Geral

“Não procuro, encontro”

Ao cabo de muitos anos, finalmente o encontro acontece; abraços e sorrisos são coisas habituais entre amigos.

– Que sejas bem-vindo. Há quanto tempo – disse.

Ele está na mesma. Talvez um pouco mais pesado, alguns cabelos brancos, mas a cabeça continua “perfeita”. Só o andar é que o trai. Agora passa mais tempo sentado e, enquanto fala, quase que se transfigura, com o corpo a acompanhar numa multiplicidade de gestos, jeitos e sons que impressionam, pela sua variedade e expressividade, num movimento incessante e ritmado que cativa e prende a atenção de quem o escuta. O seu olhar também é vivo, nada condizente com a sua idade.

O seu conhecimento resulta das muitas horas que dedica à leitura. Foi sempre assim. Sempre o conheci com um livro ou um jornal debaixo do braço.[1]

Às vezes dizia-lhe:

– Qualquer dia ficas cego com tanta leitura – e ele ria-se.

Depois do almoço aproveitámos a tarde para pôr a conversa em dia.

– Esta vida tem sido uma aventura, uma prova de resistência, violenta, – afirma o Carlos. E continua:

– Uns dias mal, outros pior ainda. Ao fim e ao cabo nunca soube o que foi viver bem. A adversidade fez-me incessantemente companhia, contra a minha própria vontade. Em suma, as dificuldades sempre estiveram muito presentes. E, no entanto, não é comigo que estou preocupado. As minhas atenções estão centradas neste “silêncio aflito”, inquietante, que não augura nada de bom… apesar de continuar a acreditar na nossa gente.

– Gostava de ter essa tua crença nas pessoas – repliquei.

– Apesar das muitas decepções, continuo a acreditar. Tem de ser. Quem sabe se um dia…

– Eu não sou assim, não sou capaz de esperar por um futuro… incerto.

– Tu és é um derrotado, desculpa a franqueza.

As palavras são acutilantes, vivas, e brotam em catadupa. O Carlos prossegue:

– Sabes de quem é a culpa?

De vez em quando… bebemos, do que há, para aduzir mais energia ao corpo e à mente e para reconfortar a alma. A conversa prossegue, para lá do jantar, até à despedida.

– Marcamos um novo encontro?

– Claro, depois combina-se.

De regresso a casa, trazia o coração repleto de alegrias. O dia tinha sido maravilhoso. É bom ter amigos! E sem saber porquê, dou comigo a pensar em tudo o que foi dito. Como ele tem razão. Que vida esta! É preciso fazer qualquer coisa… claro.

Ainda recordo as últimas frases do Carlos, quando já estava de saída.

– Há mudanças que são, há muito, esperadas e bem-vindas. O importante é que não tarde!

_______________________________________

[1] Hoje é muito raro cruzarmo-nos com alguém na rua que transporte consigo um livro. O que terá acontecido? Muitas das livrarias fecharam, o que por si só pode significar algo de preocupante. Será? Das livrarias existentes muitas não passam de meros armazéns de livros escolares. Nas escolas, os autores portugueses são quase esquecidos, apesar do esforço de alguns dos professores que teimam em manter vivo o gosto e o prazer pelo conhecimento que resulta da leitura, mas só alguns aproveitam.

Anúncios
Standard

2 thoughts on ““Não procuro, encontro”

  1. Anita Vilar diz:

    Gosto do Carlos! É cá dos meus. As decepções dão-nos forças para continuar a lutar.
    Qualquer dia, um dia! Também acredito! Porque as mudanças ocorreram e continuarão a ocorrer. Viver na sociedade esclavagista grega ou romana? Não , obrigada, mas foi à custa de lutas e de uma grande mudança.

    Bem-haja, Rui, por este momento bom.

    Abraço

    Anita

    Gostar

  2. 🙂 Há quem diga que os portugueses, agora, escrevem em vez de ler… no meu caso, aplica-se às mil maravilhas… mas eu já escrevia antes de conseguir teclar numa destas maquinetas, também é verdade…
    Respondo com uma pergunta; será que os que dantes liam livros se dedicam, agora e na sua esmagadora maioria, a escrevê-los?
    Acrescento que, sempre no meu caso específico, desde que criei os meus blogs, quase não arranjo tempo para ler em suporte de papel…

    Gostar

Comente aqui. Os comentários são moderados por opção dos editores do blogue.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s