Costumes, Cultura, Setúbal

Festa do povo do mar, Nossa Senhora do Rosário de Troia

Com o pino do Verão está de regresso uma das mais antigas e pujantes festas de pescadores de Setúbal – a Festa de Nossa Senhora do Rosário de Troia, entre 15 e 20 de Agosto. Festividade de gente do mar, mas também de todo o povo de Setúbal que se reconhece na memória (e no presente!) das gerações de homens e suas famílias que tem feito da pesca o seu modo de vida.

A festa une os dois lados do rio Sado. Setúbal, de onde é originária a comunidade piscatória que promove a festa, e Troia (concelho de Grândola), onde se encontra a capelinha que acolhe a imagem da Senhora do Rosário de Troia durante o período das festividades.

É na caldeira de Troia, bem junto aos areais que bordejam o Sado, que os festeiros se instalam, ali acampando durante as festas como é de tradição. No que é, aliás, a única ocasião em que é actualmente permitida a instalação naquela zona, ao invés do que era pratica corrente noutros tempos. Cerimónias religiosas, jogos tradicionais, bailes e arraiais incluem-se no programa. É também nos areais da caldeira que, habitualmente na manhã de domingo, decorre uma colorida procissão.

As festas remontam ao século XVI. No seu programa inclui-se ainda um desfile de embarcações engalanadas a rigor que cruzam o Sado no início e no encerramento das festas. São momentos ímpares de magia e beleza.

O regresso das embarcações engalanadas a Setúbal, escoltando a imagem da Senhora, constitui outro dos pontos altos das festividades. No percurso inclui-se habitualmente uma passagem frente à fortaleza de Santiago do Outão, que alberga um hospital ortopédico e a quem é prestada especial homenagem.

O Novo Círio de Nossa Senhora da Arrábida

Persiste em Setúbal uma outra festividade de gente do mar, no que ficam bem espelhadas as diferentes origens das suas duas comunidades piscatórias. A festa do Novo Círio de Nossa Senhora da Arrábida, promovida pela comunidade piscatória do bairro de Troino (freguesia de Nossa Senhora da Anunciada), que se realiza em Julho no místico Conventinho da Arrábida. Enquanto em Troino, na zona ocidental da cidade, se fixou gente do mar originária do Algarve, no lado nascente da urbe estabeleceram-se comunidades de origem varina, oriundas da região de Ovar e Murtosa, que promovem a Festa de Nossa Senhora do Rosário de Troia.

Cultos religiosos, mas com profundas ligações ao ciclo da natureza, estas festas representam o renovar de um ciclo. Momentos de excepção em que se celebra a união e a força da comunidade e se apela à dádiva da mãe natureza. Tempo ainda para reforçar os laços entre famílias no interior da comunidade.

É Verão, tempo de alegria e fartura! Por todo o país, as comunidades reúnem-se. É tempo para recuperar forças e preparar os novos desafios.

Também por estes dias, em Aldeia da Piedade (Azeitão), decorrem as Festas em Honra de Nossa Senhora da Conceição

Standard

Comente aqui. Os comentários são moderados por opção dos editores do blogue.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s