Política

Refundações…

Refundação, reindustrialização, revisão constitucional. Subitamente o prefixo re tornou-se um must da política nacional.

Perante a iminência do desastre, P. Coelho tirou da cartola a “refundação” do Estado, enquanto o ministro Álvaro descobre que temos que nos “reindustrializar”. E a revisão da Constituição regressa para ser usada como alibi.

A refundação

O Governo de P. Coelho foi o “bom aluno” que chumbou no exame. Aplicou todas as prescrições da troika e ainda inventou mais algumas, mas os resultados foram desastrosos. Nem sequer o deficit acordado para este ano se salva… e para o ano prosseguirá a sangria dos rendimentos dos portugueses.

Medida atrás de medida, as opções seguidas pelo Governo só nos conduziram à recessão, ao aumento de desemprego, às falências e à dramática quebra de actividade. E com ela ao afundamento das receitas do Estado e da sua própria sustentabilidade. Como testamento destas políticas está o corte de quatro mil milhões de euros na despesa que o Governo se apresta a fazer.

Com o país a definhar eis que o Governo se prepara agora para aplicar a técnica do salame ao Estado Social: continuar a diminuir as prestações sociais, retirar (ou diminuir drasticamente) a presença do Estado na educação, na saúde e noutras áreas em que as políticas públicas são determinantes para o equilíbrio social.

Perante o afundamento do país P. Coelho proclama a necessidade de uma “refundação”. Se bem que ele não se tenha explicado, adivinhamos-lhe as intenções. Que melhor constatação do completo desaire da receita prevista no memorandum, diligentemente aplicada pelo seu governo e tornada mesmo o seu programa?

Uma “refundação” que passe pelo fim das funções redistributivas do Estado corresponderá à violação do contrato social laboriosamente tecido entre gerações de portugueses e o seu Estado. Processo, aliás, já iniciado!

Mais do que com as funções do Estado, P. Coelho e os seus ajudantes dever-se-iam preocupar em criar condições para a economia voltar crescer, renegociar as condições draconianas de financiamento que nos foram impostas, diminuir os juros e aumentar os prazos de pagamento. Só que parecem mais interessados em cumprir o papel de fiéis zeladores dos prestamistas.

Onde está o patriotismo desta gente que prefere ver o país a despenhar-se num abismo?

A reindustralização

A reindustralização é outra das boutades desta época de “refundação”. Conclui agora o ministro Álvaro que o país se precisa de industrializar. Não posso estar mais de acordo!

Portugal é dos poucos países cuja maioria da população activa quase passou directamente de ocupações no sector primário, onde avultava a agricultura, para o sector terciário do comércio e dos serviços.

A terciarização da população activa portuguesa foi um fenómeno rápido. Em 1974, 33,7% dos portugueses activos trabalhava no sector secundário, enquanto 31,4% ganhava a sua vida em actividades do comércio e serviços; em 2011 os que trabalhavam no comércio e serviços eram já 62,8%, enquanto os trabalhadores das indústrias recuavam para 27,3% da população activa.

Centremo-nos no post-25 de Abril. Os sucessivos governos que têm governado o país foram céleres a desincentivar, quando não mesmo a desmantelar, a indústria nacional – sobretudo após a adesão à então CEE. A partir de então vendeu-se a ilusão de que o futuro estava nos serviços. Os grandes empresários portugueses viram na distribuição a forma mais rápida de fazer lucros.

Como não recordar o desmantelamento da siderurgia nacional e de diversas e importantes industrias metalomecânicas de base nacional? Ou o definhamento das indústrias naval, têxtil e vidreira? Ou a dramática redução das frotas de pesca?

O ministro Álvaro tem razão. Mas é preciso ressalvar que são os mesmos os que agora querem refazer o que destruíram ao longo de décadas!

Revisão constitucional

A constituição tem sido, desde há muito, um mau alibi para sucessivas incompetências e falhanços das políticas. Mais uma vez essa carta está a ser tirada do bolso da Direita. Agora e como sempre para desviar as atenções.

Anúncios
Standard

Comente aqui. Os comentários são moderados por opção dos editores do blogue.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s