Setúbal

Tróia high cost

O renovado complexo turístico de Tróia, ancorado no novo Casino que o grupo Amorim Turismo abre no dia 1 de Janeiro, é, cada vez mais, uma área inacessível aos setubalenses.

Sabe-se agora que a concessionária dos transportes fluviais que serve a península se prepara para aumentar as tarifas em 25 por cento, o que se traduz em mais cinquenta cêntimos por percurso. A partir de 15 de Janeiro, como noticia hoje o jornal “O Setubalense”, a viagem de ida e volta a Tróia custará, por passageiro, cinco euros, ou seja, mais um euro do que custa hoje. Nos veículos ligeiros transportados no ferry a tarifa passa de 9,60 para onze euros por viagem, ou seja, mais 2,80 euros por ida e volta. Uma viagem destas em viatura com quatro pessoas passa assim a custar 37 euros, preço que quase se equipara ao dos bilhetes das low cost para algumas capitais europeias…

Já aqui fiz em tempos as contas que demonstram que, apesar de mais incómodo, sai mais barato ir a Tróia por autoestrada do que por via fluvial. A ideia deve ser mesmo essa. Tornar a viagem incómoda para que ninguém lá vá.

Já não pode haver dúvidas que Belmiro de Azevedo e a Amorim Turismo querem mesmo limitar o acesso das gentes da margem pobre e mal cheirosa do Sado ao glamoroso empreendimento de Tróia e ao riquíssimo novo Casino que ali abre no dia 1 de Janeiro. Uma vez mais os responsáveis por Tróia, que foram mudando consoante os tempos, se convencem de que podem ter sucesso sem o apoio dos setubalenses, os primeiros e mais prováveis clientes do novo espaço de jogo. Já aconteceu  no passado, volta a acontecer agora sem que se tenha aprendido o que quer que seja com as várias lições da história de Tróia.

É pena que assim seja, assim como é absolutamente lamentável que as contrapartidas financeiras previstas o contrato de concessão do jogo de Tróia sejam apenas entregues a Grândola, deixando de fora Setúbal e Alcácer do Sal, os concelhos que, por razões geográficas e até históricas, deveriam recolher parte do que os seus habitantes vão gastar nas novíssimas máquinas de jogo para reinvestir em obras e actividades nas respectivas áreas de intervenção.

É pena…

Standard

Comente aqui. Os comentários são moderados por opção dos editores do blogue.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s