Geral

Dinheiro para que te quero?

Os portugueses procederam neste Natal, entre 21 e 26 de Dezembro, a levantamentos de dinheiro em máquinas multibanco num valor superior em 51 milhões de euros ao registado no Natal de 2009 (527 milhões). E os pagamentos efectuados por essa via foram 98 milhões de euros superiores aos do ano passado (684 milhões) noticiava do DN de 28 de Dezembro.

Qual a relação dos portugueses com a crise?  Olhando à superfície é, pelo menos, tema generalizado de conversa. É já quase tão habitual falar sobre a crise como sobre o tempo. Os media “bombardeiam” os seus públicos com inúmeras notícias, reportagens, análises, entrevistas e todos os outros ângulos de abordagem possíveis. Um filão inesgotável para esses órgãos de comunicação, com a novela das oscilações diárias das taxas de juro da dívida soberana a tudo bater aos pontos.

Todos sabemos pois que estamos em crise. Aliás, creio que desde o famoso “pântano” de António Guterres e do “país de tanga” (Durão Barroso), que lhe sucedeu, que nunca mais deixaram de nos falar em crise. Crises a que se somam crises. De vez em quando vozes bem situadas tentam contrariar a maré dominante, com isso tentando dar uns tons de azul à paisagem. O antigo ministro da economia Manuel Pinho, por exemplo, decretou em 2006 o fim da crise. Sócrates e Teixeira dos Santos decidiram em 2009 baixar o IVA em 1% e aumentar os funcionários públicos após vários anos de congelamento. Rapidamente se aperceberam que se tinham enganado, pois logo a Crise retomou o seu majestático lugar entre os portugueses.

Sabemos que o desemprego não parou de aumentar. Que continuam a encerrar empresas por todo o país. Que as prestações sociais estão a diminuir. Que pagamos mais impostos e contribuições. Que o comércio tradicional se queixa de vender menos e de estarem a encerrar numerosos estabelecimentos. Que se aproximam cortes salariais para centenas de milhar de portugueses.

O que quererá dizer esta aparente contradição?

Avance-se uma tentativa de explicação:

Um. De tanto discurso sobre a crise, os portugueses que tem dinheiro disponível ficaram imunes e já não levam o discurso a sério. Fala-se, fala-se, mas não se sente na pele. A crise mora na porta do lado e entra em casa pela televisão.

Dois. Como no naufrágio do Titanic (ver o filme) a orquestra continua a tocar e os músicos a dar o seu melhor. Claro que os músicos sabem que a embarcação está a afundar! Mas… um último acorde e uma última flute de champanhe…

Três. Sempre a fintar a crise, os portugueses decidiram antecipar as suas compras devido ao aumento do IVA a partir de Janeiro. Sempre poupam algum…

Quatro. Dinheiro de plástico. O que é custa pagar se se trata apenas de introduzir um cartão de plástico numa ranhura e digitar um código? Mais custa quando vemos as notas – muitas vezes velhas, gastas e quase a lembrarem o suor –  saírem da nossa carteira e depois da nossa mão. Custa muito, muito mais. Para já não falar em “escudos barra euros” – o que é que custa(va) mais? Largar uma nota de 1000 escudos ou largar uma de 5 euros? Até mesmo entregar um cheque (escrevê-lo e assiná-lo) parece-me que custa muito mais.

Quinto. Apesar de vivermos no mesmo país, os portugueses vivem em mundos paralelos. Parte deles, mesmo trabalhando vivem perto da miséria – o que é um salário mínimo que não chega a 500 euros? Outra grande parte da população, a maioritária, a que se convencionou chamar “classes médias”, vai sobrevivendo, contando os cada vez mais escassos tostões de que dispõe, fazendo contas para pagar o empréstimo da casa e do carro e as outras despesas da família. Rezando para que a taxa de juro não suba e à espera de não ser despedido. E há ainda os portugueses que vivem bem, muito bem, que podem gastar hoje como gastavam ontem.

São os paradoxos da crise.

Standard

Comente aqui. Os comentários são moderados por opção dos editores do blogue.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s