Internacional, Política

Grécia: Corrupção e Fuga de capitais superam valor dos cortes

Antonio Cuesta, 21.Jul.12

Na Grécia, na maioria dos casos, falar de corrupção é referir um mal endémico, idiossincrático do Estado que atravessa todas as esferas da vida pública, e graças ao que se justificam as políticas de austeridade impostas contra a generalidade da população. No entanto, raramente é argumentada contra uma classe política que perpetuou um sistema fraudulento com o qual beneficiou durante décadas, em detrimento dos cofres públicos.

O exemplo mais paradigmático da corrupção entre a classe política foi o grande negócio das Olimpíadas de Atenas em 2004. Com um orçamento oficial de 9 mil milhões de euros, os custos foram-se multiplicando até atingir um montante próximo dos 28 mil milhões euros que ninguém, até hoje, conseguiu explicar onde foram parar.

Um relatório recente publicado pelo diário Kathimerini assegura que o custo anual da corrupção na Grécia supera em valor os cortes que foram feitos em 2012 nas pensões e nos salários. De acordo com esta investigação o montante superaria os 4 mil milhões de euros por ano, a que terá de se acrescentar a vultuosa, e até agora legal, fuga de capitais.

As estimativas mais conservadoras calculam que desde a data do primeiro empréstimo em 2010, mais de 60 mil milhões de euros saíram do país na senda de bancos suíços ou paraísos fiscais, uma quantia que representa 27% do PIB grego. Quem o explica é o economista Leonidas Vatikiotis, para quem a famosa «livre circulação de capitais» significa a permissividade dos diferentes governos para uma elite financeira que, para fazer o branqueamento dos seus capitais, roubam ao país a capacidade produtiva. «Esta prática – diz o economista – deve-se a uma série de medidas e regulamentos que datam dos anos 80 e 90, e que agora é altura de rever», impondo controlos aos movimentos especulativos de capitais, como fizeram nos últimos anos a Argentina, o Brasil, a Coreia do Sul. As grandes fortunas gregas – armadores e proprietários de grandes grupos de comunicação principalmente – aproveitaram essas leis impostas por organismos como o Fundo Monetário Internacional, a OCDE, o Banco Mundial e a União Europeia para retirarem as suas fortunas com total impunidade e, além disso, evitar o pagamento de impostos.

Por último, as constantes ameaças lançadas pelas instituições financeiras internacionais de que o país poderia ver-se fora da eurozona se não cumprisse as draconianas medidas de ajuste exigidas só serviram para fomentar a evasão de capitais, calculada em 5-6 mil milhões de euros mensais, chegando ao seu ponto mais elevado no passado mês de Outubro (com a renúncia do primeiro-ministro Papandreu), que chegou a duplicar aquela quantia, de acordo com Vatikiotis.

A corrupção na administração

Esta conivência de âmbito internacional existe também a nível local, onde as empresas gregas aceitam com normalidade o pagamento de comissões ilegais a uma classe política ávida por dinheiro, e em que chegaram a estar implicadas multinacionais como a Siemens.

Para a secção grega da ONG Transparência Internacional, o volume de subornos pagos a funcionários públicos durante o passado ano superaria os 500 milhões de euros, e uma quantia idêntica refere o último relatório do Banco Mundial referente a 2010: 436 milhões de euros para «facilitar» a obtenção de permissões ou licenças, evitar inspecções fiscais, ou conseguir contratos ou concessões das diferentes administrações públicas.

O estudo feito junto de 550 firmas gregas concluiu que 21,6% delas pagavam habitualmente para conseguir acelerar a tramitação administrativa, 55,9% faziam-no para esconder problemas com a Fazenda e 14,5% das empresas sondadas asseguraram que o suborno era uma condição sine qua non para conseguir um contrato estatal.

De acordo com este estudo, as empresas destinavam em média 0,2% do seu volume de vendas para «olear» os diferentes escalões da administração e uns 0,8% como contribuição nos processos de concursos, licitações ou contratos públicos.

Um dos últimos casos descobertos, há apenas um mês, tem como protagonista o ex-ministro da Defesa do PASOK, Akis Tsojatzopulos (amigo e colaborador íntimo de Andreas Papandreu), acusado de «branqueamento de capitais procedentes de actividades ilícitas», para além de ter cobrado importantes comissões à indústria armamentista entre 1997 e 2001, com o que acumulou uma importante fortuna investida em propriedades imobiliárias.

A fraude de branqueamento de dinheiro duplicou o ano passado e os montantes descobertos pela Brigada de Delitos Financeiros indicam que cerca de 3 mil milhões de euros por ano foram utilizados para o comércio ilegal de drogas, álcool e tabaco, e ainda no contrabando de armas e combustíveis.

As quantidades evidenciam a falta de vontade política para pôr fim a uma prática que só beneficia os mais ricos e que supera amplamente o montante dos cortes sociais aplicados contra a maior parte da sociedade grega.

Este texto foi publicado em:
www.gara.net/paperezkoa/20120528/343588/es/La-corrupcion-fuga-capitales-superan-valor-recortes-Grecia
Tradução de José Paulo Gascão

E, por cá? Todos bem, muito obrigado!

Standard

Comente aqui. Os comentários são moderados por opção dos editores do blogue.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s