economia, Política

Contra a Voz do Dono!

A fusão do Estado com o Poder empresarial não é democracia!

Chama-se FASCISMO!

Diz o comentador lúcido e bem informado, de que colocamos no final um link.

O fascismo só se torna terrorista quando necessário. Vai exercendo outras formas repressivas e legalizando-as. Mais de uma vez o dissemos e repetimos: entre a justiça e o direito, o quadro legislativo em que nos encerram, a relação é muito ténue. O direito é SEMPRE o direito do mais forte à liberdade, os mais fracos perdem-na progressivamente se não lutarem contra as leis que os violentam!

Outra realidade que se deve relembrar sempre é que o mercado livre é uma ficção! Por detrás da mão invisível dos mercados está sempre a mão visível do Estado. Quando o Estado se demite das funções sociais e se põe ao serviço do grande capital financeiro e especulativo perde autonomia, submete-se aos ditames dos chamados mercados, esse deus ex-machina do estado actual do capitalismo monopolista. Legaliza a especulação financeira. Permite a usura e a agiotagem. Basta dar uma olhadela para os juros especulativos que os mercados impõem e, sobretudo, deixam que eles imponham! Quando se apoia a banca com mais de quatro mil milhões de euros, (a tão falada dívida grega é 12,5% desse valor!!!) como Durão Barroso revelou, a juros praticamente zero, para a banca os ir emprestar aos Estados e às empresas a juros altíssimos e insuportáveis, fica tudo explicado. Como também se explica porque é que quase ninguém fala disso. É a manipulação diária e sistemática da opinião das pessoas para que aceitem uma inaceitável realidade que não corresponde à realidade.

A maior prova que os mercados, o livre funcionamento dos mercados é uma ficção, é a história do país que aparentemente sempre defendeu a livre iniciativa e o mercado livre, os EUA. Desde a sua origem, tem um longo historial de regulação férrea dos mercado em seu benefício, impondo, se necessário pela força, a liberdade dos mercados para que funcionassem dentro de regras em seu favor.

Outra ficção é que a democracia se encontra associada à livre iniciativa e ao funcionamento “livre” dos mercados. O que estamos a assistir é ao fim do casamento entre a democracia e a economia, na fórmula feliz de Slavoj Zizek. A liberdade dos cidadãos e dos países é cada vez mais cerceada. Para acabar de vez com as dúvidas há quem defenda à boca cheia, nos jornais europeus ditos de referência, que, enquanto a crise durar, a UE deve ser gerida com eficácia, mesmo não democraticamente. Como a crise não tem fim à vista e só se agrava, devemo-nos preparar para o que o futuro nos reserva. Alguns governantes já o devem pensar mas ainda não se atreveram, como Manuela Ferreira Leite, a propor a suspensão da democracia. Foi com a suspensão da democracia pela força que os mais estrénuos defensores do mercado livre, os Chicago boys, fanáticos torquemadas dispostos a tudo para por em prática a ordem económica inscrita nas tábuas das leis ditadas por Milton Friedman, (no actual governo português têm assento alguns desses factótuns) deram livre curso aos seus delírios no Chile de Pinochet, com os resultados conhecidos, entre os quais avultam o empobrecimento generalizado da população, milhares de mortos e presos vítimas de uma repressão feroz, tudo para glória e triunfo do mercado livre.

O que está a suceder na Europa é estar a ser gerida de forma não democrática pelos países mais poderosos, que põe o seu poder ao serviço do capital financeiro, nem que a eficácia das suas medidas se meça por uma cada vez mais clara destruição do ideal democrático.

Ouçam este comentador bem informado.

Compare-se esse comentário com os comentários que ouvimos aos nossos comentadores encartados e medíocres que papagueiam o que o totalitarismo do pensamento único quer ouvir, que ladram o que a voz dono quer ouvir. Por cá vozes críticas, bem informadas, são uma raridade que aparece intermitente e raramente nos meios da comunicação social. A normalidade é o mais chão e vulgar debitar de ideias feitas que corroboram e validam o estado de sítio que estamos a viver.

Standard

One thought on “Contra a Voz do Dono!

Comente aqui. Os comentários são moderados por opção dos editores do blogue.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s