Geral

UM PAÍS ATACADO PELA SIDA

Esta gente que nos (des) governa andou de falas mansas entricheirando-se nas famosas reformas estruturais, um eufemismo que todo o mundo sabe o que significa e finge não saber, lendo-o à medida das suas conveniências. Necessárias e urgentes por causa da crise, a nacional agravada pela internacional, bradava-se em todos os sítios e mais alguns. Políticos, dos partidos do chamado arco do governativo,  comentadores enfeudados a esses partidos, mesmo os que fazem questão de proclamar a sua ( falsa ) independência. A grita era continuada e muita, para nos convencerem da sua necessidade e urgência. Um gato escondido com o rabo de fora.

Essa gente, na esteira da canalha da estirpe de um Reagan e uma Thatcher, os santos do altar do capital financeiro onde sacrificam os trabalhadores, activos e reformados, o que quer é reduzir os salários até o mínimo de subsistência ficar garantido. Sempre é necessário  manter um sopro de alento vital à massa trabalhadora e um residual poder de compra.

Agora  Passos Coelho atira para o ar uma novidade semântica: a refundação. Aproveita para continuar as malfeitorias, o OE 2013 é uma atrocidade, é a sida que vai contaminar o país, enquanto distrai as hostes que tentam decifrar o que ele quer dizer com refundação. Mais outro gato escondido, este o rabo e meio corpo de fora. O que se trata na verdade é de acabar com o Estado Social. No sábado passado, Pedro Passos Coelho garantiu que, até 2014, vai realizar uma reforma do Estado que constituirá “uma refundação do memorando de entendimento”. Antes, nas jornadas parlamentares conjuntas do PSD e do CDS-PP, tinha afirmado que essa reforma do Estado constituirá “não uma renegociação”, mas sim “uma refundação do memorando de entendimento” e “deve comprometer todos aqueles que assinaram ou negociaram o memorando de entendimento”, como é o caso do PS, essa oposição intermitente que pisca à esquerda virando à direita, com ademanes de virgem ofendida sempre que se lhe descobre a careca.

Acrescentou “isso deve ser assim porque o novo patamar” que se pretende atingir, “quer na despesa pública, quer na forma como o Estado se apresenta perante os cidadãos não deve estar circunscrito à conjuntura de qualquer Governo, embora esteja evidentemente ligado ao momento crítico que todo o país nesta altura vive, e com este Governo e com esta maioria”.

De acordo com Passos Coelho, esta “nova fasede redução da despesa através da reorganização das estruturas e funções do Estado vai ser “uma transformação para melhor e não uma compressão ou redução daquilo que existia até agora”, feita “em nome do interesse comum de todos os portugueses”.

Quem faz estas afirmações só pode ser um farsante de alto gabarito. Sabe bem que está a lixar os portugueses e quando disse isto já os estava a tramar pelas costas, conluiado com a guarda avançada da troika, com os técnicos do FMI com quem prepara cortes brutais nas funções sociais do Estado. Isso é feito não para beneficiar mas para lixar o “interesse comum de todos os portugueses”.  A troika que ele tanto bajula  “ajuda-nos” emprestando dinheiro a uma taxa média de 5,20% ( o BCE empresta milhões à banca privada a taxas de 1% ou menos!!!), destrói a nossa economia e impõe sacrifícios bárbaros! São esses os seus amigos. Esses mais os traidores de Portugal, detentores e/ou vendidos ao grande capital financeiro.

A palhaçada vai mais longe. Passos Coelho, sem se referir a nenhuma área ou função em concreto, defende que “o Estado só deve fazer aquilo que faz bem, e deve fazer muito melhor aquilo que não pode deixar de fazer”.

Para esse biltre de alto coturno o que o Estado sabe fazer muito melhor é reduzir os salários e os direitos dos trabalhadores, é esvaziar a contratação colectiva, é aumentar o exército de reserva da mão-de-obra para criar condições mais favoráveis às políticas de empobrecimento dos trabalhadores, é transferir milhões do erário público para o sector financeiro.

Numa coisa ele tem razão. É necessário refundar Portugal. Correr com essa gentalha de uma vez por todas porque, como diz  lucidamente Samir Amin,  a questão não é “sair da crise capitalista, mas sim sair do capitalismo em crise”. Esse é o núcleo duro, a pedra de toque de uma unidade de esquerda.  

Advertisements
Standard

4 thoughts on “UM PAÍS ATACADO PELA SIDA

  1. jose salavisa diz:

    Mais uma vez, tudo o que é dito, está, rigorosamente, na minha opinião, certo.
    O problema é como sair disto.É que não se vislumbra uma iniciativa, por mais pequena que seja, entre a esquerda para concentrar esforços e unir fileiras. E cada um por si, não vamos lá. É a tal falta de alternativa.Tem sido assim, desde o 25 de Abril. Isto para não recuar mais no tempo.Cada força de esquerda por si, está convicta da sua verdade, enquanto a direita vai reinando e nos vai depenando.

    Gostar

    • José Dinis diz:

      Tin-tin-por-tin-tin, o que está escrito, subscrevo. E dou os parabéns ao autor pela qualidade de escrita evidenciada, sem possibilidade de deturpação interpretativa.
      Curiosamente surge um comentário subscrito por José Salavisa, eventualmente meu colega do LNO, talvez, também, na ESSA do Estoril. Pois é meu caro, a esquerda, incluindo a maquilhada de esquerda, não pode entender-se por diferentes razões. Assim, na minha opinião, só haverá esperança de mudança, quando surgir um amplo movimento que congregue os p’ortugueses na discussão e no encontro de soluções para os múltiplos problemas, num ambiente de democracia-participativa, e com a força do prestígio grangeado, consiga impôr aos políticos a adopção das diferentes medidas democraticamente apuradas, e que imponha um sistema legal de fiscalização dos actos políticos, contra imunidades, impunidades e prescrições.

      Gostar

Comente aqui. Os comentários são moderados por opção dos editores do blogue.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s