economia, Geral, Política

Vigésimos Premiados!

Image

Vender Vigésimos Premiados tornou-se agora legal e legitimado pelo inevitável Relvas. Não fosse ele um pioneiro das licenciaturas com cadeiras inexistentes que passam a ser nucleares e outras trapalhadas que ganham foros de coisas sérias. Agora descobriu em carne e osso o Oliveira da Figueira, com a novidade insuperável de ter pronúncia de Braga. A mesma que Luiz Pacheco celebrou em “O Libertino Passeia por Braga, a Idolátrica, o Seu Esplendor “, engatando e pagando a magalas para acções sexuais que não são de relatar. De qualquer modo, bem mais dignas bem mal pagas que as deste vendedor da banha da cobra que ganha a vida com expedientes e vigarices intelectuais que nos espantam como continuam a render dividendos. Espantam, mas existem. Vender Vigésimos Premiados tem compradores. É espantoso com se vendem e ainda conseguem alumbrar o Relvas, que arrasta consigo lustrosa comitiva ministerial, o que é extraordinário por o sabermos afeito a negociatas com bancos cabo-verdianos ligados a várias cenas do BPN.

O rapazelho. agora tornado embaixador, é pelo que se vê e ouve no You Tube mais apto que o já referido Oliveira da Figueira, personagem português que apareceu, já lá vão oitenta anos numa da aventuras do Tintim, ” Os Charutos do Faraó”.

“Muito gosto em conhecê-lo, senhor. E apresento-me sem mais cerimónias: posso fornecer-lhe, a preços sem concorrência, qualquer artigo de que necessite”.

Foi assim, impingindo a Tintim uma série de coisas inúteis, num pequeno barco no Mar Vermelho.  Foi nessa aventura que o herói juvenil das calças de golfe se notabilizou como o único caminhante do deserto que alguma vez usou camisola de gola alta durante o dia,

O Oliveira da Figueira continuou a vender tudo e mais alguma coisa. Até vendeu frigoríficos no Polo Norte. Nada o travava, nem travou até hoje, ressuscitado pelo Relvas para o Impulso Jovem, essa rábula governativa que promove uma política de salários baixos e emprego instável. Que faz o financiamento de empresas que empreguem jovens trabalhadores, através de contratos precários ou em regime de estágio, com mais precariedade, exploração e desemprego, uma vez que, quando acabar o financiamento, os jovens ficarão novamente no desemprego e sem direito ao subsídio de desemprego. Tudo continua podre para os lados de São Bento.

Standard

Comente aqui. Os comentários são moderados por opção dos editores do blogue.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s