime o seu leve gesto na tua retina; em resposta

as árvores, com a sua sombra, desenham, na parede

branca, e sonham, nas tuas pálpebras descendo,

 

uma escrita oriental, levemente dançando.

2.

Esta arvore guarda a sua memória de árvore

a sombra interior das suas antepassadas, gravada

nos anéis do seu cerne c nas estrias do seu tronco,

 

distribuída ondulante pelos seus ramos, ao encontro

das tímidas tentativas das suas folhas, da antecipação

do rumor da lenha ardendo, como se

 

uma lenta abelha habitando-a, espalhasse

em volta como quem dá  a sombra

pequenos estilhaços dc madeira, fragmentos

 

dc musgo seco e bandos dc folhas prateadas.

3.

uma árvore é um anjo

um anjo lenhoso, altamente inflamável,

de alto a baixo prometido

a um incêndio que a si mesmo se combatesse

 

uma árvore é um anjo da terra

um anjo que esta sempre a enraizar-se

e a erguer-se a poder dc braços

 

Uma árvore conhece pouco

das nossas maneiras dc lutar

e morrer; por isso:

 

uma árvore é e não é um anjo

4.

Com os dedos trabalhando

rápidos como abelhas

cegas, tu olhavas e vias

as paisagens que iam dc viagem

segundo as vertiginosas metamorfoses

das nuvens contudo

majestosamente debruçadas

sobre o território sobrevoado.

5.

Na indiferente aprendizagem do convívio connosco,

estas árvores erguem-se para os céus, aos pés do

teu corpo [que se desmorona]

desmoronado. Elas repetem o teu nome no seu.

Prometem a tua morte aos longos e inusitados

ciclos da terra.

 

Guardiãs das cores e dos tons, do rumor das ramas

e da lenha ardendo, dos ciscos e das cinzas, estas

árvores memoriosas dizem na sua voz dc água

corrente-fixa: <Nós, as árvores, há muito esperamos o vento

e o tempo. Podes confiar.

Dir-lhes-emos quem foste,

a data em que nascestc e aquela em que morreste>

 

6.

Neste rigoroso inverno, hoje, o sol

solenemente secou as águas

com que a chuva lavara a triste cidade.

 

E já de noite quando avança ao longo

de uma rua com vivendas protegidas

por altos muros e camelciras acesas

 

no escuro do seu verde. Erguidas acima

desses muros, rosa e brancas, as camélias

explodem nocturnas e silenciosamente.

 

Segues, devagar, olhando essas mínimas

explosões, adivinhando a consistência

dc porcelana das suas pétalas, brancas e rosa;

 

avanças na noite propicia, dc braço dado

meu amor, com a senhora donamorte

7.

Decai co’ a tarde a luz

quando o mundo declina o anoitecer

em que adormece.

 

Caem co’ a calma as colinas breves

sobre as planícies azuis; Caem as folhas

como caiam aquelas aves que até hoje

 

caem, dc poema em poema

e nem o seu corpo se destece

quando já na página dc água navegam

Advertisements
Standard

One thought on “Dois Relâmpagos Deslumbrantes em mais uma Semana Maldita

Comente aqui. Os comentários são moderados por opção dos editores do blogue.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s